As redes sociais e o uso da informação entre os pesquisadores de alimentos funcionais da UEL

  • Jorge Luis Rodrigues
  • Maria Inês Tomaél
Palavras-chave: Recursos informacionais. Análise de redes sociais. Centralidade de grau. Gestão da informação

Resumo

As redes desenvolvem-se pelos contatos que atores mantêm, provocam a construção social do indivíduo e, quando vistas por suas relações, podem identificar coesões e similaridades, em ações coadunadas de indivíduos que agem como um único corpo social. Estudar o uso da informação na rede de alimentos funcionais da Universidade Estadual de Londrina (UEL) foi o principal objetivo deste trabalho. A rede estudada é caracterizada por um conjunto de pesquisadores que buscam o desenvolvimento da especialidade – alimentos funcionais. Por meio da metodologia de Análise de Redes Sociais (ARS) foram identificados os atores mais centrais na rede e os recursos informacionais utilizados por estes atores. Os resultados obtidos indicam que o uso da informação na rede ocorre no âmbito tanto formal quanto informal. As fontes de informação, elo entre a informação e a rede, provêem informações ao receptor, que dela necessita. Nessa rede as fontes e serviços de informação são representados pelo Portal de Periódicos da Capes, Internet, bibliotecas, associações, sendo portanto estes os grandes facilitadores dos canais informacionais na rede.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Jorge Luis Rodrigues
Aluno do Curso de Biblioteconomia da Universidade Estadual de Londrina (UEL), Bolsista Iniciação Científica da Fundação Araucária
Maria Inês Tomaél
Professora do Departamento de Ciência da Informação da UEL, doutora em Ciência da Informação pela UFMG

Referências

AGUIAR, A.C. Informação e atividades de desenvolvimento científico, tecnológico e industrial: tipologia proposta com base em análise funcional. Ciência da Informação, Brasília, v.20, n.1, p.7-15, jan./jun. 1991.

ARAÚJO, E.A. de. Informação, sociedade e cidadania: gestão da informação no contexto de organizações não governamentais (ONGs) brasileiras. Ciência da Informação, Brasília, v.28, n.2, p.155-167, maio/ago. 1999.

BARRETO, A. de A. Mudança estrutural no fluxo do conhecimento: a comunicação eletrônica. Ciência da Informação, Brasília, v.27, n.2, p.122-127, maio/ago. 1998.

BARRETO, A. de A. A questão da informação. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v.8, n.4, p.3-8, out./dez. 1994.

BARRETO, A.R. et al. Manual de gestão de serviços de informação. Curitiba: TECPAR; Brasília: IBICT, 1997.

BORGATTI, S.P.; EVERETT, M.G.; FREEMAN, L.C. Ucinet for Windows: software for social network analysis. Harvard: Analytic Technologies, 2002. Disponível em: < http://www.analytictech.com> Acesso em: 28 abr. 2005.

BRASIL. Portaria n°398, de 30 de abril de 1999. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 3 maio 1999.

CAMPELLO, B.S. Encontros científicos. In.: CAMPELLO, B.S.; CENDÓN, B.V.; KREMER, J.M.(Orgs.) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003a. Cap.4, p.55-72.

CAMPELLO, B.S. Organizações como fonte de informação. In.: CAMPELLO, B.S.; CENDÓN, B.V.; KREMER, J.M.(Orgs.) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003b. Cap.2, p.35-48.

CAMPELLO, B.S. Pesquisas em andamento. In.: CAMPELLO, B.S.; CENDÓN, B.V.; KREMER, J.M.(Orgs.) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003c. Cap.3, p.49-54.

COSTA, L.; MARTINHO, C.; FECURI, J.(Coords.). Redes: uma introdução às dinâmicas da conectividade e da auto-organização. Brasília: WWF-Brasil, 2003.

DIAS, M.M.K. Normas técnicas. In.: CAMPELLO, B.S.; CENDÓN, B.V.; KREMER, J.M.(Orgs.) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003. Cap.11, p.137-152.

FRANÇA, R.O. A patente. In.: CAMPELLO, B.S.; CENDÓN, B.V.; KREMER, J.M.(Orgs.) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003. Cap.12, p.153-182.

FREEMAN, L.C. Centrality in social networks: conceptual clarification. Social Networks, Amsterdam, v.1, n.3, p.215-239, 1978/1979.

HANNEMAN, R.A. Introducción a los métodos del análisis de redes sociales. Riverside: Universidad de California, 2001. Disponível em: < http://revista-redes.rediris.es/webredes/> Acesso em: 20 fev. 2006.

HAYTHORNTHWAITE, C. Social network analysis: an approach and technique for the study of information exchange. Library & Information Science Research, Norwood, v.18, n.3, p.323-342, Autumn 1996.

KOSSINETS, G.; WATTS, D.J. Empirical analysis of an evolving social network. Science, New York, v.311, n.5757, p.88-90, 6 January 2006.

LESCA, H.; ALMEIDA, F.C. Administração estratégica da informação. Revista de Administração, São Paulo, v.29, n.3, p.66-75, jul./set. 1994.

MARTELETO, R.M. Análise de redes sociais – aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v.30, n.1, p.71-81, jan./abr. 2001.

MATHEUS, R.F.; SILVA, A.B.O. e. Análise de redes sociais como método para a Ciência da Informação. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v.7, n.2, abr. 2006. Disponível em: < http://www.dgz.org.br/abr06/Art_03.htm> Acesso em: 27 abr. 2006.

MOLINA, J.L.; AGUILAR, C. Identidad étnica y redes personales entre jóvenes de Sarajevo. Revista Iberoamericana de Filosofía, Política y Humanidades, Barcelona, v.5, n.12, jul./dic. 2004.

MONTALLI, K.M.L.; CAMPELLO, B. dos S. Fontes de informação sobre companhias e produtos industriais: uma revisão de literatura. Ciência da Informação, Brasília, v.26, n.3, set./dez. 1997.

MUELLER, S.P.M. O periódico científico. In.: CAMPELLO, B.S.; CENDÓN, B.V.; KREMER, J.M.(Orgs.) Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003. Cap.5, p.73-96.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

OTTE, E.; ROUSSEAU, R. Social network analysis: a powerful strategy, also for the information sciences. Journal of Information Science, Cambridge, v.28, n.6, p.441-453, Dec. 2002.

PONJUÁN DANTE, G. Gestión de información: dimensiones e implementación para el éxito organizacional. Rosario: Nuevo Parhadigma, 2004.

TOMAÉL, M.I.; ALCARÁ, A.R.; DI CHIARA , I.G. Das redes sociais à inovação. Ciência da Informação, Brasília, v.34, n.2, maio/ago. 2005.

TOMAÉL, M.I. et al. Redes sociais e inteligência local: espaços da informação. In.: SEMINÁRIO LATINO-IBEROAMERICANO DE GESTIÓN TECNOLÓGICA, 11., 2005, Salvador. Anais... Salvador: ALTEC, 2005, p.1-14.

UGARTE, D. de. Analizando redes sociales. 2004. Disponível em: < http://www.lasindias.com/curso_redes/curso_redes_1.html> Acesso em: 18 fev. 2005.

WATTS, D.J. The “new” science of networks. Annual Review of Sociology, Palo Alto,

v.30, p.243-270, Aug. 2004.

Publicado
2008-08-08
Como Citar
Rodrigues, J. L., & Tomaél, M. I. (2008). As redes sociais e o uso da informação entre os pesquisadores de alimentos funcionais da UEL. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 6(2), 15-37. https://doi.org/10.20396/rdbci.v6i1.1995
Seção
Artigos