Problematizando o campo de saber da educação ambiental

Palavras-chave: Educação ambiental, Campo de saber, Perspectiva crítica, Michel Foucault.

Resumo

Este artigo inscreve-se na possibilidade de pensar e provocar alguns ditos recorrentes em pesquisas científicas voltadas à educação ambiental. Para isso, analisamos 121 produções científicas que se voltam para os fundamentos epistemológicos, filosóficos, políticos e educacionais do seu campo de saber, a partir da perspectiva crítica. Como aporte teórico-metodológico, utilizamos três ferramentas presentes em diferentes obras de Michel Foucault. São elas: (i) suposição de que os universais não existem, (ii) problematização, e (iii) documentos vistos como monumentos. Com a realização deste estudo foi possível problematizar a potência que a interdisciplinaridade, a emancipação social e a transformação social possuem na formação do campo da educação ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lorena Santos da Silva, Universidade Federal do Rio Grande

Universidade Federal do Rio Grande.

Paula Corrêa Henning, Universidade Federal do Rio Grande

Pós-Doutorado em Filosofia pela Univeridad de Murcia/Espanha (2017 Estágio Sênior Capes).

         

Referências

Bondía, J. L. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, (19), 20-29. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n19/n19a02.pdf.

Carvalho, I. C. M. (2012). Educação ambiental: A formação do sujeito ecológico. 6a ed. São Paulo: Cortez.

Costa, C. A., & Loureiro, C. F. B. (2015). Contribuições da pedagogia crítica para a pesquisa em educação ambiental: Um debate entre Saviani, Freire e Dussel. Revista Brasileira de Educação Ambiental, 10(1), 180-200. Recuperado de https://doi.org/10.34024/revbea.2015.v10.1948.

Floriani, D. (2009). Educação ambiental e epistemologia: Conhecimento e prática de fronteira ou uma disciplina a mais? Pesquisa em Educação Ambiental, 4(2), 191-202. Recuperado de http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/pesquisa/article/view/6200 /4548.

Foucault, M. (1995). O sujeito e o poder: Michel Foucault entrevistado por Hubert L. Dreyfus e Paul Rabinow. In H. L. Dreyfus, & P. Rabinow, Michel Foucault, uma trajetória filosófica: Para além do estruturalismo e da hermenêutica (pp. 229-250). Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária.

Foucault, M. (2008). O nascimento da biopolítica: Curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.

Foucault, M. (2009). História da sexualidade 2: O uso dos prazeres (13a ed). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M. (2013). Ditos & escritos II: Arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento (3a ed). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Foucault, M. (2014). A ordem do discurso: Aula inaugural do Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970 (24a ed). São Paulo: Edições Loyola.

Foucault, M. (2015a). Arqueologia do saber (8a ed). Rio de Janeiro: Forense Universitária.
Foucault, M. (2015b). Ditos e Escritos IV: Estratégias, poder-saber (3a ed). Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Garcia, M. M. A. (2002). Pedagogias críticas e subjetivação: Uma perspectiva foucaultiana. Petrópolis: Vozes.

Grün, M. (2012). Ética e educação ambiental: Conexões necessárias (14a ed). Campinas: Papirus.

Henning, P. C. (2008). Efeitos de sentido em discursos educacionais contemporâneos: Produção de saber e moral nas ciências humanas. Tese de Doutorado, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo.

Layrargues, P. P. (2003). A natureza da ideologia e a ideologia da natureza: Elementos para uma sociologia da educação ambiental. Tese de Doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Recuperado de http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/279859.

Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999 (1999, 28 de abril). Dispõe sobre Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental. Diário Oficial da União, seção 1 (p. 1). Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm Lima, G. F. C. (2009). Educação ambiental crítica: Do socioambientalismo às sociedades sustentáveis. Educação e Pesquisa, 35(1), 145-163. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151797022009000100010&lng=pt.

Lima, G. F. C. (2011). Educação ambiental no Brasil: Formação, identidades e desafios. Campinas: Papirus.

Linder, E. L. (2012). Refletindo sobre o ambiente. In C. P. Lisboa, & E. A. I. Kindel (Orgs.), Educação ambiental: Da teoria à prática (pp. 13-20). Porto Alegre: Mediação.

Maldonado, M. M. C. (2001). A ordem do discurso da educação ambiental. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/96091.
Nogueira, C., & Andrade, G. S. (2014). Fundamentos filosóficos sobre educação ambiental dos licenciandos em física do IFSul. Revista Thema, 11(1), 70-85. Recuperado de http://revistathema.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/view/179/112.

Oliveira, M. A. (2005). A construção dos enunciados ambientais no currículo, na perspectiva da vontade de verdade. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 26(1), 71-86. Recuperado de http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminasoc/article/view/3798.

Pitano, S. C., & Noal, R. E. (2009). Horizontes de diálogo em educação ambiental: Contribuições de Milton Santos, Jean-Jacques Rousseau e Paulo Freire. Educação em Revista, 25(3), 283-298. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/edur/v25n3/14.pdf.

Rago, M. (1993). As marcas da pantera: Foucault para historiadores. Resgate, 4(5), 22-32. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/ view/8647987/14798.

Rodrigues, M. D. (2013). A educação ambiental e a interdisciplinaridade através da horta: Um estudo de caso entre duas escolas da cidade de Rio Grande. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande. Recuperado de https://sistemas.furg.br/sistemas/sab/arquivos/bdtd/0000010502.pdf.

Silva, L. S. (2018). Educação ambiental e sua produção científica: Tensionamentos, relações de força e produção de verdades. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande.

Silva, T. T. (2015). Documentos de identidade: Uma introdução às teorias do currículo (3a ed). Belo Horizonte: Autêntica.

Veiga-Neto, A. J. (1996a). A ordem das disciplinas. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/131158.

Veiga-Neto, A. J. (1996b). Currículo, disciplina e interdisciplinaridade. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 17(2), 128-137. Recuperado de http://revista.cbce.org.br/index.php/RBCE/issue/viewIssue/74/6.
Publicado
2020-01-13
Como Citar
Silva, L. S. da, & Henning, P. C. (2020). Problematizando o campo de saber da educação ambiental. Pro-Posições, 30, 1-24. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658064
Seção
Artigos