Sentidos atribuídos pelos professores de séries iniciais aos desafios na carreira docente

Palavras-chave: Carreira docente, Sentimentos, Saúde, Desgaste, Medicalização.

Resumo

O objetivo deste estudo foi o de compreender, junto aos professores dos anosiniciais do ensino fundamental, os sentidos atribuídos aos desafios na carreiradocente. Doze docentes participaram de um grupo focal realizado em uma escolapública. Seus relatos foram gravados em áudio e vídeo e analisados por meio datécnica de núcleo de significação, utilizando-se como referencial teórico aperspectiva da psicologia histórico-cultural. Os dados obtidos evidenciaram que acarreira docente é vivenciada com sentimentos de prazer e angústia. Os docentes sesentem desvalorizados no exercício da profissão, tanto pelo baixo salário recebidocomo pelas interações que estabelecem com os estudantes, sentidas como muitocomplexas e desafiadoras. Comentam que sua saúde tem sido afetada, levando-oscada vez mais a buscar auxílio de especialistas e medicação para lidar com asquestões do trabalho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciane Guisso, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Psicologia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

         
Marivete Gesser , Universidade Federal de Santa Catarina

Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da UFSC.

         

Referências

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2006). Núcleos de significação como instrumento para apreensão da constituição dos sentidos. Psicologia, Ciência e Profissão, 26(2), 222-245.

Aguiar, W. M. J., & Ozella, S. (2013). Núcleos de significação: Aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 94(236), 299-322.

Alves, M. G., Azevedo, N. R., & Gonçalves, T. N. R. (2014). Satisfação e situação profissional: Um estudo com professores nos primeiros anos de carreira. Educação e Pesquisa, 40(2), 365-382.

Araújo, T. M., & Carvalho, F. M. (2009). Condições de trabalho docente e saúde na Bahia: Estudos epidemiológicos. Educação & Sociedade, 30(107), 427-449.

Baião, L. P. M., & Cunha, R. G. (2013). Doenças e∕ou disfunções ocupacionais no meio docente: Uma revisão de literatura. Formação@Docente, 5(1), 6-21.

Berlatto, A. C. (2011). A valorização do trabalho do professor para além da remuneração. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Carlini-Cotrim, B. (1996). Potencialidades da técnica qualitativa grupo focal em investigações sobre abuso de substâncias. Revista de Saúde Pública, 30(3), 285-293.

Dejours, C. (1992). Travail: Usure mentale. Paris: Bayard Éditions

Diehl, L., & Marin, A. H. (2016). Adoecimento mental em professores brasileiros: Revisão sistemática da literatura. Estudos Interdisciplinares em Psicologia, 7(2), 64-85.

Eugênio, B., Souzas, R., & Di Lauro, A. D. (2017). Trabalho e adoecimento do professor da educação básica no interior da Bahia. Laplage em Revista, 3(2), 179-194.

Fernandes, M. H., & Rocha, V. M. (2009). Impact of the psychosocial aspects of work on the quality of life of teachers. Revista Brasileira de Psiquiatria, 31(1), 15-20.

Gasparini, S. M., Barreto, S. M., & Assunção, A. A. (2005). O professor, as condições de trabalho e os efeitos sobre sua saúde. Educação e Pesquisa, 31(2), 189-199.

Gatti, B. A., & Barreto, E. S. (2009). Professores do Brasil: Impasses e desafios. Brasília, DF: Unesco.

Grochoska, M. A. (2015). Políticas educacionais e a valorização do professor: Carreira e qualidade de vida dos professores de educação básica do município de São José dos Pinhais/PR. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Hargreaves, L., Cunningham, M., Everton, T., Hansen, A., Hopper, B., McIntyre, D., Oliver, C., Pell, T., Rouse, M., & Turner, P. (2006). The status of teachers and the teaching profession: Views from inside and outside the profession: Interim findings from the teacher status project (Research Report). London: DfES.

Hypolito, A. M., & Grishcke, P. E. (2013). Trabalho imaterial e trabalho docente. Educação: Revista do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria, 38(2), 507-522.

