Uma arqueologia biblioteconômica

paradigmas, rastros e discursos

Autores

  • Mário Gouveia Junior Universidade do Porto e Universidade de Aveiro
  • Diego Andres Salcedo Prof. no Dep. de Ciência da Informação da UFPE. Coordenador do Laboratório de Humanidades Digitais da UFPE.

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v14i1.8639481

Palavras-chave:

Biblioteconomia, Cientificidade, Pragmatismo, Paradigmas, Arqueologia do saber

Resumo

Discute a proposição, vigência e mudança de paradigmas nas relações de mediação de informação. Apresenta as tradições, emergência, histórico e consolidação da Biblioteconomia, recorrendo às pistas guinzburguianas acerca do que foi dito e registrado. Respaldado na perspectiva foucaultiana, e nas pistas do não-dito, em torno de uma arqueologia do saber, relativiza tanto a necessidade de buscar o seu objeto de estudo, para além das noções humanistas e tecnicistas custodialistas e seus paradigmas infocomunicacionais, quanto o imperativo de esta área se impor em meio a outros campos do conhecimento que tratam da informação. Recorre a uma pesquisa exploratória interdisciplinar. Espera-se apresentar uma projeção do que a Biblioteconomia, seus discursos e práticas podem representar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mário Gouveia Junior, Universidade do Porto e Universidade de Aveiro

Licenciado em História (UFPE); Bacharelando em Biblioteconomia (UFPE); Especialista em Cultura Pernambucana (FAFIRE); Mestre em Ciência da Informação (UFPE); Doutorando em Informação e Comunicação em Plataformas Digitais (UNIVERSIDADE DO PORTO E UNIVERSIDADE DE AVEIRO).

Diego Andres Salcedo, Prof. no Dep. de Ciência da Informação da UFPE. Coordenador do Laboratório de Humanidades Digitais da UFPE.

Graduado em Biblioteconomia - UFPE; Mestre em Comunicação - UFPE; Doutor em Comunicação - UFPE; Prof. no Dep. de Ciência da Informação da UFPE. Coordenador do Laboratório de Humanidades Digitais da UFPE.

Referências

BARBOSA, Alice Príncipe. Teoria e prática dos sistemas de classificação bibliográfica. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação, 1969. Disponível em: http://livroaberto.ibict.br/handle/1/1001. Acesso em: 22 abr. 2015.

BARRETO, Aldo de Albuquerque. A aventura de perceber significados. Datagramazero, Rio de Janeiro, v.15, n.3, jun. 2014. Disponível em: http://www.dgz.org.br/jun14/Art_01.htm. Acesso em: 17 mar. 2015.

BORGES, Jorge Luis. Ficções. 3. ed. São Paulo: Globo, 2001.

BUFREM, Leilah Santiago. Fundamentos sociais e políticos da biblioteconomia. Educar em Revista, Curitiba, v. 4, n.1, p. 108-122, 1985. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40601985000100008&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 20 abr. 2015.

BURKE, Peter. Uma história social do conhecimento II: da Enciclopédia à Web 2.0. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

CANFORA, Luciano. A biblioteca desaparecida: histórias da biblioteca de Alexandria. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

CAPURRO, Rafael. Epistemologia e Ciência da Informação. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 5. Belo Horizonte, MG, 2003. Disponível em: http://www.capurro.de/enancib_p.htm. Acesso em: 7 abr. 2015.

CAPURRO, Rafael ; HJORLAND, Birger. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.12, n.1, p.148-207, 2007. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/54/47. Acesso em: 17 mar. 2015.

CASTELLS, Manuel. O poder da comunicação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013.

CASTRO, César. História da biblioteconomia brasileira. Brasília: Thesaurus, 2000.

CASTRO, César. Biblioteca como lugar de memória e eco de conhecimento: um olhar sobre O Nome da Rosa. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 4, p. 01-20, 2006. Disponível em: http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/view/362/240. Acesso em: 19 mar. 2015.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de fazer. 15.ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador; conversações com Jean Lebrun. São Paulo: UNESP/IMESP, 1999.

