Classe social e conflito na implementação de prescrições curriculares para o ensino de arte

Palavras-chave: Educação e desigualdades, Currículo, Trabalho do professor, Ensino de arte, Ensino fundamental.

Resumo

Interessado no debate sobre educação e desigualdades, o artigo tem por objetivo discutir o processo de afirmação de uma dada cultura e de determinados modos de sua transmissão, como aqueles que o Estado, por seu poder, determina que o sistema de ensino deverá assumir. Assim, pesquisamos quatro mediações, analisadas como relações conflituosas, pelas quais as prescrições curriculares oficiais procuram se impor e legitimar no cotidiano de escolas públicas, organizando o trabalho do professor. As conclusões estão orientadas por uma ideia central: tais prescrições procuram universalizar a cultura e as disposições estéticas das elites letradas, sem discutir suas condições sociais de produção, reprodução e difusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio Ernica, Universidade Estadual de Campinas

É docente do Departamento de Educação, Conhecimento, Linguagem e Arte (Delart) da Faculdade de Educação da Unicamp.

         
Nicolli Maronese Tortorelli, Universidade Estadual de Campinas

Graduação em Dança pela Universidade Estadual de Campinas(2018).

           

Referências

Almeida, A. M. F. (2009). As escolas dos dirigentes paulistas: ensino médio, vestibular, desigualdade social. Belo Horizonte: Argvmentvm.

Alves, M. T. G., Soares, J. F., & Xavier, F. (2016). Desigualdades educacionais no ensino fundamental de 2005 a 2016: hiato entre grupos sociais. Revista Brasileira de Sociologia, 4(7), 49-81.

Barbosa, A. M. (1989). Arte-Educação no Brasil: realidade hoje e expectativas futuras. Estudos Avançados, 3(7), 170-182.

Bobbio, N. (1993). Igualdad y liberdad. Barcelona: Paidós Ibérica.

Bourdieu, P., & Passeron, J.-C. (2008). A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis: Vozes.

Bourdieu, P. (1983). Gostos de classe e estilos de vida. In R. Ortiz (Org.), Pierre Bourdieu: sociologia (pp. 73-111). São Paulo: Ática.

Bourdieu, P. (2007). Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2011). Gênese histórica de uma estética pura. In O poder simbólico (pp. 281-298). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brasil. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros curriculares nacionais: arte. Brasília.

Chervel, A. (1988). L’histoires des disciplines scolaires: reflexions sur un domaine de recherche. Histoire de l’Éducation, 38, 59-119.

Dolz, J., & Ellagnier, E. (Orgs.). (2004). O enigma da competência em educação. Porto Alegre: Artmed. Fundação Seade. (2010). Índice Paulista de Vulnerabilidade Social (IPVS). Recuperado de http://indices-ilp.al.sp.gov.br/view/index.php?prodCod=2.
Goodson, I. (1997). A história social das disciplinas escolares. In A construção social do currículo (pp. 17-26). Lisboa: Educa.

Goodson, I. F., & Dowbiggin, I. (1995). História do currículo, profissionalização e organização social do conhecimento: um paradigma alargado para a história da educação. In I. Goodson, Currículo: teoria e história (pp. 97-115). Petrópolis: Vozes.

Hasenbalg, C. (2003). A transição da escola ao mercado de trabalho. In C Hasenbalg, & N. Valle Silva, Origens e destinos: desigualdades sociais ao longo da vida (pp. 147-172). Rio de Janeiro: Topbooks.

Julia, D. (2001). A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, 1, 9-44.

Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, seção 1.

Menezes Filho, N., & Kirschbaum, C. (2015). Educação e desigualdade no Brasil. In M. Arretche (Org.), Trajetória das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos (pp. 109- 132). São Paulo: Editora Unesp, Centro de Estudos da Metrópole.

Mont’Alvão Neto, A. L. (2011). Estratificação educacional no Brasil do século XXI. Dados: Revista de Ciências Sociais, 54(2), 389-430.

Moreira, A. F., & Tadeu, T. (2011). Sociologia e teoria crítica do currículo: uma introdução. In Currículo, cultura e sociedade (pp. 13-47). São Paulo: Cortez.

Ribeiro, C. A. C. (2003). Estrutura de classes, condições de vida e oportunidades de mobilidade social no Brasil. In C. Hasenbalg, & N. Valle Silva, Origens e destinos: desigualdades sociais ao longo da vida (pp. 381-430). Rio de Janeiro: Topbooks.

Ribeiro, C. A. C., Ceneviva, R., & Brito, M. M. A. (2015). Estratificação educacional entre jovens no Brasil: 1960 a 2010. In M. Arretche (Org.), Trajetória das desigualdades: como o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos (pp. 79-108). São Paulo: Editora Unesp, Centro de Estudos da Metrópole.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. (2012). Currículo do Estado de São Paulo: linguagens, códigos e suas tecnologias (2a ed.). São Paulo.

Viñao, A. (2008). A história das disciplinas escolares. Revista Brasileira de História da Educação, 18, 173-215.
Publicado
2020-01-13
Como Citar
Ernica, M., & Tortorelli, N. M. (2020). Classe social e conflito na implementação de prescrições curriculares para o ensino de arte. Pro-Posições, 30, 1-27. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8658082
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)