Jacomini, M. A., & Penna, M. G. O. (2016). Carreira docente e valorização do magistério: Condições de trabalho e desenvolvimento profissional. Revista Pro-Posições, 27(2), 177- 202.

Johnson, S. M., Cooper, C., Cartwright, S., Donald, I., Taylor, P. J., & Millet, C. (2005). The experience of work-related stress across occupations. Journal of Managerial Psychology, 20(2), 178-187.

Kind, L. (2004). Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Psicologia em Revista, 10(15), 124-136.

Lapo, F. B., & Bueno, O. B. (2003). Professores, desencanto com a profissão e abandono do magistério. Cadernos de Pesquisa, 118, 65-88

Leite, M. A. (2014). Encontros e (re)encontros com imagens docentes: Uma análise discursiva. Fórum linguístico, 11(4), 415-428.

Lukács, G. (1978). As bases ontológicas do pensamento e da atividade do homem. Revista Temas de Ciências Humanas, (4), 1-17.

Marx, K. (2006). O capital: Crítica da economia política (23ª ed., Livro I). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Masson, G. (2017). Requisitos essenciais para a atratividade e a permanência na carreira docente. Educação & Sociedade, 38(140), 849-864.

Mattos, A. R., Perez, B. C., Almada, C. V. R., & Castro, L. R. (2013). O cuidado na relação professor-aluno e a sua potencialidade política. Estudos de Psicologia, 18(2), 369-377.

Neves, M. Y. R., & Silva, E. S. (2006). A dor e a delícia de ser (estar) professora: Trabalho docente e saúde mental. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 6(1), 63-75.

Noronha, M. M. B., Assunção, A. A., & Oliveira, D. A. (2008). O sofrimento no trabalho docente: O caso das professoras da rede pública de Montes Claros, Minas Gerais. Revista Trabalho Educação e Saúde, 6(1), 65-85.

Nunes, C. P., & Oliveira, D. A. (2017). Trabalho, carreira, desenvolvimento docente e mudança na prática educativa. Educação & Pesquisa, 43(1), 65-80.

Pasqualotto, R. A., & Löhr, S. S. (2015). Habilidades sociais e resiliência em futuros educadores. Psicologia Argumento, 33(80), 310-320.

Patto, M. H. S. (1992). A família pobre e a educação pública: Anotações sobre um desencontro. Psicologia USP, 3(1-2), 107-121.

Pereira, F. E., Teixeira, C. S., & Lopes, A. S. (2013). Qualidade de vida de professores de educação básica do município de Florianópolis, SC, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(7), 1963-1970.

Reis, E. J. F. B., Araújo, T. M., Carvalho, F. M., Barbalho, L., & Silva, M. O. (2006). Docência e exaustão emocional. Educação e Sociedade, 27(94), 229-253.

Santos, M. N., & Marques, A. C. (2013). Condições de saúde, estilo de vida e características de trabalho de professores de uma cidade do sul do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 18(3), 837-846

Simplício, S. D., & Andrade, M. S. (2011). Compreendendo a questão da saúde dos professores da Rede Pública Municipal de São Paulo. Psico, 42(2), 159-167.

Souza, K. R., Santos, M. B. M., Pina, J. A., Maria, A. B. V., Carmo, M. A., & Jesen, M. (2003). A trajetória do Sindicato Estadual dos Profissionais da Educação do Rio de Janeiro (Sepe-RJ) na luta pela saúde no trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 8(4), 1057-1068.

Zacharias, J., Mendes, A. R., Lettnin, C., Dohms, K. P., Mosquera, J. J. M., & Stobäus, C. D. (2011). Saúde e educação: Do mal-estar ao bem-estar docente. Revista Educação por Escrito, 2(1), 16-30.

Publicado
2020-01-08
Como Citar
Guisso, L., & Gesser , M. (2020). Sentidos atribuídos pelos professores de séries iniciais aos desafios na carreira docente. Pro-Posições, 30, 1-18. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658029
Seção
Artigos