Programas brafitec e ciência sem fronteiras

percepção de gestores dos programas no Brasil e na França

Autores

Palavras-chave:

Programas de mobilidade, Internacionalização, Gestão

Resumo

O objetivo da pesquisa é comparar os programas Brasil France Ingénieur Technologie (Brafitec) e Ciência sem Fronteiras (CsF) quanto às características, às exigências lançadas nos editais e à percepção de pessoas que atuam nas relações internacionais de duas universidades que enviaram e receberam estudantes, desde o início dos programas. O corpus documental do estudo foi construído por entrevistas semiestruturadas realizadas no Brasil e na França. Os dados foram tratados com análise de conteúdo. Os resultados revelam a importância de planejamento quanto aos recursos e por parte dos órgãos regulamentadores dos programas. Infere-se que o Programa Brafitec tem um efeito mais positivo que o Programa CsF, por apresentar uma seleção mais rigorosa, fazer acompanhamento do aluno no exterior, planejamento de suas atividades e oferecer a possibilidade de dupla diplomação. Conclui-se que futuras políticas públicas de mobilidade devem fazer uma seleção em que a instituição do aluno participe do processo, em que o planejamento das disciplinas do exterior seja traçado antes da viagem, para convalidações, em que o aluno seja acompanhado no exterior, para ter suporte e orientação, e em que a experiência multicultural sirva para ampliar o idioma estrangeiro, e não fazer dele o único foco do intercâmbio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Lievore, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Ensino de Ciência e Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná e pelo Instituto Politécnico de Bragança. Pós-Doutorado pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Marizete Righi Cechin, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Ensino de Ciência e Tecnologia pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Professora titular da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Luiz Alberto Pilatti, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas. Professor Titular da Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

Referências

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Barreto, R. P., Silva, P. H., Bezerra, M., & Jesus, M. (2013). Análise política quanto à eficiência do programa Ciência sem Fronteiras: relatos IFRN e UFRN. In IX Congresso de Iniciação Científica do IFRN (pp. 2240-2248), Instituto Federal do Rio Grande do Norte, Currais Novos.

Bloch, M. (2002). Apologia da história: ou o ofício de historiador. Rio de Janeiro: Zahar.

Borges, T. M. D., Araújo Júnior, L. Q., Florêncio, A. B., Agra Neto, J., Queiroz, F. C. B. P., & Queiroz, J. V. (2013). Análise dos objetivos do Programa Ciências sem Fronteiras: ótica do graduando em Engenharia de Produção. In Anais do XIII Coloquio de Gestión Universitaria en Américas (pp. 1-17). Recuperado de http://bit.ly/2Qq2bgL

Briot, J.-P. (2015). La recherche scientifique en France, le rôle du CNRS et la coorération scientifique avec le Brésil. Culture juridique française pour les Brésiliens, 1-10. Recuperado de http://www-desir.lip6.fr/~briot/cv/recherche-cnrs-livre-fgv-2015.pdf

Canadian International Development Agency. (2005). Evaluation of the Canadian Francophonie Scholarship Program (CFSP), 1987–2005. Gatineau: CIDA.

Cardoso, C. F., & Brignoli, H. P. (2002). Os métodos da História. Rio de Janeiro: Graal.

Castro, A. A., & Cabral Neto, A. (2012). O Ensino Superior: a mobilidade estudantil como estratégia de internacionalização na América Latina. Revista Lusófona de Educação, 21(21), 69-96.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2017). Edital Brafitec nº 13/2017. Recuperado de http://www.capes.gov.br/images/stories/download/editais/28042017-Edital-13- 2017-BRAFITEC-CAPES-CDEFI.pdf

Decreto nº 7.642, de 13 de dezembro de 2011. (2011, 14 de dezembro). Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. Diário Oficial da União, seção 1, 7.

Fiorin, J. L. (2007). Internacionalização da produção científica: a publicação de trabalhos de Ciências Humanas e Sociais em periódicos internacionais. Revista Brasileira de Pós-Graduação, 4(8), 263-281.

Fontanella, B. J. B., Ricas, J., & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 17-27. doi:10.1590/S0102-311X2008000100003

Gelas, J. (2009). As lições e as vantagens do Programa Brafitec. In Anais do Fórum Franco-Brasileiro da Educação Superior e Pesquisa (pp. 1-10), Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, Brasília, DF. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=1 927-jacques-gelas-traducao&category_slug=novembro-2009-pdf&Itemid=30192

Gelas, J. (2015). Programme Brafitec. In Anais do XI Fórum Brafitec (pp. 1-10), Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba. Recuperado de http://www.ct.utfpr.edu.br/deptos/XIforumbrafitec/apresentacoes/16.30- JacquesGelas.pdf

