Grupo de interlocução na pesquisa em educação

produção, análise e sistematização dos dados

Autores

Palavras-chave:

Grupo de interlocução, Dialética, Pesquisa em educação

Resumo

Aborda-se o grupo de interlocução (GI) como técnica de produção, análise e sistematização de dados na pesquisa em educação, a partir de pesquisa histórica, que retomou a gênese dessa técnica. Quanto à perspectiva teórica e procedimental, aplicou-se a abordagem analítica dos movimentos de sentido e estudo. Realizaram-se análise documental e grupo de interlocução para estudar semelhanças e diferenças, avanços e desafios encontrados pelos pesquisadores na aplicação da técnica entre 2006 e 2017. Participaram da pesquisa onze pesquisadores na área da educação. Pensa-se ter contribuídopara indicar o quão práxica é essa técnica, ao permitir que interlocutores e pesquisadores produzam sentidos juntos em um processo interativo de pesquisar sobre os fenômenos educacionais

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Liliana Soares Ferreira, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professora associada 3 do Departamento de Fundamentos da Educação, do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria. 

Taise Tadielo Cezar, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em andamento em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria.

Célia Tanajura Machado, Universidade do Estado da Bahia

Pós-Doutorado no Centro de Educação pela Universidade Federal de Santa Maria. Professora da Universidade do Estado da Bahia.

Referências

Amaral, C. L. C. (2012). Pertença profissional, trabalho e sindicalização de professores: mediações e contradições nos movimentos do capital.Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Calheiros, V., Corrêa, M., Arruda,T. J., & Machado, D. M. (2017). A produção de sentidos nas pesquisas do Grupo Kairós. InL. S. Ferreira, D. L. P.De Toni, C. R. do Nascimento, & A. Vedoin,Da relação entre educação e trabalho ao trabalho pedagógico:possibilidades e desafios(pp.33-50). Curitiba:Editora CRV.

Cezar, T. T. (2014). Um estudo sobre o trabalho das pedagogas no Instituto Federal Farroupilha: historicidades, institucionalidades e movimentos. Dissertaçãode Mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Corrêa, M. B.,& Ferreira, L. S. (2017). Grupos de interlocução e a “história a contrapelo”: contribuições para se pensar a Pesquisa em Educação. Cadernos de Pesquisa, 24(2), 1-12.

Costas, F. A. T.,& Ferreira, L. S. (2011). Sentido, significado e mediação em Vygotsky para a constituição do processo de leitura. Revista Iberoamericana de Educación, (55), 205-223.

Ferreira, L. S., Fiorin, B. P. A., Amaral, C. L. C., Maraschin, M. S. (2014). Grupos de interlocução como técnica de produção e sistematização na pesquisa emeducação. Revista Diálogo Educacional, 14(41), 191-209.

Ferreira, L. S. (2016). “Ser”ou “não ser”professora/professor? Eis uma questão em busca de respostas”. Educar em Revista,(59), 175-192.

Ferreira, L. S. (2017). Comunidade acadêmica: a orientação como interlocução e como trabalho pedagógico. Acta Scientiarum:Education, 39(1), 103-111.

Fiorin, B. P. A. (2012). Trabalho e pedagogia: considerações a partir dos discursos de pedagogas na escola.Dissertaçãode Mestrado, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria.

Frigotto, G. (2010). O enfoque da dialética materialista histórica na pesquisa educacional. InI. Fazenda (Org.),Metodologia da pesquisa educacional(pp.69-89). São Paulo:Cortez.

Gatti, B. A. (2005). Grupo focal na pesquisa em ciênciassociais e humanas. Brasília:Líber Livro.Harvey, D. (2013). Para entender o capital:livro I. São Paulo:Boitempo.

Marques, M. O. (1996). Educação/ interlocução, aprendizagem/ reconstrução de saberes. Ijuí: EditoraUnijuí.

Prestes, Z. R. (2012). Quando não é quase a mesma coisa: traduções de Lev Semionovitch Vigotski no Brasil. Campinas:Autores Associados.

Ranieri, J. (2011). Trabalho e dialética:Hegel, Marx e a teoria social do devir. São Paulo: Boitempo.

Szymanski, H. (Org.). (2002).A entrevista na pesquisa em educação: a prática reflexiva. Brasília:Plano.

Vázquez, A. S. (1977). Filosofia da práxis. Rio de Janeiro:Paz e Terra.

Werle, F. (2012). Pós-graduação e suas interlocuções com a educação básica. Educação, 35(3), 424-433. Recuperado de: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/11939/8400

Wood, E. M. (2011). Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico. São Paulo: Boitempo.

Downloads

Publicado

2020-08-10

Como Citar

LILIANA SOARES FERREIRA; CEZAR, T. T.; MACHADO, C. T. . Grupo de interlocução na pesquisa em educação: produção, análise e sistematização dos dados. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 31, p. e20190025, 2020. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8664292. Acesso em: 25 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos