Banner Portal
A teoria merleau-pontyana da linguagem e a biblioterapia
PDF

Palavras-chave

Teoria Merleau-Pontyana da linguagem
Fala falante
Biblioterapia
Leitura terapêutica

Como Citar

CALDIN, Clarice Fortkamp. A teoria merleau-pontyana da linguagem e a biblioterapia. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 23–40, 2011. DOI: 10.20396/rdbci.v8i2.1932. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1932. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

O artigo expõe o problema da linguagem, com abordagem fenomenológica, como foi tratado por Husserl e por Merleau-Ponty. Husserl considerou a linguagem um objeto do pensamento, essência de uma gramática universal. Merleau-Ponty defendeu a linguagem como meio por excelência de comunicação, cujos signos refletem a cultura e as palavras possuem corporeidade. A teoria merleau-pontyana da expressão admite duas linguagens: a fala falada e a fala falante. A linguagem falada é o conjunto das significações de uma língua; a linguagem falante é transfiguração dessas significações. É da fala falante, produtora de significados, que se ocupa a biblioterapia. Relata-se um Programa de Leitura Terapêutica desenvolvido em uma escola da rede pública estadual no interior da Ilha de Santa Catarina. Tal Programa contemplou leitura, narração e dramatização de textos ficcionais. Apostou no envolvimento dos alunos com o lúdico e o poético e creditou à literatura possibilidades terapêuticas. O diálogo posterior à história (a experiência do outro), a socialização (descontração e alegria) e a retomada do texto (recriação) foram considerados exercícios terapêuticos. Concluiu-se que a biblioterapia é um tratamento alternativo e despretensioso em que a fala, na leitura, narração ou dramatização pode agir como uma terapêutica.
https://doi.org/10.20396/rdbci.v8i2.1932
PDF

Referências

CALDIN, Clarice Fortkamp. Biblioterapia para a classe matutina de aceleração da Escola de Educação Básica Dom Jaime de Barros Câmara: relato de experiência. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.8, p. 10-17, jan./dez. 2003. Disponível em: http://www.revista.acbsc.org.br/ Acesso em: 05 abr. 2010.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Merleau-Ponty na Sorbonne: resumo de cursos: psicossociologia e filosofia. Tradução de Costança Marcondes César. Campinas: Papirus, 1990.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Signos. Tradução de Maria Ermantina G.G. Pereira. São Paulo: M. Fontes, 1991.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. Tradução de Carlos Alberto de Moura. 2. ed. São Paulo: M. Fontes, 1999.

MERLEAU-PONTY, Maurice. A prosa do mundo. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Cosac & Naif, 2002.

MÜLLER-GRANZOTTO, Marcos José. Leitura merleau-pontyana da teoria fenomenológica da expressão. Veritas, Porto Alegre, v. 45, n.2, p. 213-222, jun. 2000.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguistica geral. Organizado por Charles Bally; Albert Sechehaye; com a colaboração de Albert Riedlinger. Tradução de Antônio Chelini; José Paulo Paes; Izidoro Blikstein. São Paulo: Cultrix, [197-].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2011 Clarice Fortkamp Caldin

Downloads

Não há dados estatísticos.