O uso de patentes como fonte de informação em dissertações e teses de engenharia química: o caso da Unicamp

Autores

  • Juliana de Paula Ravaschio
  • Leandro Innocentini Lopes de Faria
  • Luc Quoniam

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v7i2.1965

Palavras-chave:

Patentes, Informação tecnológica, Pesquisas acadêmicas, Fontes de informação

Resumo

Acredita-se que as patentes são pouco exploradas como documentos fornecedores de informações; tanto por empresas, quanto por instituições de pesquisa, universidades, etc. Nesse contexto, o presente artigo teve a finalidade de investigar se os documentos de patentes são utilizados como fonte de informação nos trabalhos acadêmicos (dissertações de mestrado e teses de doutorado). Para isso, foram selecionados trabalhos da área da engenharia química, do período de 2000 a 2007, da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Os dados foram coletados através das patentes citadas e referenciadas nos trabalhos acadêmicos e a amostra utilizada foi de 586 trabalhos. Os resultados dessa pesquisa evidenciaram que 16,4% dos trabalhos analisados utilizaram patentes como fontes de informação e citaram esse tipo de documento. Além disso, este trabalho indicou que as patentes americanas são as mais citadas por trabalhos da UNICAMP (63,8%). Porcentagens menores ficaram para as patentes japonesas (9,0%), patentes européias (7,2%), patentes inglesas (4,0%), patentes alemãs (3,2%) e patentes brasileiras (2,7%).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Juliana de Paula Ravaschio

Currículum Lattes não disponível

Leandro Innocentini Lopes de Faria

Professor Adjunto da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) desde 2002, vinculado ao Departamento de Ciência da Informação. Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade da UFSCar. Coordenador executivo do Núcleo de Informação Tecnológica em Materiais da UFSCar. Atuação em Ciência da Informação, Prospecção Tecnológica, Inteligência Competitiva, Bibliometria e Indicadores de C&T. Engenheiro de Materiais pela UFSCar (1994). Doutor em Ciência e Engenharia dos Materiais pela Universidade Federal de São Carlos (2001) e em Ciência da Informação e Comunicação pela Universite d'Aix-Marseille III (2001).

Luc Quoniam

Livre Docente em Ciências da Informação e da Comunicação na Université Aix Marseille III (1996). Doutorado em Ciências da Informação e da Comunicação - Université Aix Marseille III (1988). Mestrado em Oceanologia - Université Aix Marseille II (1985). Graduação em Océanologie - Université Aix Marseille III (1984). 

Referências

ALBUQUERQUE, E. M. Patentes e atividades inovativas: uma avaliação preliminar do caso brasileiro. In: VIOTTI, E .B.; MACEDO, M. M. (Org.). Indicadores de ciência, tecnologia e inovação no Brasil. Campinas: Unicamp, 2003. p. 329-376.

ARAÚJO, V. M. R. H. A patente como ferramenta da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 10, n. 2, p. 27-32, 1981.

BARROSO, W.; QUONIAM, L.; PACHECO, E. Patents as technological information in Latin América. World Patent Information, v. 31, p. 207-215, 2009.

BAZZO, W. A.; PEREIRA, L. T. V.; VON LINSIGEN, I. Educação tecnológica: enfoques para o ensino da engenharia. Florianópolis: UFSC, 2000. 173p.

BOUND, K. Brazil: the natural knowlegde economy. London: Demon, 2008. 159 p. FRANÇA, R. O. Patente como fonte de informação tecnológica. Perspectivas em

Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 2, n. 2, p. 235-264, jul./dez. 1997.

GARCIA, J. C. R. Patente gera patente? Transinformação, Campinas, v. 18, n. 3, p. 213-223, set./dez. 2006.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 3. ed. São Paulo: Altlas, 1996. 159 p.

FERRAZ, M. C. C. Patentes: conceitos e princípios básicos para a recuperação da informação. São Carlos: EdUFSCar, 2006. 83 p.

MACEDO, M. F. G.; BARBOSA, A. L. F. Patentes, pesquisa & desenvolvimento: um manual. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2000. 161 p.

OLIVEIRA, L. G.; SUSTER, R. Informação de patentes: ferramenta indispensável para a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico. Química Nova, São Paulo, v. 28, p. S36-S40,

Suplemento.

SCHWANDER, P. Las búsquedas sobre el estado da técnica: uma obligación para las pymes innovadoras. La Haya: Oficina Europea de Patentes, 2004. Disponível em:

< http://www.wipo.int/sme/es/documents/prior_art.htm>. Acesso em: 11 set. 2008.

SCHUMPETER, J.A. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982. 169 p.

SILVA, R. B.; DAGNINO, R. Universidades inovam mais que empresas: é para comemorar? Jornal da Ciência, São Paulo, 23 jun. 2009. Disponível em: < http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=64240>. Acesso em: 21 ago. 2009.

TAVARES, P. V.; KRETZER, J.: MEDEIROS, N. Economia shumpeteriana: expoentes revolucionários e desafios endógenos da indústria brasileira. A Economia em Revista,

Maringá, v. 19, p. 1-10, 2005.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS. INOVA UNICAMP. Relatório de atividades 2006. Campinas: Inova Unicamp, [2007]. 80 p.

WALKER, R. D. Patent as scientific and technical literature. Metuchen: The Scarecrow Press, 1995. 533 p.

Downloads

Publicado

2010-03-01

Como Citar

RAVASCHIO, J. de P.; FARIA, L. I. L. de; QUONIAM, L. O uso de patentes como fonte de informação em dissertações e teses de engenharia química: o caso da Unicamp. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 219–232, 2010. DOI: 10.20396/rdbci.v7i2.1965. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1965. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa