O conhecimento na perspectiva da construção social

as redes sociais e a gestão do conhecimento em ambientes organizacionais de bibliotecas

Palavras-chave: Gestaão do conhecimento, Redes sociais, Bibliotecas

Resumo

A Gestão do Conhecimento constitui-se em um complemento na administração organizacional. Entre outras características, reconhece os fluxos informais de informação, cujo tratamento requer o uso de tecnologias, promovendo a criação, armazenamento e transferência do conhecimento. As Redes Sociais, neste contexto, representam os atores que criam, geram e disseminam esse conhecimento, reforçando a ideia de que o conhecimento organizacional se estabelece a partir da construção social. Este trabalho é um ensaio teórico cujo objetivo é apresentar algumas concepções que aproximam as temáticas Gestão do Conhecimento e Redes Sociais. Constitui-se em uma pesquisa exploratória, por meio de revisão bibliográfica. Os resultados apontam que tais abordagens têm contribuído à Ciência da Informação e que podem ser aplicadas em ambientes organizacionais, tais como de bibliotecas. E a metodologia de Análise de Redes Sociais pode ser uma importante aliada na promoção destes estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Liliane Juvência Azevedo Ferreira, Universidade Federal de Goiás

Mestranda em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília. Bibliotecária do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal de Goiás.

Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares, Universidade de Brasília

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília. Professora da Faculdade de Ciência da Informação da Universidade de Brasília (UnB).  Coordenadora Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. 

Dalton Lopes Martins, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Ciências da Informação pela ECA-USP. Professor no Departamento de Gestão da Informação da Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade Federal de Goiás.

Referências

ALVARES, Lillian.; BAPTISTA, Sofia Galvão; ARAÚJO JÚNIOR, Rogério Henrique de. Gestão do Conhecimento: categorização conceitual. Em Questão, Porto Alegre, v.16, n.2, p.235-252. jul./dez. 2010. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/15124/10437>. Acesso em: 10 ago 2014.

ARAÚJO, Eliany Alvarenga de; OLIVEIRA, Marlene de. A produção do conhecimento e a origem das bibliotecas. In: OLIVEIRA, Marlene de. Ciência da Informação e Biblioteconomia: novos conteúdos e espaços de atuação. Belo Horizonte: Editora

UFMG, 2005.

BARABÁSI, Albert-László. Linked [Conectado]: a nova ciência dos networks: como tudo está conectado a tudo e o que isso significa para os negócios, relações sociais e ciências. São Paulo: Leopardo Editora, 2002.

BARBOSA, Ricardo Rodrigues. Perspectivas profissionais e educacionais em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Ciência da Informação, Brasília, v.27, n.1, p.53-60, jan./abr. 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v27n1/07.pdf>. Acesso em: 23 maio 2014.

BERGER, Peter L.; LUCMANN, Thomas. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 2004.

BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada.Tradução Centro Bíblico Católico. São Paulo: Editora Ave-Maria,1996.

CHOO, Chun Wei. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: SENAC, 2006.

DAVENPORT, Thomas H.; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

DRUCKER, Peter. Sociedade Pós-Capitalista. São Paulo: Pioneira, 1993.

FLEURY, André Leme. Redes de conhecimento: aplicações temáticas e regionais. In: ENEGEP, 23., 2003. Ouro Preto, MG. Anais... Ouro Preto, MG, 2003. Disponível em: http://ppgep.poli.usp.br/5179/Redes-de-Conhecimento-aplicacoes-tematicas-e-regionais.html>. Acesso em: 10 maio 2014.

JOHNSON, J. David. Gestão de redes de conhecimento. São Paulo: SENAC, 2011.

KLEINDORFER, Paul R.; WIND, Yoram; GUNTHER, Robert E. O desafio das redes: estratégia, lucro e risco em um mundo interligado. Porto Alegre: Bookman, 2012.

LE COADIC, Yves François. A ciência da informação. 2.ed. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LEITE, Fernando César Lima; COSTA, Sely Maria de Souza. Gestão do Conhecimento científico: proposta de um modelo conceitual com base em processos de comunicação científica. Ciência da Informação, Brasília, v.36,p.92-107, 2007.

LÉVY, Pierre.; AUTHIER, Michel. As árvores de conhecimento. São Paulo: Escuta, 2000.

MARTELETO, Regina Maria. Análise de redes sociais – aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v.30, n.1, p.71/81,. jan./abr. 2001. Disponível em:< http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/ciinf/article/view/226l>. Acesso em 03 abr. 2015.

