Acesso dos povos indígenas à educação formal

ensino de ciências: um desafio, uma realidade

Autores

Palavras-chave:

Educação, Estudo de ciências, Formação

Resumo

Diante da hipótese refutada da redução e da extinção dos povos indígenas no Brasil, surgiram novas perspectivas e demandas. Esta pesquisa objetivou investigar o acesso dos povos indígenas à educação formal, especialmente em relação ao ensino de ciências no estado do Rio Grande do Sul. Foram contextualizadas as escolas indígenas das etnias Kaingáng e Guarani, sob a ótica da espacialização considerando as mesorregiões, os municípios e as respectivas Coordenadorias Regionais de Educação. Os aspectos investigados abrangem: número de matrículas entre (2011 e 2015), número de professores de ciências e respectivas etnias, e a contribuição das bibliotecas-acervo no âmbito escolar. Destarte, compreendese que há uma reflexão e consequente aplicação de recursos financeiros, visando à inclusão dos indígenas. Todavia, foram identificadas demandas, tais como a adoção de princípios da interculturalidade e do bilinguismo, a falta de bibliotecas e acervos adequados, falta de professores de ciências, assim como de professores indígenas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Carmo Ferreira Mizetti, Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Bibliotecária do Departamento pedagógico pelo Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Ivan Renato Cardoso Krolow, Universidade Federal de Santa Maria

Pós-Doutorado pela Universidade Federal de Santa Maria.

Maria do Rocio Fontoura Teixeira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorado em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora aposentada do Departamento de Ciências da Informação da Faculdade de Biblioteconomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde.

Referências

Almeida, S. A., Albuquerque, F. E., Silva, D. M., Silva, A. M., & Ferreira, R. R. (2017). A educação escolar intercultural Apinajé: um olhar para o professor bilíngue. Facit Business and Technology Journal, 2(1), 139-155.

Baniwa, G. (2013). Educação escolar indígena no Brasil: avanços, limites e novas perspectivas. In Trabalhos Encomendados da 36ª Reunião Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (pp. 1-13). Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Goiânia.

Bonin, I. T. (2012). Educação escolar indígena e docência: princípios e normas na legislação em vigor. In M. A. Bergamaschi, M. I. H. Dalla Zen, & M. L. M. Xavier (Orgs.), Povos indígenas e educação (2a ed., pp. 33-48). Porto Alegre: Mediação.

Brand, A. J. (2002). Formação de professores indígenas: um estudo de caso. In Anais da 25ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu. Retrieved from http://www.25reuniao.anped.org.br/antoniojacobrandt21.rtf

Brand, A. J., & Colman, R. S. (2010). Os Guarani na fronteira do Brasil, Paraguay e Argentina: uma viagem de intercâmbio Guarani. In Anais da 27ª Reunião Brasileira de Antropologia. Associação Brasileira de Antropologia, Belém.

Brasil. Conselho Nacional de Educação, Câmara de Educação Básica (2012, 25 de junho). Resolução do nº 5, de 22 de junho de 2012. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Diário Oficial da União, seção 1, 7.

Castro, T. G., Matos, E. L. C., Leite, M. S., Conde, W. L., Schuch, I., Veiga, J., … Dutra, C. L. C. (2014). Características de gestão, funcionamento e cardápios do Programa Nacional de Alimentação Escolar em escolas Kaingáng do Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 30(11), 2401-2412.

Corrêa, E. C. D., Dubas, S. R. C., & Silva, C. A. (2005). Biblioteca Escolar Guarani: um projeto de extensão a serviço da preservação e divulgação da cultura Guarani: relato de experiência. Revista ACB, 10(2), 241-249. Retrieved from https://revistaacb.emnuvens.com.br/racb/article/view/433/554

Ferreira, B. (2012). Políticas públicas para uma educação escolar indígena diferenciada. São Leopoldo: Oikos.

Freitas, A. E. C. (2012). Territórios ameríndios: espaços de vida nativa no Brasil Meridional. In M. A. Bergamaschi, M. I. H. Dalla Zen, & M. L. M. Xavier (Orgs.), Povos indígenas e educação (2a ed., pp. 63-74). Porto Alegre: Mediação.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (s.d.). Programas. Retrieved from http://www.fnde.gov.br/programas/livro-didatico/livro-didatico-editais/item/4032- pnld-2015

Gonçalves, L. M. C., & Rosa, R. R. G. (2013). Maria Antônia Soares: a memória de uma guerreira indígena. In J. Benvenuti, M. A. Bergamaschi, & T. B. I. Marques (Orgs.), Educação indígena sob o ponto de vista de seus protagonistas (pp. 236-248). Porto Alegre: Evangraf.