CHILDE, Gordon. Introdução à arqueologia. Lisboa: Publicações Europa-América Ltda. (Coleção Saber), 1961.

COCCO, Giuseppe. A nova qualidade do trabalho na era da Informação. In: LASTRES, Helena Maria Martins; ALBAGLI, Sarita. (Orgs.). Informação e globalização na Era do Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

ECO, Umberto. O Nome da Rosa. Rio de Janeiro: Record, 1986.

FONSECA, Edson Nery da. Introdução à Biblioteconomia. 2.ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2007.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

GALINDO, Marcos; GOUVEIA JUNIOR, Mário; SOARES, Sandra Maria Verissimo. A Rede Memorial e sua Missão Informacional: sistemas memoriais e redes de colaboratividade. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação – XV ENANCIB, 15, 2014, Belo Horizonte, Anais... Belo Horizonte, 2014, p.4759-4775. Disponível em: http://enancib2014.eci.ufmg.br/documentos/anais/anais-gt10 . Acesso em: 20 abr. 2015.

GARCÍA MARQUEZ, Gabriel. Cem anos de solidão. 75.ed. Rio de Janeiro: Record, 2010.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros. verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GOUVEIA JUNIOR, Mário. Livros proibidos, leituras vigiadas: censuras e insurgências em Pernambuco à época do bispo Azeredo Coutinho (1794-1802). 2010. 80f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em História) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2010.

GOUVEIA JUNIOR, Mário. A Gestão da Memoria: as politicas públicas culturais e a situação dos museus no estado de Pernambuco. 2012. 212f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2012.

GOUVEIA JUNIOR, Mário. Segurança ou Liberdade? O pensamento de Bauman e as relações de mediação nos Sistemas de Informação. Prisma.Com. Porto, n.24, p.3-16, 2014. Disponível em: http://revistas.ua.pt/index.php/prismacom/article/view/2934/pdf_18. Acesso em: 13 abr. 2015.

HOBSBAWM, Eric J. A era das revoluções: 1789-1848. 25.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2009.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência: a colisão entre os velhos e novos meios de comunicação. 2.ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. 3.ed. São Paulo: Perspectiva, 1990.

LATOUR, B. Redes que a razão desconhece: laboratórios, bibliotecas, coleções. In: PARENTE, A. (org.). Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2004.

LE COADIC, Yves-François. A ciência da informação. 2.ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

MACHADO, Roberto Cabral de Melo. A arqueologia do saber e a constituição das ciências humanas. Revista Discurso. São Paulo, v.5, n.5, p.87-118, ago. 1974. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/discurso/article/view/37781/40508. Acesso em: 9 abr. 2015.

MANESS, Jack M. Teoria da Biblioteca 2.0: web 2.0 e suas implicações para as bibliotecas. Informação & Sociedade, João Pessoa, v.17, n.1, p.43-51, jan./abr., 2007. Disponível em: http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/ies/article/view/831/1464. Acesso em: 10 abr. 2015.

MIKSA, Francis L. Library and information science: two paradigms. In: VAKKARI, Pertti; CRONIN, Blaise (Eds.). Conceptions of library and information science: historical, empirical and theoretical perspectives. London: Taylor Graham, 1992. p. 229-251.

MIRANDA, Májory Karoline Fernandes de Oliveira. O custodialismo e a teoria da intencionalidade. Néctar: Recife, 2012.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 4.ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. In: PROJETO HISTÓRIA: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em História e do Departamento de História da PUC-SP, São Paulo, n.10, p.7-28, 1993. Disponível em: http://www.pucsp.br/projetohistoria/downloads/revista/PHistoria10.pdf. Acesso em: 13 abr. 2015.

O’REILLY, Tim. What is web 2.0. O’Reilly Media. 2005. O’Reilly website. Disponível em: http://oreilly.com/web2/archive/what-is-web-20.html Acesso em 13 abr. 2015.

ORTEGA, Cristina Dotta. Relações históricas entre biblioteconomia, documentação e ciência da informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.5, n. 3, p. 1-16, out. 2004. Disponível em: http://www.dgz.org.br/out04/Art_03.htm. Acesso em: 20 abr. 2015.

PINHEIRO, Lena Vânia Ribeiro. Campo interdisciplinar da Ciência da Informação: fronteiras remotas e recentes. In: PINHEIRO, Lena Vânia Ribeiro. Ciência da Informação, ciências sociais e interdisciplinaridade. Brasília: IBICT, 1999.

POMBO, Olga. Da classificação dos seres à classificação dos saberes. Leituras. Revista da Biblioteca Nacional de Lisboa, Lisboa, n. 2, Primavera, p.19-33, 1998. Disponível em: http://www.educ.fc.ul.pt/hyper/resources/opombo-classificacao.pdf. Acesso em: 26 mar. 2015.

POPPER, Karl. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 2007.

RANGANATHAN, S. R. As cinco leis da Biblioteconomia. Brasília: Briquet de Lemos Livros, 2009.

RIBEIRO, Fernanda. Gestão da informação / preservação da memória na era pós-custodial: um equilíbrio precário? In: Conservar para quê? Oitava mesa-redonda de primavera. Porto: Departamento de Ciências e Técnicas do Patrimônio. Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2005. Disponível em: http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/artigo8861.PDF. Acesso em: 14 abr. 2015.

SALDANHA, Gustavo Silva. Tradições epistemológicas nos estudos de organização dos saberes: uma leitura histórico-epistêmica a partir da filosofia da linguagem. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v.6, n.2, p.300-315, setembro, 2010. Disponível em: http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/article/view/372. Acesso em: 20 mar. 2015.

SANTOS, Ana Paula Lima dos; RODRIGUES, Mara Eliane Fonseca. Biblioteconomia: gênese, história e fundamentos. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo, v. 9, n. 2, p. 116-131, jul./dez. 2013. Disponível em: http://rbbd.febab.org.br/rbbd/article/view/248/264. Acesso em: 27 abr. 2015.

SARACEVIC, Tefko. Interdisciplinary nature of information science. Ciência da Informação, Brasília, v.24, n.1, p.36-41, 1995. Disponível em: http://www.uff.br/ppgci/editais/saracevicnatureza.pdf. Acesso em: 17 abr. 2015.

SARACEVIC, Tefko. Relevance reconsidered. In: Information science: integration in perspectives. Proceedings of the Second Conference on Conceptions of Library and Information Science (CoLIS 2). Copenhagen, Denmark, 14-17 Oct. 1996, p. 201-218. Royal School of Library and Information Science, 1996. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:T5jp-dmkIQ8J:https://comminfo.rutgers.edu/~tefko/CoLIS2_1996.doc+&cd=3&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 7 abr. 2015.

SILVA, Armando Malheiro da; RIBEIRO, Fernanda. Das ciências documentais à Ciência da Informação: ensaio epistemológico para um novo modelo curricular. Porto: Edições Afrontamento, 2002.

SILVA, Armando Malheiro da; RIBEIRO, Fernanda. Paradigmas, serviços e mediações em Ciência da Informação. Recife: Néctar, 2011.

SOUZA, Francisco das Chagas de. Os paradigmas da biblioteconomia e suas implicações no ensino desta ciência. Encontros Bibli, Florianópolis, v.1, n.2, 1996. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/5/8. Acesso em: 22 abr. 2015.

SOUZA, Sebastião de. Fundamentos filosóficos da biblioteconomia. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília, v. 14, n. 2, jul./dez. 1986. Disponível em: http://www.brapci.ufpr.br/documento.php?dd0=0000008281&dd1=2513f. Acesso em: 27 abr. 2015.

Downloads

Publicado

2015-12-18

Como Citar

GOUVEIA JUNIOR, M.; SALCEDO, D. A. Uma arqueologia biblioteconômica: paradigmas, rastros e discursos. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 14, n. 1, p. 5–27, 2015. DOI: 10.20396/rdbci.v14i1.8639481. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8639481. Acesso em: 25 maio. 2022.