O cuidado como dimensão ontológica na educação infantil

sobre corpos, espaços e movimentos na constituição do ser-no-mundo

Autores

Palavras-chave:

Cuidado e educação, Heidegger, Corpo e educação, Educação infantil, Espaço escolar

Resumo

O texto discute o cuidado como dimensão ontológica e potência constitutiva do humano. Vale-se de matriz teórica que une autores da área da educação infantil com a ontologia de Martin Heidegger. Apresenta o conceito heideggeriano de cura (sorge) – cuidado/curadoria numa dimensão ontológica – e o toma como eixo articulador a partir do qual são pensadas a corporeidade e a espacialidade. O conceito de tato, de Helmholtz, também é desenvolvido a fim de sustentar a noção de contato, trazida à tona por Marta Nörnberg. Ratifica-se o argumento da autora de que as instituições de educação infantil devem ser consideradas como domus, isto é, moradas comuns em que o estatuto de “ser-no-mundo-junto-das-coisas-com-outros” seja favorecido por meio de um comprometimento cuidadoso/curador. Destaca-se, ainda que brevemente, a importância do ato de brincar e a necessidade de um olhar cuidadoso/curador tanto para a brincadeira quanto para os ambientes e corpos. Por fim, argumenta-se que as instituições de educação infantil devem ser ambientes cuidados/cuidadores que propiciem a convivência e o contato, indicando caminhos constitutivos do ser-no-mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Avila Colla, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Referências

Barbosa, M. C. S, & Horn, M. G. S. (2008). Projetos pedagógicos na educação infantil. Porto Alegre: Artmed.

Dalbosco, C. A. (2006). O cuidado como conceito articulador de uma nova relação entre filosofia e pedagogia. Educação e Sociedade, 27(97), 1113-1135.

Debortoli, J. A. et al. (2009). Projeto Brincar: experiências e memórias de brincadeiras na educação básica e na formação de professores. In A. Carvalho, F. Salles, M. Guimarães, & J. A. Debortoli (Orgs.), Brincar(es). Belo Horizonte: UFMG.

Faria, V., & Salles, F. (2007). Currículo na educação infantil. São Paulo: Scipione.

Fortuna, T. R. (2014) A importância de brincar na infância. In I. C. Horn, F. F. Vidal, J. S. Silva, J. Pothim, T. R. Fortuna, & V. L. B. Santos. Pedagogia do brincar. Porto Alegre: Mediação.

Gadamer, H-G. (1999). Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Petrópolis: Vozes.

Goldschmied, E., & Jackson, S. (2006). Educação de 0 a 3 Anos: o atendimento em creches. Porto Alegre: Artmed.

Heidegger, M. (1967). Sobre o humanismo. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

Heidegger, M. (1991). Sobre a essência do fundamento. In Conferências e escritos filosóficos. São Paulo: Nova Cultura.

Heidegger, M. (2000). Nietzsche I. Barcelona: Ediciones Destino.

Heidegger, M. (2005). Ser e Tempo: parte II. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Universidade São Francisco.

Heidegger, M. (2008). Observações sobre Arte – Escultura – Espaço. Artefilosofia, 5, 15-22.

Heidegger, M. (2004). Ser e Tempo: parte I. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Universidade São Francisco.

Kramer, S. (Coord.). (1998). Com a pré-escola nas mãos: uma alternativa curricular para a educação infantil. São Paulo: Ática.

Ministério da Educação (2013). Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília, DF: MEC, Secretária de Educação Básica, Diretoria de Currículos e Educação Integral. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizeseducacao-basica-2013-pdf/file

Ministério da Educação (2017). Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília, DF: MEC, Conselho Nacional de Educação. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=7 9601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017- pdf&Itemid=30192

Nietzsche, F. W. (2003). Segunda consideração intempestiva, da utilidade e desvantagem da história para a vida. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

Nietzsche, F. W. (2009). Así habló Zaratustra. Buenos Aires: Libertador.

Nörnberg, M. (2013). Do berço ao berçário: a instituição como morada e lugar de contato. Proposições, 24(3), 99-113.

Ortiz, C., Carvalho, M. T. V., & Baroukh, J. A. (2012). Interações: ser professor de bebês – cuidar, educar e brincar: uma única ação. São Paulo: Blucher.

Pereira, E. T. (2009). Brincar e criança. In A. Carvalho, F. Salles, M. Guimarães, & J. A. Debortoli (Orgs.), Brincar(es). Belo Horizonte: UFMG.

Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. (2009). Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União, seção 1, 1-5. Recuperado de https://www.mprs.mp.br/media/areas/gapp/arquivos/resolucao_05_2009_cne.pdf

Sayão, D. T. (2010). Não basta ser mulher… Não basta gostar de crianças… “Cuidado/educação” como princípio indissociável na Educação Infantil. Educação, 35, (1), 69-84.

Stein, E. (1988). Racionalidade e existência: uma introdução à filosofia. Porto Alegre: L&PM.

Downloads

Publicado

2020-01-20

Como Citar

COLLA, R. A. O cuidado como dimensão ontológica na educação infantil: sobre corpos, espaços e movimentos na constituição do ser-no-mundo. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20180059, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660666. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos