Iniciação científica no ensino médio

refletir para construir o futuro

Autores

Palavras-chave:

Políticas públicas, Formação, Adolescentes, Pesquisa-ação, Pibic-EM

Resumo

Este artigo relata uma experiência no Programa Pibic-EM na Unicamp que teve como objetivo formar jovens multiplicadores das políticas públicas de saúde em escolas do município de Limeira. Utilizou-se como base metodológica algumas características da pesquisa-ação. Partiu-se do pressuposto de que os adolescentes são alvo de ações, mas que geralmente não participam ativamente das discussões que dizem respeito à sua condição de adolescentes. Buscou-se refletir e construir junto com esses jovens uma forma diferenciada de pensar e agir como cidadãos, na medida em que se trabalhou nos moldes da pesquisa internalizada, entendida aqui como atitude cotidiana a ser desenvolvida de diversas maneiras. A natureza do projeto permitiu auxiliar na construção de um pensamento crítico, na própria estruturação da identidade desses jovens, na instrumentalização para a identificação de problemas e na atuação em suas comunidades de origem. Os adolescentes mostraram-se motivados para pensar, refletir, discutir e construir estratégias de solução e sair de seu papel de vítimas para o papel de atores e autores do processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marta Fuentes-Rojas, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas. Professora da Universidade Estadual de Campinas  – Unicamp (Limeira, SP, Brasil). 

Sandra Francisca Bezerra Gemma, Universidade Estadual de Campinas

Doutorado em Engenharia Agrícola pela Universidade Estadual de Campinas. Professora da Universidade Estadual de Campinas – Unicamp (Limeira, SP, Brasil). 

Referências

Abramovay, M., Mary, G. C., Pinheiro, L. C., Lima, F. S., & Martinelli, C. C. (2002). Juventude, violência e vulnerabilidade social na América Latina. Brasília, DF: Unesco, Cortez.

Arroyo, M. G. (2007). Quando a violência infanto-juvenil indaga a pedagogia. Educ. Soc, 28(100, Especial), 787-807.

Ariès, P. (1981). História Social da Criança e da Família Rio de Janeiro: Guanabara.

Asmus, C. I. R. F., Barker, S. L. B., Ruzany, M. L., & Meirelles, Z. V. (1996). Riscos ocupacionais na infância e na adolescência: uma revisão. J. Pediatria, 72(4). Recuperado de http://www.jped.com.br/conteudo/96-72-04-203/port_print.htm

Assumpção Jr. (2010). Evolução histórica do conceito de qualidade de vida. In F. B. Assumpção Jr., & Kuczynski, Qualidade de vida na infância e na adolescência: orientações para pediatras e profissionais da saúde mental Porto Alegre: Artmed.

Barbier, R. (2007). A Pesquisa-ação (L. Didio, trad.) Brasília: Liber Livro.

Bauman, Z. (2001). Modernidade Líquida Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bauman, Z. (2008). Medo Líquido São Paulo: Jorge Zahar.

Brandão, C. R. (Org.). (1999). Repensando a pesquisa participante São Paulo: Brasiliense.

Brasil. Ministério da Saúde (2007). Secretaria de Atenção à Saúde. Área de Saúde do Adolescente e do Jovem. Marco legal: saúde, um direito de adolescentes Brasília: Ministério da Saúde. Recuperado de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/07_0400_M.pdf

Botomé, S. P. (1996). Pesquisa alienada e ensino alienante: o equívoco da extensão universitária Petrópolis, São Carlos, Caxias do Sul: Vozes, Edufscar, EDUCS.

Carreteiro, T. C. (2010). Adolescências e experimentações possíveis. In M. M. Magnabosco, & L. F. Costa, (Orgs.) Temas da Clínica do adolescente e da família São Paulo: Ágora.

Demo, P. (1995). Metodologia científica em Ciências Sociais São Paulo: Atlas.

Demo, P. (2003). Educar pela pesquisa 6a ed. Campinas: Autores Associados.

Demo, P. (2005). Saber pensar. Saber pensar desdobra duplo horizonte combinado: de um lado, exige habilidade metodológica; de outro, habilidade política. Revista da ABENO, 5(1), 75-9. Recuperado de http://abeorg.br/ckfinder/userfiles/files/revista-abeno-2005-1.pdf

El Andaloussi, K. (2004). Pesquisas-ações: ciências, desenvolvimento, democracia São Carlos: Edufscar.

Gajardo, M. (1986). Pesquisa participante na América Latina São Paulo: Brasiliense.

Harvey, D. (2008). Condição pós-moderna São Paulo: Loyola, 17a Ed.

Freire P. (1997). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire P. (2000). Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos São Paulo: Unesp.

Kuczynski, E. (2010). Qualidade de vida na infância e na adolescência. In F. B. Assumpção Jr., & Kuczynski. Qualidade de vida na infância e na adolescência: orientações para pediatras e profissionais da saúde mental Porto Alegre: Artmed.

Marques, A. C. P. R., & Cruz, M. S. (2000). O adolescente e o uso de drogas. Revista Brasileira de Psiquiatria; 22(II), 32-6.

Martins, L. B. M., Costa-Paiva, L. S. da; Osis, M. J. D., Sousa, M. H. de; Pinto-Neto, A. M., & Tadini, V. (2006). Fatores associados ao uso de preservativo masculino e ao conhecimento sobre DST/Aids em adolescentes de escolas públicas e privadas do Município de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 22(2), 315-323.

Minayo, M. C. (Org.). (1999). Fala, galera: juventude, violência e cidadania Rio de Janeiro: Garamond.

Morin, E. (2004). Os sete saberes necessários à educação do futuro São Paulo: Cortez; Brasília, DF: Unesco.

Pimenta, S.G. (2005). Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação & Pesquisa, 31(3), 521-539.

Pratta, M. A. B. (2008). Adolescentes e jovens… em ação! Aspectos psíquicos e sociais na educação do adolescente hoje São Paulo: Unesp.

Rogers, C. (1986). Liberdade para aprender em nossa década (2a ed.). Porto Alegre: Artes médicas.

Segundo, R. (2002). A invenção da infância: pressuposto para a compreensão do direito da criança e do adolescente Recuperado de http://jus.com.br/artigos/4542

Thiollent, M. (1988). Metodologia da pesquisa-ação 4a ed. São Paulo: Cortez.

Thiollent, M. (2000). A metodologia participativa e sua aplicação em projetos de extensão universitária. In M. Thiollent, T. Araújo Filho, & R. L. S. Soares. Metodologia e experiências em projetos de extensão Niterói: EdUFF.

Thiollent, M. (2005). Metodologia da Pesquisa-ação (14a ed.). São Paulo: Cortez.

Toledo R. F., & Jacobi, P. R. (2013). Pesquisa-ação e educação: compartilhando princípios na construção de conhecimentos e no fortalecimento comunitário para o enfrentamento de problemas. Educ. Soc., 34(122).

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

FUENTES-ROJAS, M. .; GEMMA, S. F. B. . Iniciação científica no ensino médio: refletir para construir o futuro. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180083, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666765. Acesso em: 25 out. 2021.