Banner Portal
Aprender por signos proustianos numa filosofia da diferença
REMOTO

Palavras-chave

Educação
Aprender
Signos proustianos
Deleuze

Como Citar

VITORINO, Artur José Renda; FELIX, Grace da Silva. Aprender por signos proustianos numa filosofia da diferença. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20180102, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666796. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Este artigo propõe perscrutar pela exterioridade das relações seriais o fenômeno aprender, no sentido de tensionar o campo didático para além do fenômeno instrução, ensino intencional, que se realiza em circunstâncias bem características e delimitadas – as quais são denominadas de ensino escolar. Envolto nesse problema do fenômeno aprender, revistaremos o livro Proust e os signos, no intento de aí flagrar como os signos proustianos nos abrem diferentemente à aprendizagem infinitesimal pelas repetições materiais e espirituais, diferindo no tempo.

REMOTO

Referências

Alain. (2012). Considerações sobre a educação seguidas de pedagogia infantil Tradução de Lília Ledon da Silva. São Paulo: É Realizações.

Comenius. (1966). Didática magna: tratado da arte universal de ensinar tudo a todos Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Cordeiro, Jaime. (2007) Didática São Paulo: Contexto.

Deleuze, G. (1988). Diferença e repetição Tradução de Luiz B. L. Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: edição Graal.

Deleuze, G. (2010). Proust e os signos (2. ed.). Tradução de Antonio Piquet e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Deleuze, G. (1974). Lógica do sentido Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes, São Paulo: Perspectiva.

Deleuze, G. (2006). Gilbert Simondon: O indivíduo e sua gênese físico-biológica. InG. Deleuze. A ilha deserta: e outros textos Edição preparada por David Lapoujade; organização da edição brasileira e revisão técnica Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Iluminuras.

Deleuze, G. (2002). Espinosa: filosofia prática Trad. Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. Revisão técnica: Eduardo Diatahy Bezerra de Menezes. São Paulo: Escuta.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2010). O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1 Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34.

Flitner, W. (1935). Pedagogía sistemática Trad. José Ferrater Mora. Barcelona; Madri; Buenos Aires; Rio de Janeiro: Labor.

Foucault, M. (1990). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas Trad. Salma Tannus Muchail; revisão Roberto Cortes de Lacersa. (5. ed.) São Paulo: Martins Fontes.

Leibniz, G. W. (1983). A monadologia, In Newton, I. Princípios Matemáticos; Óptica; O peso e o equilíbrio dos fluídos; Leibniz, Gottfried. A monadologia; Discurso de Metafísica e outros textos Traduções de Carlos Lopes de Matos … (et al.). (2a ed.). São Paulo: Abril Cultural, (coll. Os Pensadores).

Lispector, C. (1982). Uma aprendizagem ou O livro dos Prazeres (15. ed.). Rio de Janeiro: Editora: Nova Fronteira.

Maia, L. (2014). A interpretação deleuziana de Proust: aprendizado e subjetividade. InDeleuze Hoje Org: A. B. Azevedo… [et al.]. Editora: Fap-Unifesp. São Paulo.

Proust, M. (1981). No Caminho de Swann (6. ed.). M. Quintana (Trad.). Rio de Janeiro: Editora Globo.

Proust, M. (1983). Tempo Redescoberto (7. ed.). L. M. Pereira (Trad.). Rio de Janeiro: Editora Globo.

Simondon, G. (2005). L`Individuation à La lunière des notions de forme et d´information France: Jérôme Million.

Zubiri, X. (2005). ¿Qué es investigar? The Xavier Zubiri Review, 7, 5-7.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Artur José Renda Vitorino, Grace da Silva Felix

Downloads

Não há dados estatísticos.