Ontoepistemologia Ambiental

vestígios e deslocamentos no campo dos fundamentos da educação ambiental

Palavras-chave: Linguagem, Ser, Educação ambiental, Fundamentos, Hermenêutica.

Resumo

O estudo apresenta ao campo dos fundamentos da educação ambiental algunsprincípios para sustentar a necessidade de reconhecimento de epistemologiasontológicas que contemplem leituras em educação ambiental centradas em nossotempo. Desse modo, procura demonstrar como a racionalidade ocidental, buscandofirmar-se, cindiu o ser no bojo de suas epistemologias através de dualismos.Posteriormente apresentam-se os vestígios atuais de um deslocamento da ciênciapositiva para um modo de pensar a ciência que reconhece a dimensão ontológicado ser, considerando a temporalidade histórica de Heidegger e a linguagem deGadamer. Espera-se que este texto seja o início para pensar possibilidades de umdebate ontoepistemológico para a educação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vilmar Alves Pereira, Universidade Federal do Rio Grande

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

           
Simone Grohs Freire, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG (2017).

         
Márcia Pereira da Silva , Universidade Federal do Rio Grande

Universidade Federal do Rio Grande.

Referências

Adorno, T., & Horkheimer, M. (1985). Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Agostinho. (1996). A Cidade de Deus. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Barros, M. (1998). Retrato do artista quando coisa. Rio de Janeiro: Record.

Carvalho, I., & Grün, M. (2005). Hermenêutica e educação ambiental. In L. A. Jr., Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores (pp. 175-188). Brasília: MMA; Diretoria de Educação Ambiental.

Foucault, M. (2000). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes.

Freud, S. (1996). O mal-estar na civilização. Rio de Janeiro: Imago.

Gadamer, H.-G. (2000a). Homem e linguagem. In C. S. Almeida, H.-G. Flickinger, & L. Rohden, Hermenêutica filosófica: nas trilhas de Hans-Georg Gadamer (pp. 117-128). Porto Alegre: EDIPUCRS.

Gadamer, H.-G. (2000b). Da palavra ao conceito. In C. S. Almeida, H.-G. Flickinger, & L. Rohden, Hermenêutica filosófica: nas trilhas de Hans-Georg Gadamer (pp. 13-26). Porto Alegre: EDIPUCRS.

Gadamer, H.-G. (2002). Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Vozes.

Gadamer, H.-G. (2006). O problema da consciência histórica. São Paulo: FGV.

Gadamer, H.-G. (2012). Hermenêutica e diferença ontológica. In J. Grondin, O pensamento de Gadamer (pp. 471-494). São Paulo: Paulus.
Gadamer, H. -G. (2013). Verdade e método I. Petrópolis: Vozes.

Giacoia Jr., O. (2013). Heidegger urgente: introdução a um novo pensar. São Paulo: Três Estrelas.

Grondin, J. (2012). Hermenêutica. São Paulo: Parábola.

Habermas, J. (1990). O discurso filosófico da modernidade. Lisboa: Dom Quixote.

Habermas, J. (2002). Pensamento pós-metafísico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Harari, Y. N. (2016). Homo Deus: uma breve história do amanhã. São Paulo: Companhia das Letras.

Heidegger, M. (1977). A origem da obra de arte. Lisboa: Edições 70.

Heidegger, M. (2008). Marcas do caminho. Rio de Janeiro: Vozes.

Heidegger, M. (2013). Ontologia: hermenêutica da faticidade. Rio de Janeiro: Vozes.

Heidegger, M. (2014). Contribuições à filosofia. Rio de Janeiro: Via Vérita.

Heidegger, M. (2015). Ser e Tempo. Rio de Janeiro: Vozes.

Kahlmeyer-Mertens, R. (2017). 10 lições sobre Gadamer. Petrópolis: Vozes.

Lawn, C. (2007). Compreender Gadamer. Petrópolis: Vozes.

Leff, E. (2006). Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Molinaro, A. (2002). Metafísica: curso sistemático. São Paulo: Paulus.

Nieztche, F. (1974). Sobre verdade e mentira no sentido extra-moral. São Paulo: Abril Cultural.

Pereira, V. A. (2016a). A crise nos fundamentos da educação ambiental: motivações para a emergência de um pensamento pós-metafísico. In V. A. Pereira, Hermenêutica & educação ambiental no contexto do pensamento pós-metafísico (pp. 78-109). Juiz de Fora: Garcia Edizioni.

Pereira, V. A. (2016b). Ecologia Cosmocena: a redefinição do espaço humano no cosmos. Juiz de Fora: Garcia Edizioni.

Rohden, L. (2000a). “Ser que pode ser compreendido é linguagem”: a ontologia hermenêutica de Hans-Georg Gadamer. Revista Portuguesa de Filosofia, 56, 543-557.

Rohden, L. (2000b). Hermenêutica e linguagem. In C. S. Almeida, H.-G. Flickinger, & L. Rohden, Hermenêutica filosófica: nas trilhas de Hans-Georg Gadamer (pp. 151-202). Porto Alegre: EDIPUCRS.

Stein, E. (2015). Gadamer e a consumação da hermenêutica. In E. Stein, & L. Streck, Hermenêutica e epistemologia: 50 anos de verdade e método (pp. 9-24). Porto Alegre: Livraria do Advogado.

Suchodolski, B. (1992). A pedagogia e as grandes correntes filosóficas: a pedagogia da essência e a pedagogia da existência. Lisboa: Livros Horizonte.

Zingano, M. (2013). As virtudes morais. São Paulo: WMF Martins Fontes.
Publicado
2020-01-08
Como Citar
Pereira, V. A., Freire, S. G., & Silva , M. P. da. (2020). Ontoepistemologia Ambiental. Pro-Posições, 30, 1-25. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658047
Seção
Artigos