Banner Portal
Revisitando a preservação digital na perspectiva da ciência da informação
PDF

Palavras-chave

Preservação digital
Requisitos de preservação
Estratégias de preservação
Ciência da Informação
Informação e Tecnologia

Como Citar

FORMENTON, Danilo; GRACIOSO, Luciana de Souza; CASTRO, Fabiano Ferreira de. Revisitando a preservação digital na perspectiva da ciência da informação: aproximações conceituais. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 170–191, 2015. DOI: 10.20396/rdbci.v13i1.1587. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1587. Acesso em: 22 maio. 2024.

Resumo

A preservação digital é hoje o caminho mais adequado para salvaguardar a memória e o acesso aos conteúdos informacionais em ambientes digitais. Nesse sentido, este trabalho propôs ampliar a compreensão conceitual quanto ao processo de preservação digital e de suas implicações, através da identificação e da descrição dos conceitos de preservação digital e objeto digital, dos requisitos e das principais estratégias neste domínio. Para isso, uma pesquisa exploratória foi realizada, de natureza bibliográfica e documental, pautando-se no método de Revisão de Literatura Sistemática, a fim de compreender, segundo a literatura científica da área de Ciência da Informação, as discussões acerca da preservação digital advindas do Brasil, da América do Norte e da Europa. A partir dos estudos, verificou-se que a preservação digital é um processo que consiste essencialmente em assegurar a preservação do acesso de modo utilizável ao conteúdo dos objetos digitais por longo período. A complexidade em seu desenvolvimento está inteiramente associada às características do meio digital e à natureza dos próprios objetos que procura preservar. Em relação às estratégias existentes, a migração configurou-se como a mais adequada para o contexto da grande maioria das instituições que pretendem implantar um processo de preservação digital. Constatou-se que o tema ainda é recente e carece de mais estudos da comunidade da Biblioteconomia e da Ciência da Informação, no contexto científico nacional, evidenciando assim a necessidade de mais pesquisas sobre a preservação digital, sobremaneira, na identificação de processos e de metodologias para a preservação de objetos digitais em ambientes informacionais.

https://doi.org/10.20396/rdbci.v13i1.1587
PDF

Referências

ALMEIDA, A. C. L.; NASCIMENTO, G. B. Considerações sobre a preservação de documentos em formato digital. Biblionline, João Pessoa, v. 7, n. 2, p. 22-27, jul./dez. 2011. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

ANDRADE, R. S.; BORGES, J.; JAMBEIRO, O. Digitalizando a memória de Salvador: nossos presente e passado têm futuro?. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, n. 2, p. 243-254, v. 11, maio/ago. 2006. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

ARELLANO, M. Á. M. Preservação de documentos digitais. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 2, p. 15-27, maio/ago. 2004. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

BULLOCK, A. Preservation of digital information: issues and current status. 1999. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

CADERNOS DE BIBLIOTECONOMIA, ARQUIVÍSTICA e DOCUMENTAÇÃO (CADERNOS BAD). Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

CAMPOS, F. M. Informação digital: um novo património a preservar. Cadernos BAD, Lisboa, n. 2, p. 8-14, 2002. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

CONSULTATIVE COMMITTEE FOR SPACE DATA SYSTEMS (CCSDS). Reference model for an Open Archival Information System (OAIS). Washington, 2002. 139 p. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

HEDSTROM, M. Digital preservation: a time bomb for digital libraries. Computer and the Humanities, v. 31, p. 189-202, 1998. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

HENDLEY, T. Comparison of methods & costs of digital preservation. British Library Research and Innovation Report, 106, 1998. London: British Library Research and Innovation Centre. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

LUSENET, Y. Digital heritage for the future. Cadernos BAD, Lisboa, n. 2, p. 15-27, 2002. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

NATIONAL LIBRARY OF AUSTRALIA (NLA). Guidelines for the preservation of digital heritage. Paris: UNESCO, 2003. 177 p. Disponível em:. Acesso em: 1 jun. 2014.

ROTHENBERG, J. Ensuring the longevity of digital information. 1999. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

SARAMAGO, M. L. Preservação digital a longo prazo: boas práticas e estratégias. Cadernos BAD, Lisboa, n. 2, p. 54-68, 2002. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

TASK FORCE ON THE ARCHIVING OF DIGITAL INFORMATION. Preserving digital information; report of the Task Force on Archiving of Digital Information; commissioned by the Commission on Preservation - CPA and Access and the Research Libraries Group - RLG. Washington, D.C.: Commission on Preservation and Access, 1996. Disponível em: . Acesso em: 1 jun. 2014.

THOMAZ, K. P.; SOARES, A. J. A preservação digital e o modelo de referência Open Archival Information System (OAIS). DataGramaZero, Rio de Janeiro, n. 1, v. 5, fev. 2004. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2014.

A Revista Digital de Biblitoeconomia e Ciência da Informação /  Digital Journal of Library and Information Science utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Revista Digital de Biblitoeconomia e Ciência da Informação /  Digital Journal of Library and Information Science, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.