Diários online como dispositivos de pesquisa-formação

uma conversa com o filme Avatar

Autores

Palavras-chave:

Cinema, Atos de currículo, Diários online, Cibercultura

Resumo

Tomando como inspiração uma pesquisa realizada no âmbito da disciplina Currículos e Cotidianos do Curso de Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ, as autoras, amparadas no paradigma da complexidade (Morin, 2003), nos princípios da multirreferencialidade (Ardoino, 1998; Macedo, 2012) e na abordagem da pesquisa com os cotidianos (Alves, 2008) objetivam mostrar, à luz do filme Avatar, como o diário online pode ser usado como dispositivo experiencial, potencializando atos de currículo, que levam em conta fatores, tais como: diferenças, diversidade, alteridade, autonomia, e autoria, entre outros. Nessa perspectiva, aproximam educação e artes, englobando aspectos culturais, históricos, literários e políticos inerentes ao filme.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirian Maia do Amaral, Fundação Getulio Vargas

Doutorado em Educação pela Universidade Estácio de Sá. Professora da Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Rosemary dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Edméa Santos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Professora Titular-Livre da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

Alves, N. (2008). Decifrando o pergaminho: os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In I. B. Oliveira, & N. Alves (Orgs.). Pesquisa nos/dos/com os cotidianos das escolas (pp. 15-38). DP et Alii

Amorim, M. (2004). O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas ciências humanas Musa.

Ardoino, J. (1998). Pesquisa multirreferencial (plural) das situações educativas e formativas. In J. G. Barbosa, (Coord.). Multirreferencialidade nas ciências sociais e na educação UFScar, pp. 24-41.

Bakhtin, M. (2011). Estética da criação verbal Martins Fontes.

Barbier, R. (2007). A pesquisa-ação Libe Livro.

Barbosa, J. G., & Hess, R. (2010). O diário de pesquisa: o estudante universitário e o seu processo formativo Libe Livro.

Barros, L. P., & Kastrup, V. (2009). Cartografar é acompanhar processos. In E. Passos, V. Kastrup, & L. Escóssia (Orgs.). Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade Sulina.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigacão qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos Porto Ltda.

Castells, M. (2003). A galáxia da internet: Reflexões sobre a internet, os negócios e a sociedade Zahar.

Certeau, M. (2013). A invenção do cotidiano: artes de fazer Vozes.

Coulon, A. (1995). Etnometodologia Vozes.

Deleuze, G., & Guattari, F. (1997). Mil platôs Editora 34.

Filmow. (2019). Avatar: Ficha técnica completa Filmow. https://filmow.com/avatar-t8531/ficha-tecnica/

Foucault, M. (2001). Microfísica do poder (16. ed.). Graal.

Fresquet, A. M. (2013). Cinema e educação: Reflexões e experiências com professores e estudantes de educação básica, dentro e “fora” da escola Autêntica.

Fresquet, A. M., & Migliorin, C. (2015). Da obrigatoriedade do cinema na escola, notas para uma reflexão sobre a Lei 13.006/14. In A. Fresquet (Org.). Cinema e Educação: A Lei 13.006/14: reflexões, perspectivas e propostas (pp. 4-21). Universo Produção.

Gomes, M. R. (2010). Avatar: entre utopia e heterotopia. Revista Matrizes, 3(2), 35-49.

Guattari, F. (1990). As três ecologias Papirus.

Larrosa, J. (2004). Linguagem e educação depois de Babel Autêntica.

Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos Editora 34.

Lévy, P. (1999). Cibercultura Editora 34.

Macedo, R. S. (2000). A etnopesquisa crítica e multirreferencial nas ciências humanas e na educação EDUFBA.

Macedo, R. S. (2010). Compreender/mediar a formação: O fundante da educação Liber Livro.

Macedo, R. S. (2012). Multirreferencialidade: o pensar de Jacques Ardoino em perspectiva e a problemática da formação. In R. S. C. Macedo, J. G. Barbosa, & S. Borba (Orgs.). Jacques Ardoino & a educação Autêntica.

Mignolo, W. (2004). Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. In B. S. Santos (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente (pp. 667-710). Cortez.

Morin, E. (1997). Cultura de massas no século XX. Forense Universitária.

Morin, E. (2003). Introdução ao pensamento complexo (3. ed.) Edições Piaget.

Pineau, G. (1998). A autoformação no decurso da vida: entre hetero e a ecoformação. In A. Nóvoa, & M. Finger (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação (pp. 65-77). Ministério da Saúde.

Santos, B. S. (1989). Introdução a uma ciência pós-moderna Graal.

Santos, B. S. (2010). Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In B. S. Santos, & M. P. Meneses (Orgs.). Epistemologias do sul (pp. 31-83). Cortez.

Santos, E. O. (2014). Pesquisa-formação na cibercultura. Whitebooks.

Publicado

2022-04-08

Como Citar

AMARAL, M. M. do .; SANTOS, R. dos .; SANTOS, E. . Diários online como dispositivos de pesquisa-formação: uma conversa com o filme Avatar. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20190124, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668977. Acesso em: 28 nov. 2022.