MARTELETO, Regina Maria. Redes Sociais, mediação e apropriação de informação: situando campos, objetos e conceitos na pesquisa em Ciência da Informação. Pesq. Bras. Ci. Inf., Brasília, v.3, n.1, p.27-46, jan./dez.2010. Disponível em: < http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/viewArticle/26>. Acesso em 03 abr. 2015.

MARTINS, Dalton Lopes. Análise de redes sociais de colaboração científica no ambiente de uma federação de bibliotecas digitais. 2012 236fl. Tese (Doutorado em Ciência da Informação da Universidade de São Paulo) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

MATHEUS, Renato Fabiano; SILVA, Antônio Braz de Oliveira e. Análise de redes sociais como método para Ciência da Informação. Datagramazero: Revista da Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v.7, n.2, abr. 2006. Disponível em: < http://www.dgz.org.br/abr06/Art_03.htm>. Acesso em: 03 abr.2015.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. A árvore do conhecimento: as bases biológicas do entendimento humano. São Paulo:Editorial Psy II, 1995.

MOORE, Dale. L. A social netwok analysis of the national materials competency at naval air systems command. 2002.181fl. Dissertação (Mestrado) Naval Postgraduate School), Monterey, Califórnia, 2002. Disponível em: http://calhoun.nps.edu/handle/10945/4790>. Acesso em: 04 maio 2015.

NONAKA, Ikujiro.; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NORONHA, Daisy Pires; FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto. Revisões de Literatura. In: CAMPELLO, Bernadete Santos; CEDÓN, Beatriz Valadares; KREMES, Jeannette Marguerite (org). Fontes de Informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

QUINN, James Brian.; ANDERSON, Philip; FINKELSTEIN, Sydney. Gerenciando o intelecto professional: extraindo o máximo dos melhores. In: QUINN, James Brian.; ANDERSON, Philip; FINKELSTEIN, Sydney.Gestão do Conhecimento. Rio de Janeiro, Campus, 2000.

SCOTT, William Taussig.; MOLESKI, Martin X. Michael Polanyi: Scientist and Philosopher. Oxford: Oxford Scholarsip Online, 2005. Disponível em: < http://www.oxfordscholarship.com/view/10.1093/019517433X.001.0001/acprof-9780195174335> Acesso em: 24 mar. 2015.

SILVA FILHO, Cândido Ferreira da; SILVA, Lucas Frazão da. Da aprendizagem à Gestão do Conhecimento. In: SILVA FILHO, Cândido Ferreira da; SILVA, Lucas Frazão da. (Org). Tecnologia da Informação e Gestão do Conhecimento. Campinas, SP: Editora Alínea, 2005.

STEWART, Thomas A. A riqueza do conhecimento: o capital intelectual e aorganização do século XXI. Rio de Janeiro: Campus, 2002.

TARAPANOFF, Kira. Informação, conhecimento e inteligência em corporações: relações e complementaridade. In: TARAPANOFF, Kira (org.). Inteligência, Informação e conhecimento. Brasília: IBICT, 2006.

TEIXEIRA, Maria do Rocio. F. ; SOUZA, Diogo Onofre Gomes de. Fontes de informação em ciências: um estudo de uso a partir da metodologia de análise de redes Sociais In: Seminário Nacional de Bibliotecas Universitárias (SNBU), 17., 2012. Gramado, RS. Anais... Gramado, RS, 2012. Disponível em: < www.snbu2012.com.br/anais/pdf/4RFV.pdf>. Acesso em 02 abr.2014.

TERRA, José Cláudio Cyrineu. Gestão do Conhecimento: aspectos conceituais e estudo exploratório sobre as práticas de empresas brasileiras. In: FLEURY, Maria Tereza Leme.; OLIVEIRA JÚNIOR, Moacir de Miranda (org). Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

TOMAÉL, Maria Inês. Redes de Conhecimento. Datagramazero: Revista de Ciência da Informação. Rio de Janeiro, v.9, n.2, 2008. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/abr08/Art_04.htm> Acesso em: 02 abr.2014.

VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. Datagramazero: Revista de Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 3, n. 4, 2002. Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago02/Art_02.htm>. Acesso em: 02 maio. 2014.

WASSERMAN, Stanley; FAUST, Katherine. Social Network Analysis: methods and applications. Cambridge: Cambridge University Press, 1994.

Publicado
2016-02-01
Como Citar
Ferreira, L. J. A., Alvares, L. M. A. de R., & Martins, D. L. (2016). O conhecimento na perspectiva da construção social. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 14(1), 68-89. https://doi.org/10.20396/rdbci.v14i1.8640994