O corpo a corpo na relação educativa entre babá e criança

uma revisão da literatura

Autores

Palavras-chave:

Corpo, Identidade, Educação informal, Trabalho doméstico, Educação infantil

Resumo

O presente estudo exploratório sobre o caráter educativo do trabalho doméstico de cuidado de crianças focaliza especificamente o processo de construção dos corposidentidades que se faz presente na interação entre a mulher babá e a criança sob seus cuidados. Para tanto, reúne e coloca em diálogo estudos produzidos nos campos da Educação, Psicologia, Sociologia e História. Tal mapeamento visa contribuir para a desnaturalização da imagem estereotipada do cuidado infantil enquanto tarefa feminina e para a valorização desse trabalho formativo realizado em espaço doméstico. O panorama desenhado abre uma série de questões a serem perscrutadas no sentido de elucidar o que está em jogo no corpo a corpo desse encontro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carolina Kondratiuk, Université Paris 12

Doutorado em andamento em Educação pela Universidade de São Paulo e pela Université Paris. Docente no Departamento de Educação da Université Paris 12.

Marcos Garcia Neira, Universidade de São Paulo

Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado pela Universidade do Minho e Universidade Estadual de Campinas. Livre-docência pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Professor Titular da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo.

Referências

Alves-Mazzotti, A. J., & Gewandsznajder, F. (1998). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira.

Baltazar, T. R. (2011). Vida de babá: reflexões acerca das vivências profissionais à luz da psicologia analítica. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Blackett, A. (2004). Promoting domestic workers’ human dignity through specific regulation. In A. Fauve-Chamoux (Ed.), Domestic service and the formation of European identity: understanding the globalization of domestic work, 16th-21st centuries (pp. 247-273). Bern: Peter Lang.

Brites, J. (2007). Afeto e desigualdade: gênero, geração e classe entre empregadas domésticas e seus empregadores. Cadernos Pagu, (29), 91-109. doi:10.1590/S0104-83332007000200005

Corossacz, V. R. (2014). Relatos de branquitude entre um grupo de homens brancos do Rio de Janeiro. Revista Crítica de Ciências Sociais, (105), 43-64.

Daudet, A. (2008). Les nounous. Enfaces & Psy, 38(1), 151-156. doi:10.3917/ep.038.0151

De Certeau, M. (1990). L’invention du quotidien: 1. arts de faire. Paris: Gallimard.

Deiab, R. A. (2005). A memória afetiva da escravidão. Revista de História da Biblioteca Nacional, 1(4), 36-40.

Elmôr, L. N. R. (2009). Recursos comunicativos utilizados por bebês em interação com diferentes interlocutores, durante processo de adaptação à creche: um estudo de caso. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto.

Fanti, C. M. B. (2006). Padrões mediacionais na relação babá-criança em ambiente doméstico. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador.

Fauve-Chamoux, A. (Org.). (2004). Domestic service and the formation of European identity: understanding the globalization of domestic work, 16th-21st centuries. Bern: Peter Lang.

Harris, D. E. (2007). “Você vai me servir”: desigualdade, proximidade e agência nos dois lados do Equador. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Hochschild, A. R. (2004). Le nouvel or du monde. Nouvelles questions féministes, 23(3), 59-74.

Ibos, C. (2012). Qui gardera nos enfants? Les nounous et les mères. Paris: Flammarion.

Kondratiuk, C. C., & Neira, M. G. (2018). Ser babá do outro lado do oceano: cuidar de filhos de outra família, outra língua, outra terra. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)Biográfica, 3(8), 686-710. doi:10.31892/rbpab2525-426X.2018.v3.n8.p710

Lima, T. C. S., & Mioto, R. C. T. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, 10(esp.), 37-45. doi:10.1590/S1414-49802007000300004

Massucato, J. C. (2012). Professora, educadora ou babá? Desafios para a reconstrução da identidade profissional na educação infantil. Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas.

Martins, A. E., & Guelfi, D. C. (2005). Creche: ainda um desafio para as políticas públicas. In Anais do IX Encontro Latino Americano de Iniciação Científica (pp. 902-906). Recuperado de http://biblioteca.univap.br/dados/INIC/cd/inic/IC6%20anais/IC6-82.PDF

McClintock, A. (1995). Imperial leather: race, gender and sexuality in the colonial context. New York: Routledge.

Melchiori, L. E., & Alves, Z. M. M. B. (2001). Crenças de educadoras de creche sobre temperamento e desenvolvimento de bebês. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 17(3), 285-292. doi:10.1590/S0102-37722001000300011

Mindal, C. B. (2004). Aplicação de conhecimentos adquiridos pelas atendentes, no dia-a-dia da creche, após término de curso de qualificação para educadores infantis. RECE: Revista Eletrônica de Ciências da Educação, 3(2), 2-20. Recuperado de http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/reped/article/view/537/419

Neira, M. G. (2014). Práticas corporais: brincadeiras, danças, lutas, esportes e ginásticas (Col. Como eu ensino). São Paulo: Melhoramentos.

Romero, M. (2013). Nanny diaries and other stories: immigrant women’s labor in the social reproduction of American families. Revista de Estudios Sociales, 45, 186-197. doi:10.7440/res45.2013.15

Sampaio, T. L. (2008). A dimensão educativa do trabalho de babás: construção da personalidade moral em crianças de zero a três anos. Dissertação de Mestrado, Universidade do Estado da Bahia, Salvador.

Segato, R. L. (2006). O Édipo brasileiro: a dupla negação de gênero e raça. Série Antropologia, 400, 1-21. Recuperado de http://www.dan.unb.br/images/doc/Serie400empdf.pdf

Silveira, L. M. B. (2011). Como se fosse da família: a relação (in)tensa entre mães e babás. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Vieira, N. S. (2014). O trabalho da babá: trajetórias corporais entre o afeto, o objeto e o abjeto. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Williams, F., Tobío, C., & Gavanas, A. (2009). Migration et garde des enfants à domicile en Europe: questions de citoyenneté. Cahiers du genre, 46(1), 47-76. doi:10.3917/cdge.046.0047

Wrigley, J. (1995). Other people’s children: an intimate account of the dilemmas facing middle-class parents and the women they hire to raise their children. New York: Basic Books.

Publicado

2020-04-22

Como Citar

KONDRATIUK, C. .; NEIRA, M. G. . O corpo a corpo na relação educativa entre babá e criança: uma revisão da literatura. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20170161, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660722. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)