Grupioni, L. D. B. (2013). Quando a antropologia se defronta com a educação: formação de professores índios no Brasil. Pro-Posições, 24(2), 69-80.

Hillesheim, B., Bernardes, A. G. (2014). Território e nomadismo: a saúde em questão. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 66(3), 47-58. Retrieved from http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809- 52672014000300005&lng=pt&nrm=iso

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2015, 20 de outubro). Censo escolar. Retrieved from http://portal.inep.gov.br/censo-escolar

Kurrosch, A. R. S., Souza, F. B., & Venzon, R. A. (2012). Povos indígenas, história, memória e educação. In M. A. Bergamaschi, M. I. H. Dalla Zen, & M. L. M. Xavier (Orgs.), Povos indígenas e educação (2a ed, pp. 149-158). Porto Alegre: Mediação.

Maher, T. M. (2006). Formações de professores indígenas: uma discussão introdutória. In L. D. B. Grupione (Org.), Formação de professores indígenas: repensando trajetórias (pp. 11-37). Brasília: Ministério da Educação.

Maher, T. M. (2013, 6 de maio). Do casulo ao movimento: a suspensão das certezas na educação bilíngue e intercultural. Observatório da Educação na Fronteira, 67-84. Retrieved from http://obedf2010.blogspot.com.br/2013/05/do-casulo-ao-movimento-suspensaodas.html

Marcon, T. (1994). Dados atuais sobre as reservas no Rio Grande do Sul. In T. Marcon (Coord.), História e cultura Kaingáng no sul do Brasil (pp. 271-278). Passo Fundo: UPF Editora.

Matte, D. C. (2009). Indígenas no RS: educação formal e etnicidade. In G. F. Silva, R. Penna, & L. C. C. Carneiro (Orgs.), RS Índio: cartografias sobre a produção do conhecimento (pp. 104-114). Porto Alegre: ediPUCRS.

Mizetti, M. C., Teixeira, M. R. F., & Krolow, I. R. C. (2015). O desafio do estudo de ciências nas escolas indígenas do Rio Grande do Sul. In X Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Águas de Lindóia.

Niedermayer, N. R., Roesler, M. R. B, & Carniatto, I. (2017). A educação escolar indígena e suas contribuições para o fortalecimento da preservação ambiental. In Anais do XVI Encontro Paranaense de Educação Ambiental (pp. 461-464). Universidade Federal do Paraná, Curitiba. Retrieved from www.epea2017.ufpr.br/wp-content/uploads/2017/07/06-07- fichário.pdf

Organização das Nações Unidas. (1948). Declaração universal dos direitos humanos. Rio de Janeiro: ONU. Retrieved from https://nacoesunidas.org/wpcontent/uploads/2018/10/DUDH.pdf

Quermes, P. A. A., & Carvalho, J. A. (2013). Os impactos dos benefícios assistenciais para os povos indígenas: estudo de caso em aldeias Guaranis. Serviço Social & Sociedade, (116), 769-791.

Silva, J. B. S., & Laroque, L. F. S. (2012). A história dos Kaingáng da terra indígena Linha Glória, Estrela, Rio Grande do Sul/Brasil: sentidos de sua (re)territorialidade. Sociedade & Natureza, 24(3), 435-447.

Souza, R., & Cypriano, E. F. (2016). Mooc: uma alternativa contemporânea para o ensino de astronomia. Ciência & Educação, 22(1), 65-80.

Tokania, M. (2016). Quase Metade das Escolas Indígenas não tem Material Didático Específico. Agência Brasil. Retrieved from https://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2016-04/quase-metade-dasescolas-indigenas-nao-tem-material-didatico-especifico Valadares, J. M., & Silveira, C., Jr. (2016). Entre o cristal e a chama: a natureza e o uso do conhecimento científico e dos saberes tradicionais numa disciplina do curso de Formação Intercultural para Educadores Indígenas da Universidade Federal de Minas Gerais (Fiei/UFMG). Ciência & Educação, 22(2), 541-553.

Downloads

Publicado

2020-08-10

Como Citar

MIZETTI, M. do C. F. .; KROLOW, I. R. C. .; TEIXEIRA, M. do R. F. . Acesso dos povos indígenas à educação formal: ensino de ciências: um desafio, uma realidade. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20170147, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8664286. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos