Banner Portal
A interdisciplinaridade no estágio supervisionado de um curso de educação física
REMOTO

Palavras-chave

Educação física
Formação profissional
Estágio
Interdisciplinaridade
Saúde

Como Citar

REIS, Wladimir Barbosa; GOMES, Ricardo José; OLIVEIRA, Rogério Cruz de. A interdisciplinaridade no estágio supervisionado de um curso de educação física. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20180030, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660670. Acesso em: 29 maio. 2024.

Resumo

A Educação Física é reconhecida como profissão da Saúde desde 1997. Entretanto, a formação profissional possui limites. Nesse contexto, a Universidade Federal de São Paulo – Campus Baixada Santista tem buscado suprir essa lacuna com uma formação pautada na interprofissionalidade e interdisciplinaridade. Assim, o objetivo do estudo consistiu em analisar o conceito de interdisciplinaridade no contexto do estágio supervisionado profissionalizante do curso de Educação Física da instituição sob a ótica discente. Foi desenvolvida uma pesquisa documental qualitativa a partir dos relatórios finais de estágio de 22 estudantes participantes do estudo. A análise dos dados se deu por categorias não apriorísticas. Os resultados mostraram que o conceito de interdisciplinaridade na ótica discente não é consensual e se mostra revelador de fragilidades e limitações. Entretanto, também aponta para o diálogo com outras áreas e profissões. Assim, conclui-se que a
formação no estágio interdisciplinar da instituição possui um caminho promissor a percorrer.

REMOTO

Referências

Aiub, M. (2006). Interdisciplinaridade: da origem à atualidade. O mundo da Saúde, 30(1), 107-116.

Anjos, T. C., & Duarte, A. C. G. O. (2009). A Educação Física e a estratégia de saúde da família: formação e atuação profissional. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 19(4), 1127-1144. doi:10.1590/S0103-73312009000400012

Beccalli, M. B., & Gomes, I. M. (2011). Das críticas às possibilidades: perspectivas de atuação da Educação Física em saúde coletiva. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, 33(4), 1085- 1092.

Best, J. W. (1972). Como investigar en educación (2a ed.). Madri: Morata.

Bispo, E. P. F., Tavares, C. H. F., & Tomaz, J. M. T. (2014). Interdisciplinaridade no ensino em saúde: o olhar do preceptor na Saúde da Família. Interface: Comunicação, Saúde e Educação, 18(49), 1-14. doi:10.1590/1807-57622013.0158

Campos, C. J. G. (2004). Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 57(5), 611-614. doi:10.1590/S0034-71672004000500019

Candido, L. O., Rossit, R. A. S., & Oliveira, R. C. (2018). Inserção profissional dos egressos de um curso de Educação Física com ênfase na formação em saúde. Trabalho, Educação e Saúde, 16(1), 305-318. doi:10.1590/1981-7746-sol00096

Fazenda, I. C. A. (1995). Interdisciplinaridade: história, teoria e pesquisa (2a ed.). São Paulo: Papirus.

Ferreira, S. E., Guerra, R. L. F., Pacheco, P. F. L., Gomes, R. J. G., Azevedo, P. H. S. M., & Oliveira, R. C. (2013). Formação profissional em Educação Física e saúde na Universidade Federal de São Paulo. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 18(5), 646-651. doi:10.12820/rbafs.v.18n5p646

Ferro, L. F., Silva, E. C., Zimmermann, A. B., Castanharo, R. C. T., & Oliveira, F. R. L. (2014). Interdisciplinaridade e intersetorialidade na Estratégia Saúde da Família e no Núcleo de Apoio à Saúde da Família: potencialidades e desafios. O mundo da Saúde, 38(2), 129-138.

Fonseca, S. A., Menezes, A. S., Feitosa, W. M. N., & Loch, M. R. (2012). Notas preliminares sobre a Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde – Abenefs. Caderno FNEPAS, 2, 38-48.

Fonseca, S. A., Menezes, A. S., Loch, M. R., Feitosa, W. M. N., Nahas, M. V., & Nascimento, J. V. (2011). Pela criação da Associação Brasileira de Ensino da Educação Física para a Saúde: Abenefs. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, 16(4), 283-288.

Furlanetto, E. C. (2011). Interdisciplinaridade: um conhecimento construído nas fronteiras. International Studies on Law and Education, 8, 47-54.

Furtado, J. P. (2007). Equipes de referência: arranjo institucional para potencializar a colaboração entre disciplinas e profissões. Interface: Comunicação, Saúde e Educação, 11(22), 239-255. doi:10.1590/S1414-32832007000200005

Gomes, I. M., Fraga, A. B., & Carvalho, Y. M. (2015). Práticas corporais no campo da saúde: contribuições do projeto políticas de formação em Educação Física e saúde coletiva. In I. M. Gomes, A. B. Fraga, & Y. M. Carvalho (Orgs.), Práticas corporais no campo da saúde: uma política em formação (pp. 7-20). Porto Alegre: Rede Unida.

Gomes, R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa (2012). In M. C. S. Minayo (Org.), S. F. Deslandes, O. Cruz Neto, R. Gomes, Pesquisa social: teoria, método e criatividade (31a ed., pp. 79-108). Petrópolis: Vozes.

