Aprender por signos proustianos numa filosofia da diferença

Autores

Palavras-chave:

Educação, Aprender, Signos proustianos, Deleuze

Resumo

Este artigo propõe perscrutar pela exterioridade das relações seriais o fenômeno aprender, no sentido de tensionar o campo didático para além do fenômeno instrução, ensino intencional, que se realiza em circunstâncias bem características e delimitadas – as quais são denominadas de ensino escolar. Envolto nesse problema do fenômeno aprender, revistaremos o livro Proust e os signos, no intento de aí flagrar como os signos proustianos nos abrem diferentemente à aprendizagem infinitesimal pelas repetições materiais e espirituais, diferindo no tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artur José Renda Vitorino, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Doutor em Educação pela Pontícia Universidade Católica de Campinas. Pesquisador/Doutor na Faculdade de História pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (Campinas, SP, Brasil).

Grace da Silva Felix, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. 

Referências

Alain. (2012). Considerações sobre a educação seguidas de pedagogia infantil Tradução de Lília Ledon da Silva. São Paulo: É Realizações.

Comenius. (1966). Didática magna: tratado da arte universal de ensinar tudo a todos Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Cordeiro, Jaime. (2007) Didática São Paulo: Contexto.

Deleuze, G. (1988). Diferença e repetição Tradução de Luiz B. L. Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: edição Graal.

Deleuze, G. (2010). Proust e os signos (2. ed.). Tradução de Antonio Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Deleuze, G. (1974). Lógica do sentido Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes, São Paulo: Perspectiva.

Deleuze, G. (2006). Gilbert Simondon: O indivíduo e sua gênese físico-biológica. InG. Deleuze. A ilha deserta: e outros textos Edição preparada por David Lapoujade; organização da edição brasileira e revisão técnica Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Iluminuras.

Deleuze, G. (2002). Espinosa: filosofia prática Trad. Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. Revisão técnica: Eduardo Diatahy Bezerra de Menezes. São Paulo: Escuta.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2010). O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1 Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34.

Flitner, W. (1935). Pedagogía sistemática Trad. José Ferrater Mora. Barcelona; Madri; Buenos Aires; Rio de Janeiro: Labor.

Foucault, M. (1990). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas Trad. Salma Tannus Muchail; revisão Roberto Cortes de Lacersa. (5. ed.) São Paulo: Martins Fontes.

Leibniz, G. W. (1983). A monadologia, In Newton, I. Princípios Matemáticos; Óptica; O peso e o equilíbrio dos fluídos; Leibniz, Gottfried. A monadologia; Discurso de Metafísica e outros textos Traduções de Carlos Lopes de Matos … (et al.). (2a ed.). São Paulo: Abril Cultural, (coll. Os Pensadores).

Lispector, C. (1982). Uma aprendizagem ou O livro dos Prazeres (15. ed.). Rio de Janeiro: Editora: Nova Fronteira.

Maia, L. (2014). A interpretação deleuziana de Proust: aprendizado e subjetividade. InDeleuze Hoje Org: A. B. Azevedo… [et al.]. Editora: Fap-Unifesp. São Paulo.

Proust, M. (1981). No Caminho de Swann (6. ed.). M. Quintana (Trad.). Rio de Janeiro: Editora Globo.

Proust, M. (1983). Tempo Redescoberto (7. ed.). L. M. Pereira (Trad.). Rio de Janeiro: Editora Globo.

Simondon, G. (2005). L`Individuation à La lunière des notions de forme et d´information France: Jérôme Million.

Zubiri, X. (2005). ¿Qué es investigar? The Xavier Zubiri Review, 7, 5-7.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

VITORINO, A. J. R. .; FELIX, G. da S. Aprender por signos proustianos numa filosofia da diferença. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180102, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666796. Acesso em: 21 out. 2021.