Biblioteca como lugar de memória e eco de conhecimento: um olhar sobre “O Nome da Rosa”

Autores

  • César Augusto Castro Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v4i3.2026

Palavras-chave:

Biblioteca, Acervos – organização, Coleções – organização, Bibliotecário

Resumo

Reflexão crítica sobre bibliotecas como templo dos saberes, suas facetas e mudanças. Debate sobre políticas de acesso de acervos públicos e privados. Importância de bibliotecas para atender o ser humano em suas dimensões sociais, educacionais, culturais, econômicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

César Augusto Castro, Universidade Federal do Maranhão

Professor do Departamento de Biblioteconomia e do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Maranhão. Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo. Coordenador do Núcleo de História da Educação e das Práticas Leitoras dessa IES.

Referências

ALEXANDRE-BIDON, D; LORCIN, M.T. Système éducatif et cultures dans l’Occident medieval ( XIIE-XVE Siècle). Paris: Ophrys, 1998.

BÁEZ, F. História universal da destruição dos livros. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

BARATIN, M.; Christian J. O poder das bibliotecas: a memória dos livros no Ocidente. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2000.

BATTLES, M. A conturbada história das bibliotecas. São Paulo: Planeta do Brasil, 2003.

BELO, A. História & história do livro. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

BERLIOZ, J. Monges e religiosos na Idade Média. Lisboa: Terramar, 1996.

BERNESTEIN, B. Class, codes and control. Londres: Routleedge and Kegan Paul, 1975.

BURKE, P. Uma história social do conhecimento: de Gutenberg a Diderot. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

CALVINO, Í. Um general na biblioteca. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

CANFORA, L. A biblioteca desaparecida: história da biblioteca de Alexandria. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

CASTRO, C. A. Produção e circulação de livros no Brasil: dos Jesuítas (1550) aos militares (1970). Enc. Bibli: R. Eletrônica de Bibl. Ci. Inform. Florianópolis, n.20, 2. semestre, 2005.

CHARTIER, R. A ordem dos livros. Brasília: Editora da UnB, 1994.

CHARTIER, R. Do códige ao monitor: a trajetória do escrito. Estudos Avançados, São Paulo, v.8, n.21, p. 185-199, maio/ago. 1994.

CHARTIER, R. História cultural entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1982.

CERTEUA, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.

CERTEUA, M. A escrita da história. Rio de Janeiro: Florense, 1982.

CORCUFF, P. As novas sociologias: construções da realidade social. Bauru, SP: Edusc, 2001.

DELEUZE, G. Conversações. São Paulo: Editora 34, 1992.

DUBY, G. A história continua. Rio de Janeiro: Jorge Zahar,1993

ECO, U. O Nome da Rosa . Rio de Janeiro: Record, 1986.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. 7.ed. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Forense,2004.

FOUCAULT, M. Des espaces autres (1967), Hétérotopies. Architecture, Mouvement, Continuité. Paris, n.5, p.46-49. oct. 1984. acesso em: 13.08.2006. Disponível em: < http:// Foucault, Michel.info/documents/Foucault.hereroTopia.en.html> Acesso: 13.08.2006.

GRANT, E. God and reason in the Middle Ages. Cambridge: Cambridge University Press,2001.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas, Rio de Janeiro: koogan, 1989

GINZBURG, C. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

GONDRA, J. G. A leveza dos bis: história da educação e as novas tecnologias. In: MENDES FILHO, L. F. Arquivos, fontes e novas tecnologias: questões para a história da educação. São Paulo: Autores Associados,2000.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

HUNT, L.. A nova história da escrita. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

LE GOLF, J. Os intelectuais na Idade Média. 4.ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

LE GOLF, J. O nascimento do purgatório. Lisboa: estampa, 1993.

MATTOSO, J. Poderes invisíveis: o imaginário medieval. Lisboa: Circulo de Leitores, 2001.

McMURTRIE, D. O livro. 3o ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1997.

MICHELET, J. A agonia da Idade Média. São Paulo: EDUC, 1992.

MOULIN, L. A vida cotidiana dos estudantes na Idade Média. Lisboa: Livros do Brasil, 1994.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto histórico. São Paulo: n.10, p.7-28, dez. 1993.

NUNES, C.; CARVALHO, M. M. C. Historiografia da educação e fontes. Cadernos ANPED. Porto Alegre, n.5, p.7-64, 1993.

PERROT, M. Os excluídos da história: operários, mulheres, prisioneiros. 3.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

SILVA, T. E. Bibliotecas: metáforas da memória. Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, n.21, 1. sem. 2006

VIDAL, D. G. Fim do mundo do fim: avaliação, preservação e descarte documental. In: MENDES FILHO, L. F. Arquivos, fontes e novas tecnologias: questões para a história da educação. São Paulo: Autores Associados,2000. p. 31-44.

Downloads

Publicado

2006-09-20

Como Citar

CASTRO, C. A. Biblioteca como lugar de memória e eco de conhecimento: um olhar sobre “O Nome da Rosa”. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 4, p. 1–20, 2006. DOI: 10.20396/rdbci.v4i3.2026. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/2026. Acesso em: 19 maio. 2022.