A inovação como dimensão socioeconômica do conhecimento

Autores

  • Kilma Gonçalves Cezar Universidade de Brasília
  • Cristiane Gomes Barreto Universidade de Brasília
  • Marcelo Felipe Moreira Persegona Universidade de Brasilia https://orcid.org/0000-0002-8430-9317

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v9i1.1927

Palavras-chave:

Conhecimento, Inovação, Gestão do conhecimento

Resumo

O trabalho apresenta uma associação entre teorias de gestão do conhecimento e de economia da tecnologia, de cunho neoschumpeteriano, enfocando em primeiro plano, questões referentes à gestão do conhecimento e à criatividade, e em plano secundário, questões referentes à produção do conhecimento e às condições objetivas de incorporação deste conhecimento à prática econômica. Como conclusão apresenta-se a inovação como a geradora das tecnologias genéricas, sendo indispensável, sob a ótica econômica, aos diferentes setores que funcionam na economia do conhecimento, e sob a ótica social, sendo imprescindível seu alinhamento com o processo de disseminação do conhecimento na conquista do desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kilma Gonçalves Cezar, Universidade de Brasília

Graduada em Economia; Especialista em Inteligência Competitiva - UFRJ, Grade de Mastaire DEA- Diplôme D'Études Approfondies em Informação Científica e Tecnológica - Universite de Droit D'Economie et Des Sciences D'Aix Marseille III - França; Mestre em Desenvolvimento Sustentável - UnB/CDS - Política e Gestão de Ciência e Tecnologia; Doutora em Desenvolvimento sustentável - UnB/CDS - Política e Gestão Ambiental, atuando nos seguintes temas: políticas públicas, território, conhecimento, informação, sociedade em rede, economia informacional, sustentabilidade, gestão, planejamento, estratégia, competências, inteligência, grupos de interesse, gestão de pessoas e qualidade de vida. É revisora da Revista Sustentabilidade em Debate (Sutainability in Debate)

 

Cristiane Gomes Barreto, Universidade de Brasília

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de Brasília(1998), especialização em MBA Planejamento e Gestão Estratégica pelo Centro Universitário Internacional(2011), mestrado em Biologia Animal pela Universidade de Brasília(2001) e doutorado em Desenvolvimento Sustentável pela Universidade de Brasília(2013). Atualmente é Pesquisa e Desenvolvimento do Centro de Desenvolvimento Sustentável. Tem experiência na área de Ciências Ambientais.

Marcelo Felipe Moreira Persegona, Universidade de Brasilia

Possui doutorado em Política e Gestão Ambiental pela Universidade de Brasília (2010), mestrado em Política e Gestão de Ciência e Tecnologia pela Universidade de Brasília (2005) e graduação em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Brasília (1998). Atualmente é professor da Faculdade de Tecnologia Senac do Distrito Federal, Assessor de Planejamento do Conselho Federal de Enfermagem e atua como pesquisador das seguintes instituições: American Association for the Advancement of Sciences; e no Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS) da Universidade de Brasília (UnB). Tem experiência na área de Ciência da Computação, com ênfase em Análise de Sistemas, atuando principalmente nos seguintes temas: Gestão do Conhecimento, Gestão da Informação, Tecnologia da Informação, Gestão de Projetos de Ciência e Tecnologia, Transferência Tecnológica, Projetos de Tecnologia da Informação, Georreferenciamento, Mapserver, Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente.

Referências

BECKHARD; REUBEN. Organizational transitions: managing Complex Change, [s.l.]: [s.n.],

BECKMAN; LIEBOWITZ. Knowledge organizations: what every manager should know.

Brooking: St. Luice Pub.. 1998.

DAVENPORT; PRUSAK. Working knowledge: how organizations manage what tehy know.

Boston: Havard Bisiness Schol Press, 1998.

FREEMAN. Continental, national and sub-national innovation systems complementary and

economic growth. Research Policy, v. 31, p.191-211, Feb. 2002.

GUIMARÃES. Inovação tecnológica, mudança técnica e globalização: conceitos básicos. In:

ABIPTI/SEBRAE/CNPq. Dimensão econômica da inovação. Brasília, 1997. p.23-54.

LIMA; BURSZTYN (Coord.). Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento sustentável

Brasília: Ministério do Meio Ambiente; IBAMA; Consórcio CDS/Unb/Abipti, 2000.

LONGO, W.P. Tecnologia e transferência de tecnologia. Seminário sobre propriedade industrial e transferência de tecnologia, 1987, São José dos Campos. Anais... São José dos Campos: [s.n.], 1987.

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO: DESAFIO PARA A SOCIEDADE BRASILEIRA:

Livro Verde. SILVA, C.G.; MELO, L. C. P. (Coord.). Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia

e Academia Brasileira de Ciência, 2001.

MOTTA, P. R. Transformação organizacional: a teoria e a prática de inovar. Rio de Janeiro, RJ:

Qualitymark Ed., 1999.

NICOLSKY, R. Inovação tecnológica: o novo paradigma em Ciência e Tecnologia para o Século

XXI – o desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil e do Mercosul. [S.l.]: Calabria, 1999.

NONAKA, I; TAKEUCHI, H. The knowledge-creating company: how japanese companies create

the dynamics of innovation. New York: Oxford University Press, 1995.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO – OCDE.

Manual de Oslo: mensuração das atividades científicas e tecnológicas. 1997.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO – OCDE. The measurement of scientific na technological activies: proposed standard practice for

surveys of research and experimental development. 6 ed. Paris: OECD, 2002.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO – OCDE. The OECD jobs strategy – technology, productivity and job creation. Paris: OECD, 1996.

PÉREZ, C. Cambio tecnico, reestructuracion competitiva: reforma institucional em los paises en

desarrollo. [S.l.]: Departamento de Planificación y Análisis Estratégico; Banco Mundial, 1989.

PERSEGONA, M.F.M. Obtenção de conhecimento cognitivo por meio de mapas geográficos

utilizando softwares livres. In: CONFERÊNCIA SUL-AMERICANA EM CIÊNCIA E

TECNOLOGIA APLICADA AO GOVERNO ELETRÔNICO - CONEGOV, 4., 2007, Palmas.

Anais... Florianópolis: Ijuris, 2007.

RICKARDS, T. Stimulating innovation, a systems approach. Londres: Francês, Pinter, 1985.

ROCHA NETO, I. Gestão estratégica do conhecimento & competências: administrando

incertezas e inovações. Brasília: ABIPTI, UCB; Universa, 2003.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo y democracia. Madrid: Aguilar S.A. de Ediciones,

, p.121.

SCHUMPETER, J. A. O fenômeno fundamental do desenvolvimento. In: ______. Teoria do Desenvolvimento Econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982. p. 43-66.

SIANES, M. Compartilhar ou proteger conhecimentos? Grande desafio no comportamento

informacional das organizações. In: STAREC, C.; GOMES, E. B. P.; CHAVES, J. B. L. Gestão

estratégica da informação e inteligência competitiva. São Paulo, SP: Saraiva, 2005.

VELLOSO, J. P R. O Brasil e a economia do conhecimento. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio,

VERMULM, R. Tecnologia e Riqueza Nacional. 2001. (mimeo).

VILLAVERDE. Por uma política de ciência e tecnologia para o Brasil em Ciência e Tecnologia

para o Século XXI – o desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil e do Mercosul. [S.l.]:

Calabria, 1999.

VIOTTI, E. B. Globalizar é a solução?: relações entre desenvolvimento, tecnologia e globalização, apresentado. In: SEMINÁRIO “GLOBALIZAÇÃO: VISÕES DO MUNDO

CONTEMPORÂNEO”, 1998, Brasília. Anais... Brasília: Instituto Legislativo Brasileiro do Senado

Federal, 1998. (mimeo).

VIOTTI, E. B. Teoria econômica, desenvolvimento e tecnologia – uma introdução. In: ______. et al., Dimensão Econômica da Inovação Brasília: [s.n.], 1977. (Coleção Curso de Especialização em Agentes de Difusão Tecnológica.

VIOTTI, E. B.; MACEDO, M. M. Fundamentos e Evolução dos Indicadores de CT&I. [S.l.]:

[s.n.], 2003.

WIIG, K.M. Comprehensive knowledge management. Arlington: Knowledge Research Institute,

Inc., 1999

Downloads

Publicado

2011-07-25

Como Citar

CEZAR, K. G.; BARRETO, C. G.; PERSEGONA, M. F. M. A inovação como dimensão socioeconômica do conhecimento. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 9, n. 2, p. 209–224, 2011. DOI: 10.20396/rdbci.v9i1.1927. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1927. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Comunicação