Formação permanente de professores de um município da Grande Vitória/ES

um exercício estético

Autores

Palavras-chave:

Formação inventiva, Educação permanente, Escola

Resumo

O artigo trata da experiência de um curso de formação de professores de Ensino Fundamental da rede municipal de educação da cidade de Serra no estado do Espirito Santo, Brasil. Visa contribuir com a formulação conceitual e metodológica no âmbito da formação de educadores no espaço escolar, considerando que os processos formativos não se reduzem à sua dimensão informacional, mas se constituem como uma pragmática cognitiva de invenção de si e de mundos que, igualmente, produz experiências que transpõem os limites das formas subjetivas instituídas, possibilitando a consolidação de um espaço coletivo de diálogos sobre o trabalho na escola. A experiência formativa realizada viabilizou, ainda, a criação de caminhos para pensar a realidade movente, o existir-acontecimento da vida nas escolas, a partir da perspectiva segundo a qual pensar não é representar um mundo já dado e, sim, inventar-se a si e inventar mundos. A dialogia dos encontros se efetivou a partir das experiências advindas do chão da escola por meio das rodas de conversa. O processo formativo visou a criação de práticas educacionais aliançadas com o viver na sua dimensão expansiva

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Elizabeth Barros, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-Doutorado pela Universidade Federal Fluminens e pela Fundação Oswaldo Cruz. Professora titular da Universidade Federal do Espírito Santo.

Carlos Eduardo Ferraço, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo. Pós-Doutorado pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professor associado IV da Universidade Federal do Espírito Santo.

Carmen Ines Debenetti, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorado em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pós-Doutorado pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Referências

Barros, M. E. B., Cesar, J., Gomes, R., & Daros, R. (2014). Verbos do apoio institucional em pesquisa: transversalizar, transdisciplinarizar e fortalecer redes de trabalho-vida na saúde. In R. Pinheiro, F. H. Silva, T. C. Lopes, & A. G. Silva Jr. (Orgs.), Práticas de apoio e a integralidade no SUS: por uma estratégia de rede multicêntrica de pesquisa (pp. 83-110). Rio de Janeiro: Cepesc.

Benjamin, W. (1996). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura (Obras Escolhidas, Vol. 1, 7a ed.). São Paulo: Brasiliense.

Bergson, H. (2006). O pensamento e o movente. São Paulo: Martins Fontes.

Clot, Y. (2006). A função psicológica do trabalho. Petrópolis: Vozes.

Deleuze, G. (2006). A ilha deserta. São Paulo: Iluminuras Ltda.

Fonseca, T. M. G. (2007). Modos de pesquisar, modos de subjetivar. In T. M. G. Fonseca, S. Engelman, & C. M. Perrone, Rizomas da reforma psiquiátrica (pp. 19-28). Porto Alegre: Sulina.

Kastrup, V. (2008). Cartografias literárias. In V. Kastrup, S. Tedesco, & E. Passos, Políticas da cognição (pp. 113-135). Porto Alegre: Sulina.

Rancière, J. (2005). A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Editora 34.

Tedesco, S. H. (2012). Pensando a ética da clínica das drogas: linguagem, subjetivação e a experiência das drogas. Tese de Concurso para Professor Titular, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

Publicado

2020-04-22

Como Citar

BARROS, M. E.; FERRAÇO, C. E. .; DEBENETTI, C. I. . Formação permanente de professores de um município da Grande Vitória/ES: um exercício estético. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20170120, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8660744. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos