Ouvindo imagens

ensaio sobre uma oficina audiovisual inclusiva de cinema e educação

Palavras-chave: Oficina audiovisual, Surdez, Modos de endereçamento, Inclusão, Cinema e educação.

Resumo

Este ensaio reflete sobre a produção de um vídeo resultante de uma oficina de cinema realizada com estudantes surdos e ouvintes do ensino médio de uma escola pública do Rio de Janeiro. A oficina integrou o projeto Ouvindo imagens, realizado pelo Laboratório de Vídeo Educativo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (LVE/Nutes/UFRJ), cujo objetivo era promover a aproximação e a integração entre esses dois grupos de estudantes por meio da prática cinematográfica. Nosso trabalho destaca o lugar de existência das minorias linguísticas em relação à escola, ao cinema e aos endereçamentos sociais que a este grupo são dirigidos. A partir do conceito de modos de endereçamento, analisamos o desenvolvimento da oficina, especificamente o processo de produção do filme. Como resultado, identificamos que a experiência da oficina propiciou formas potentes de relação entre os participantes, como fica evidente no próprio vídeo e no sistema colaborativo da sua produção, acionado pela força de um descontentamento social vivido por eles no contexto escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geraldo Pereira, Universidade Federal do Rio de Janeiro

 Doutorando (Educação) Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Maria Inês Batista Barbosa, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Atualmente é professora da Graduação e Pos Graduação do Instituto Brasileiro de Medicina de Reabilitação e da Graduação da Universidade Veiga de Almeida.

         
Luiz Augusto Coimbra de Rezende Rezende Filho, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professor Associado I do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Saúde do NUTES-UFRJ.

         

Referências

Bakhtin, M. (2003). Os gêneros do discurso. In Estética da criação verbal (P. Bezerra, trad., pp. 261- 306). São Paulo: Martins Fontes.

Bergala, A. (2008). A hipótese-cinema: Pequeno tratado de transmissão do cinema dentro e fora da escola (M. Costa & S. Pimenta, trads.). Rio de Janeiro: Cinead-Lise-FE/UFRJ.

Campello, A. R. S. (2008). Pedagogia visual na educação de surdos-mudos. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Castro Junior, G. (2015). A cultura surda contra o discurso médico: Uma filosofia da linguagem, em Barthes. In G. W. Almeida (Org.), Educação de surdos, formação, estratégia e prática docente (pp. 14-23). Ilhéus: Editora da Uesc.

Catelli, R. (2010). Coleção de imagens: o cinema documentário na perspectiva da Escola Nova, entre os anos de 1920 e 1930. Educação & Sociedade, 31(111), 605-624. https://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302010000200016.

Cinema para todos (2012). O programa: Você gosta de cinema? [Website]. Recuperado de http://www.cinemaparatodos.rj.gov.br/programa/o-que-e/.

Díez, A. M. (2010). Traçando os mesmos caminhos para o desenvolvimento de uma educação inclusiva. Inclusão: Revista de Educação Especial, 5(1), 16-25.

Dubois, P. (2004). Cinema, vídeo, Godard (M. A. Silva, trad.). São Paulo: Cosac Naify.

Ellsworth, E. (2001). Modos de endereçamento: Uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In T. T. Silva (Org.), Nunca fomos humanos: Nos rastros do sujeito (pp. 9-76). Belo Horizonte: Autêntica.

Escudero, C., & Saraiva, A. G. (2016). A representação das minorias sociais em narrativas cinematográficas: Uma análise a partir da perspectiva de Appadurai. Artigo apresentado no XXXIX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Intercom, São Paulo. Recuperado de http://portalintercom.org.br/anais/nacional2016/resumos/R11-0758- 1.pdf.
Freire Filho, J. (2004). Mídia, estereótipo e representação das minorias. Revista Eco-Pós, 7(2), 45- 71.

Fresquet, A. (2013). O cinema como arte na escola: Um diálogo com a hipótese de Alain Bergala. In A.

Fresquet (Org.), Currículo de cinema para escolas de educação básica (pp. 39-62). Rio de Janeiro: Cinead/Lecav/UFRJ.

Hall, S. (2003a). Codificação/decodificação. In Da diáspora: Identidades e mediações culturais (pp. 387-404). Belo Horizonte: UFMG.

Hall, S. (2003b). Reflexões sobre o modelo de codificação/decodificação: Uma entrevista com Stuart Hall. In Da diáspora: Identidades e mediações culturais (pp. 353-386). Belo Horizonte: UFMG.

Hooks, B. (1992). The oppositional gaze: Black female spectators. In Black looks: Race and representation (pp. 115-131). Boston: South End Press.

Leandro, A. (2001). Da imagem pedagógica à pedagogia da imagem. Comunicação & Educação, 21, 29-36. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/36974.

Leandro, A. (2010). Posfácio: Uma questão de ponto de vista. Revista Contemporânea de Educação, 5(10), 80-86.

Loureiro, V. R. (2006). A política de inclusão escolar no Brasil: Pensando o caso da surdez. Revista Espaço Informativo Técnico Científico do Ines, (25/26), 12-28.

Melo, J. V. (2015). Percepções do público surdo sobre acessibilidade no cinema. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Migliorin, C. (2015). Inevitavelmente cinema: Educação, política e mafuá. Rio de Janeiro: Beco do Azougue.

Pletsch, M. D., & Glat, R. (2010). Pesquisa-ação; estratégias de formação continuada de professores para favorecer a inclusão escolar. Revista Espaço, 33, 50-57.

Rancière, J. (2012). A frase, a imagem, a história. In T. Capistrano (Org.), O destino das imagens (M. C. Netto, trad., pp. 43-78). Rio de Janeiro: Contraponto.

Souza, S. M. M. (2015). Sinais lexicais dos termos cinematográficos: A perspectiva da língua de sinais no cinema. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília.

Staiger, J. (2005). Minorities and media. In Media reception studies (pp. 165-185). New York: New York University Press.

Stam, R. (2003). Introdução à teoria do cinema. Campinas: Papirus.

Thoma, A. S. (2011). Possibilidades de leitura da diferença surda no cinema. In L. B. Karnopp, M. Klein, & M. L. Lunardi-Lazzarin (Orgs.), Cultura surda na contemporaneidade: Negociações, intercorrências e provocações (pp. 205-220). Canoas: Editora da Ulbra.

Toledo, M. (2010). Educação audiovisual popular no brasil: Panorama, 1990-2009. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Xavier, I. (2008). Um cinema que “educa” é um cinema que (nos) faz pensar: Entrevista com Ismail Xavier. Educação & Realidade, 33(1), 13-20.
Publicado
2020-01-13
Como Citar
Pereira, G., Barbosa, M. I. B., & Rezende Filho, L. A. C. de R. (2020). Ouvindo imagens. Pro-Posições, 30, 1-25. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658078
Seção
Artigos