Gelas, J. (2016). Programme BRAFITEC Brasil France Ingénieurs Technologie. In Anais do XII Fórum Brafitec (pp. 1-14), Collegium D’Ingenierie des Grandes Ecoles du LanguedocRoussillon, Montpellier. Recuperado de https://ouebe.polytech.umontpellier.fr/BRAFITEC/images/presentations/2juin/BR AFITEC_Jacques_Gelas.pdf

Grochocki, L. F. M. (2016a). A contribuição da Capes para a internacionalização das engenharias no Brasil: o caso do Programa Brafitec. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Grochocki, L. F. M. (2016b). The contribution of Brafitec to the internationalization of Brazilian engineering undergraduate courses. Recuperado de https://ouebe.polytech.umontpellier.fr/BRAFITEC/images/presentations/2juin/Apr esentacao_FORUM.pdf

Guzzo, R. S. L., Linhares, M. B. M., Teodoro, M. L. M., & Koller, S. H. (2015). Perspectives and challenges regarding Brazilian policies for research and postgraduate studies in psychology. Psicologia: Reflexão e Crítica, 28(supl. 1), 34-39. doi:10.1590/1678- 7153.2015284006

Healey, N. M. (2008). Is higher education in really ‘internationalising’? Higher Education, 55(3), 333-355. doi:10.1007/s10734-007-9058-4

Lima, M. C., & Maranhão, C. M. S. A. (2009). O sistema de educação superior mundial: entre a internacionalização ativa e passiva. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, 14(3), 583-610. doi:10.1590/S1414-40772009000300004

Lira, D., & Balmant, O. (2014). Ao custo de R$ 3 bi, Ciência sem Fronteiras não tem métrica eficaz de qualidade. Último segundo. Recuperado de http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/2014-06-05/ao-custo-de-r-3-bi-cienciasem-fronteiras-nao-tem-metrica-eficaz-de-qualidade.html

Mari, C. L., & Thieng, L. C. (2014). Ciência e políticas: análise do programa Ciência sem Fronteiras a partir da perspectiva gramsciana. Educação e Fronteiras, 4(11), 39-56.

Ministério da Educação. (2016). Nota oficial: Aluno de baixa renda passa a ter a atenção do Ciência sem Fronteiras [Nota on-line]. Recuperado de http://bit.ly/2sDdLN6

Ministério da Educação. (2017a). Bolsistas e investimentos. Ciência sem fronteiras. Recuperado de http://www.cienciasemfronteiras.gov.br/web/csf/bolsistas-e-investimentos

Ministério da Educação. (2017b). MEC afirma que o Ciência sem Fronteiras terá 5 mil bolsistas na pósgraduação [Notícia on-line]. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=46971

Moral, F., & Pombo, N. (2011). Informe sociológico sobre la encuesta del valor social de las becas de la Fundación Carolina (Documento de Trabajo, num. 53). Madrid: Fundación Carolina.

Moritz, G. D. O., Moritz, M. O., & Melo, P. A. D. (2011). A pós-graduação brasileira: evolução e principais desafios no ambiente de cenários prospectivos. In Anais do XI Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária (pp. 1-18), Instituto de Gestão e Liderança Universitária, Florianópolis.

Oliveira, A. L., & Freitas, M. E. (2016). Motivações para mobilidade acadêmica internacional: a visão de alunos e professores universitários. Educação em Revista, 32(3), 217-246. doi:10.1590/0102-4698148237

Pereira, V. M. (2013). Relatos de uma política: uma análise sobre o programa Ciência sem Fronteiras. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Requerimento nº 4 de 2015. (2015, 19 de dezembro). Encaminha o Relatório nº 21, de 2015 de Avaliação de Políticas Públicas da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. Diário do Senado Federal, seção 1, 10. Recuperado de http://legis.senado.leg.br/mateweb/arquivos/mate-pdf/185018.pdf

Ribeiro, D. B. (2015). Fronteiras que oprimem. Universidade e Sociedade, 24(56), 32-43.

Saldaña, P. (2016). Ciência sem Fronteiras cancela novas bolsas para alunos de graduação. Folha de São Paulo. Recuperado de http://www1.folha.uol.com.br/educacao/2016/07/1794800-ciencia-sem-fronteirasnao-vai-mais-dar-bolsa-para-aluno-de-graduacao.shtml

Schneider, S., & Schmitt, C. J. (1998). O uso do método comparativo nas Ciências Sociais. Cadernos de Sociologia, 9, 49-87.

Souza, M. M. M. F. (2014). Avaliação das políticas linguísticas implantadas no Brasil e os programas de mobilidade acadêmica em contexto de internacionalização. Revista Ciências Humanas, 7(2), 42-59.

Stallivieri, L. (2004). Estratégias de internacionalização das universidades brasileiras. Caxias do Sul: Educs.

Publicado

2020-04-22

Como Citar

LIEVORE, C. .; CECHIN, M. R. .; PILATTI, L. A. Programas brafitec e ciência sem fronteiras: percepção de gestores dos programas no Brasil e na França. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20170175, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660726. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos