Do manuscrito ao digital: a longa sobrevivência das bibliotecas e dos profissionais envolvidos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v4i3.2027

Palavras-chave:

Biblioteconomia, Ciência da informação, História, Evolução tecnológica, Desempenho profissional, Mercado de trabalho

Resumo

Mostra a evolução do curso de Biblioteconomia no Brasil e a atuação do bibliotecário. Traz o trecho do livro de Umberto Eco como referencial histórico da era medieval, pretendendo questionar a função de "guardião" da informação nesta fase e no contexto atual.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Sofia Galvão Baptista, Universidade de Brasília

Professor associado- nível 2- Atua na graduação (Biblioteconomia) e na pós-graduação em Ciência da Informação. Linha de pesquisa/orientações: Comunicação e Mediação da Informação (reformulação de linhas 2011). Suas pesquisas são na área de mercado de trabalho do profissional da informação, mediação e gestão da informação. Lidera o grupo de pesquisa: mercado de trabalho do bibliotecário. Trabalhou com o tema "arquiteto da informação", "representação social do bibliotecário" (orientação doutorado) Atualmente orienta: histórico de formação do bibliotecário (100 anos de biblioteconomia) biblioterapia e competências conversacionais, no mestrado. 

Mariana Baptista Brandt

Possui graduação em Biblioteconomia (2006) e mestrado em Ciência da Informação (2009) pela Universidade de Brasília. Atualmente é bibliotecária na Câmara dos Deputados.Tema de pesquisa de mestrado: folksonomia. Áreas de interesse: organização e recuperação da informação, descrição física e de conteúdo, representação do conhecimento, web, Internet, tecnologias da informação e comunicação, governo eletrônico, democracia eletrônica, participação, colaboração, sistemas de informação..

Referências

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Profissional da informação: entre o espírito e a produção. IN: Valentim, M. L. P. (org). O Profissional da informação: formação, perfil e atuação profissional. São Paulo: Polis, 2000, p. 31-51.

BAPTISTA, S. G. Bibliotecário autônomo versus institucionalizado: carreira, mercado de trabalho e comprometimento organizacional. 1988. 234f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

BAPTISTA, S. G. A empregabilidade na sociedade de informação: o arquiteto da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 6, 2005. Anais. Florianópolis: Enancib, 2005, p. 1-12.

BRASIL, leis e decretos. Lei No 4.084, de 30 de junho de 1962, que dispõe sobre o exercício da profissão de Bibliotecário.

BUFREN, L. S; Pereira, E. C. Os profissionais da informação e a gestão de competências. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 9, n. 2, p. 178-181, jul./dez., 2004.

CASTRO, C. A. Histórico e evolução curricular na área de Biblioteconomia no Brasil IN: Valentim, M.L. P. Formação do profissional da informação. São Paulo: Polis, 2002, p. 25-48.

CUNHA, M. B. O bibliotecário brasileiro na atualidade. R. Esc. Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 5, n. 2, p.178-237, 1976.

D. JOÃO VI deu início à Biblioteca Nacional. O Estado de São Paulo, São Paulo, 06 mar. 2006. p. 1-1. Disponível em: < www.cbl.org.br>. Acesso em: 13 jun. 2006.

ECO, U. O nome da rosa. Rio de Janeiro: O Globo, 2003. 479 p.

FIGUEIREDO, N. M. A modernidade das cinco leis de Ranganathan. Ciência da Informação, 1992, v. 21, n. 3, p. 186-191, set./dez. 1992.

LEVACOV, M. Bibliotecas virtuais: (r) evolução? Ciência da Informação, v. 26, n. 2, maio/ago, 1997.

MUELLER, S. P. M. Formação profissional e educação continuada – que profissional devemos ser. IN: SIMPÓSIO BRASIL -SUL DE INFORMAÇÃO, 1. 1996, Londrina. Anais... . Londrina: Uel, 1996, p. 253-272.

MUELLER, S. P. M. Perfil do bibliotecário, serviço, responsabilidades na área da informação e formação profissional. Revista de Biblioteconomia de Brasília, v. 17, v.1, p. 63-70, jan/jun. 1989.

OLIVEIRA, Z. C. P. O bibliotecário e sua auto-imagem. São Paulo: Pioneira, 1983, 98 p. POLKE, A. M. A. et al. Análise do mercado de trabalho do bibliotecário em Belo Horizonte. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, n. 5, p.165-177, set. 1976.

ROWBOTHAM, J. Librarians - architects of the future? Aslib-Proceedings, v. 51, n. 2, p. 59-63, fev. 1999.

SILVA, F. C. C. Bibliotecários especialistas. Brasília: Thesaurus, 2005. p. 264p.

SMIT, J. Bibliotecário, in memoriam: um canto de morte em feitio de psicodrama. Revista Palavra-Chave, São Paulo, n. 2, p. 2-3, 1982. Disponível em: < http://academica.extralibris.info/bibliotecario/bibliotecario_in_memorian_joha.html> Acesso em: junho 2006

TARAPANOFF, K. O profissional da informação e a sociedade de informação: desafios e oportunidades. Trasinformação, v. 11, n.1, p. 27–38, jan./abr. 1999.

TEIXEIRA, S. K. S. Temáticas das dissertações do curso de mestrado em biblioteconomia e Documentação da Universidade de Brasília – 1980-1995. 1997. 135 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Ciência da Informação, Departamento de Ciência da Informação e Documentação, Universidade de Brasília, Brasília, 1997.

VIANA, M. M. M. Guia de Biblioteconomia na Internet. IN: < www.sobresites.com/biblioteconomia.htm. > Acesso em: junho 2006.

VIEIRA, A. S. Repensando a Biblioteconomia. Ciência da Informação, Brasília, v. 12, n. 2, p. 81-85, 1983.

Downloads

Publicado

2006-09-20

Como Citar

BAPTISTA, S. G.; BRANDT, M. B. Do manuscrito ao digital: a longa sobrevivência das bibliotecas e dos profissionais envolvidos. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 4, p. 21–40, 2006. DOI: 10.20396/rdbci.v4i3.2027. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/2027. Acesso em: 1 jul. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)