Guedes, L. E., & Ferreira, M., Jr. (2010). Relações disciplinares em um centro de ensino e pesquisa em práticas de promoção da saúde e prevenção de doenças. Saúde e Sociedade, 19(2), 260-272. doi:10.1590/S0104-12902010000200004

Gusdorf, G. (1983). Passé, présent, avenir de la recherche interdisciplinaire. In L. Apostel, J.-M. Benoist, T. B. Bottomore, K. E. Boulding, M. Dufrenne, M. Eliade, … J. Ui, Interdisciplinarité et sciences humaines (Vol. 1, pp. 31-51). Paris: Unesco.

Hunger, D. A. C. F., & Rossi, F. (2010). Formação acadêmica em Educação Física: perfis profissionais, objetivos e fluxos curriculares. Motriz: Revista de Educação Física, 16(1), 170- 180.

Lück, H. (2007). Pedagogia interdisciplinar: fundamentos teórico-metodológicos (15a ed.) Petrópolis: Vozes.

Machado, M. M. B. C., & Batista, S. H. S. S. (2012). Interdisciplinaridade na construção dos conteúdos curriculares do curso médico. Revista Brasileira de Educação Médica, 36(4), 456- 462. doi:10.1590/S0100-55022012000600003

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2011). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, análise e interpretação dos dados (7a ed.). São Paulo: Atlas.

Minayo, M. C. S. (2006). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (9a ed.). São Paulo: Hucitec.

Minayo, M. C. S. (2012). O desafio da pesquisa social. In M. C. S. Minayo (Org.), S. F. Deslandes, O. Cruz Neto, R. Gomes, Pesquisa social: teoria, método e criatividade (31a ed., pp. 9-29). Petrópolis: Vozes.

Minuta de projeto de resolução para audiência pública de 11/12/2015. (2015). Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Educação Física, Licenciatura. Brasília, DF: Conselho Nacional de Educação.

Oliveira, R. C., & Andrade, D. R. (2016). Formação profissional em Educação Física para o setor da saúde e as diretrizes curriculares nacionais. Pensar a Prática, 19(4), 721-733. doi:10.5216/rpp.v19i4.42255

Pasquim, H. M. (2010). A saúde coletiva nos cursos de graduação em Educação Física. Saúde e sociedade, 19(1), 193-200. doi:10.1590/S0104-12902010000100016

Pombo, O. (2008). Epistemologia da interdisciplinaridade. Ideação, 10(1), 9-40.

Portaria n. 154, de 24 de janeiro de 2008. (2008). Cria os Núcleos de Apoio à Saúde da Família – Nasf. Diário Oficial da União, seção 1.

Resolução CNE n. 2, de 1º de julho de 2015. (2015). Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior e para a formação continuada. Diário Oficial da União, seção 1.

Resolução CNE/CES n. 7, de 31 de março de 2004. (2004). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física, em nível superior de graduação plena. Diário Oficial da União, seção 1.

Resolução CNS n. 218, de 6 de março de 1997. (1997). Diário Oficial da União, seção 1.

Roquete, F. F., Amorim, M. M. A., Barbosa, S. P., Souza, D. C. M., & Carvalho, D. V. (2012). Multidisciplinaridade, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade: em busca de diálogo entre saberes no campo da saúde coletiva. Recom, 2(3), 463-474.

Scherer, M. D. A., Pires, D. E. P., & Jean, R. (2013). A construção da interdisciplinaridade no trabalho da Equipe de Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 18(11), 3203-3212. doi:10.1590/S1413-81232013001100011

Severino, A. J. (2007). Metodologia do trabalho científico (23a ed.). São Paulo: Cortez.

Silva, S. A. P. S. (2003). Desenvolvimento do pensamento crítico-criativo e os estágios curriculares na área da Educação Física. Revista Brasileira de Ciência & Movimento, 11(3), 37-44.

Silva, S. A. P. S. (2005). Estágios curriculares na formação de professores de Educação Física: o ideal, o real e o possível. Efdeportes, 10(82).

Silva, S. A. P. S., Souza, C. A. F., & Checa, F. M. (2010). Situação do estágio supervisionado em IES privadas da grande São Paulo. Motriz: Revista de Educação Física, 16(3), 682-688. doi:10.5016/1980-6574.2010v16n3p682

Souza, A. C. S., & Ribeiro, M. C. (2013). A interdisciplinaridade em um Caps: a visão dos trabalhadores. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 21(1), 91-98.

Souza, D. R. P., & Souza, M. B. B. (2009). Interdisciplinaridade: identificando concepções e limites para sua prática em serviços de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem, 11(1), 117- 123. doi:10.5216/ree.v11.46895

Universidade Federal de São Paulo. (2006). Projeto político pedagógico. Santos: Unifesp.

Universidade Federal de São Paulo. (2010a). Normas do estágio supervisionado do curso de Educação Física. Santos: Unifesp.

Universidade Federal de São Paulo. (2010b). Projeto pedagógico de curso: bacharelado em Educação Física. Santos: Unifesp.

Vaz, A. C. A., Signorini, L. M., & Silva, A. A. (2013). Relação interdisciplinar entre profissionais de Educação Física e Fisioterapeutas em academias de ginástica. Revista Brasileira de Ciência & Movimento, 21(1), 41-50. doi:10.18511/0103-1716/rbcm.v21n1p41-50

Zannon, C. M. L. C. (1993). Desafios à psicologia na instituição de saúde. Psicologia: Ciência e Profissão, 13(1-4), 15-21. doi:10.1590/S1414-98931993000100004

Proposições utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.