Formação de professores de educação infantil e a concepção de educação democrática

a experiência do Pró-Saber

Palavras-chave: Educação infantil, Formação de professores, Pró-Saber, Concepção democrática de educação.

Resumo

Este artigo traz como objeto de investigação a experiência do Curso Normal Superior do Instituto Superior de Educação Pró-Saber, localizado no Rio de Janeiro. O objetivo foi analisar uma proposta de formação de professores de educação infantil que apresenta algumas particularidades: é baseada na concepção democrática de educação de Paulo Freire e toma como eixos norteadores a formação em serviço e a formação cultural. Trata-se de um estudo de caso, que fez uso de observação, entrevista e questionário como ferramentas metodológicas e buscou respaldo de autores que desenvolvem pesquisas na área. Os dados demonstraram que uma formação que prioriza o processo de autoria, a construção coletiva do conhecimento e a oportunidade de acesso a diferentes expressões culturais em uma perspectiva reflexiva contribui para que os professores se apropriem da própria prática, sintam-se mais seguros, valorizados e comprometidos com a educação enquanto projeto político mais amplo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Monique Gewerc, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Mestre em Educação (PPGE PUC-Rio/I2017).

           
Cristina Carvalho, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-RJ, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

     

Referências

Amálgama. (2018). In Dicionário Online de Português. Recuperado de https://www.dicio.com.br/amalgama/.

Carvalho, C. (2001). Cidadania cultural e formação de professores. Educação e Realidade, 26(2), 75-87. Recuperado de http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/26139/15254.

Carvalho, C. (2016). Quando a escola vai ao museu. Campinas: Papirus.

Carvalho, C., & Porto, C. (2013). Crianças e adultos em museus e centros culturais. In S. Kramer, M. F. Nunes, & M. C. Carvalho (Orgs.), Educação infantil: formação e responsabilidade (pp. 133-150). Campinas: Papirus.

Cosmo, J. (2013). Cuidar do espaço para a identidade e autonomia de um grupo. In A. C. Genescá, & L. A. Cid (Orgs.), Pró-Saber: imaginação e conhecimento (pp. 98-99). Rio de Janeiro: Edições Pró-Saber.

Cunha, M. I. (2013). O tema da formação de professores: trajetórias e tendências do campo na pesquisa e na ação. Educação e Pesquisa, 39(3), 609-625.

Ferreira, L. H., Prado, V. T., & Aragão, A. M. F. (2015). A formação do professor por suas narrativas: desafios da docência. Revista Hipótese, 1(4), 204-227.

Freire, P. (1997). Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo: Olho D’água.

Freire, P. (2004). Pedagogia da autonomia (29a ed.). São Paulo: Paz e Terra.

Freire, M. (2008). Educador. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2014). Pedagogia do oprimido (57a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Genescá, A. C., & Cid, L. A. (2013). Pró-Saber: imaginação e conhecimento. Rio de Janeiro: Edições Pró-Saber.

Guimarães, D. (2009). Na creche, o diálogo como ética: caminhos para o diálogo com bebês. In S. Kramer (Org.), Retratos de um desafio: crianças e adultos na educação infantil (pp. 95-108). São Paulo: Ática.

Kramer, S. (1998). O que é básico na escola básica? Contribuições para o debate sobre o papel da escola na vida social e na cultura. In S. Kramer, & M. I. Leite (Orgs.), Infância e produção cultural (pp. 11-24). Campinas: Papirus.

Kramer, S. (Org.). (2005). Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática.

Kramer, S. (2007). Por entre as pedras: arma e sonho na escola (3a ed.). São Paulo: Ática.

Micarello, H. A. L. S. (2006). Professores da pré-escola: trabalho, saberes e processos de construção de identidade. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Nóvoa, A. (2009). Professores: imagens do futuro presente. Lisboa: Educa.

Nunes, M. F., Corsino, P., & Kramer, S. (Orgs.). (2011). Educação infantil e formação de profissionais no estado do Rio de Janeiro (1999-2009). Rio de Janeiro: Ravil.

Ostetto, L. E. (Org.). (2012). Educação infantil: saberes e fazeres da formação de professores (5a ed.). Campinas: Papirus.

Ostetto, L. E., & Leite, M. I. (2012). Arte, infância e formação de professores (7a ed.). Campinas: Papirus.

Resolução nº 5 CNE/CEB nº 20, de 17 de dezembro de 2009. (2009). Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica.

Tardif, M. (2012). Saberes docentes e formação profissional (14a ed.). Petrópolis: Vozes.

Tiriba, L., Barbosa, S. N., & Santos, N. (2013). O cotidiano da educação infantil: buscando interações de qualidade. In S. Kramer, M. F. E. Nunes, M. C. Carvalho (Orgs.), Educação infantil: formação e responsabilidade (pp. 279-298). Campinas: Papirus.
Publicado
2020-01-13
Como Citar
Gewerc, M., & Carvalho, C. (2020). Formação de professores de educação infantil e a concepção de educação democrática. Pro-Posições, 30, 1-25. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658068
Seção
Artigos