Violência contra a mulher: uma relação entre dimensões subjetivas e a produção de informação.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v15i2.8645969

Palavras-chave:

Violência contra a mulher. SINAN. Dimensões subjetivas. Produção de informação. Subnotificação.

Resumo

A violência contra a mulher é considerada uma questão social e atinge a vida de milhões de mulheres em seus diferentes espaços de atuação. Um importante mecanismo para identificar e diagnosticar incidências relativas a este fenômeno constitui-se nos sistemas de informação e comunicação do setor público, pois não só permitem o mapeamento de casos, como a construção de indicadores e certo dimensionamento do problema, possibilitando, portanto, a construção de iniciativas mais eficazes relacionadas ao seu enfrentamento. O ponto aqui a ser ressaltado, através da análise de dados secundários, leis vigentes e com base em referências sobre o tema, consiste nos tipos de dados produzidos e inseridos nestes sistemas. O aspecto que chama atenção recai sobre a influência de dimensões subjetivas derivadas de valores, crenças, significados e sentidos atribuídos à violência contra a mulher que refletem nos procedimentos de alimentação dos sistemas e no compromisso dos profissionais com os propósitos estabelecidos pelos serviços prestados. Nesse sentido, compreende-se que valores arraigados e instituídos culturalmente na sociedade refletem-se na informação produzida e em maior nível, na existência de subnotificações, como no caso do Sistema de Informações de Agravos de Notificação (SINAN), do Ministério da Saúde, constituindo-se como um dos aspectos negativos em relação à inserção de dados no sistema, remetendo a uma visão histórica e cultural marcada por concepções valorativas em relação aos padrões hierárquicos de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Mariana de Lima Campos, Fundação João Pinheiro

Mestranda em Administração Pública pela Escola de Governo Prof. Paulo Neves de Carvalho, Fundação João Pinheiro (FJP) com graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Viçosa (UFV).

Gustavo Henrique Moreira Dias Almeida, Fundação João Pinheiro

Mestrando em Administração Pública pela Escola de Governo Prof. Paulo Neves de Carvalho, Fundação João Pinheiro (FJP) com graduação em Gestão Pública pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Referências

BALBE, Ronald da Silva. Uso de tecnologias de informação e comunicação na gestão pública: exemplos no governo federal. Revista do Serviço Público. Brasília, 61, 2, p.189-209, jun, 2010. Disponível em: http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/1613. Acesso em: 18 mai. 2016.

BRASIL. Decreto nº 5.099, de 3 de junho de 2004. Regulamenta a Lei no 10.778, de 24 de novembro de 2003, e institui os serviços de referência sentinela. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, p.3, 4 jun. 2004.

BRASIL. Lei nº 10.778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida em serviços de saúde públicos ou privados. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, p. 11, 25 nov. 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância à Saúde. Instrutivo de preenchimento da ficha de notificação: investigação de violência doméstica, sexual e/ou outras violências. Brasília: SINAN NET; DASIS/CGDANT, 2009. Disponível em: http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/30_03_2012_8.40.46.6cb50967bbeb18008432b71da11ac636.pdf. Acesso em: 18 mai. 2016.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para as Mulheres. Política nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres. Brasília: Presidência da República/SPM, 2011. Disponível em: http://www.spm.gov.br/sobre/publicacoes/publicacoes/2011/politica-nacional. Acesso em 18 mai. 2016.

CAETANO, Rosângela. Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). In: BRASIL. Ministério da Saúde; Organização Pan-Americana da Saúde; Fundação

Oswaldo Cruz. A experiência brasileira em sistemas de informação em saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. v. 2. (Série B. Textos Básicos de Saúde).

CHOO, Chun Wei. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. Trad. Eliana Rocha. São Paulo: Editora Senac, 2003.

CORTES, Gisele R.; ALVES, Edvaldo C.; SILVA,Leyde K. R. Mediação da informação e violência contra mulheres: disseminando a informação estatística no Centro Estadual de Referência da Mulher Fátima Lopes. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 16.,2015, João Pessoa. Anais... João Pessoa: UFPB, 2015. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/lti/ocs/index.php/enancib2015/enancib2015

/paper/view/3028 Acesso em: 18 mai. 2016.

FARAH, Marta Ferreira Santos. Políticas Públicas e gênero. In: GODINHO, Tatau; SILVEIRA, Maria Lúcia da (Org.). Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2004.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ,Maria Nélida. Regime de informação: construção de um conceito. Inf. & Soc.: Est., João Pessoa, v.22, n.3, p. 43-60, set./dez. 2012. Disponível em: http://www.ies.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/14376/8576. Acesso em: 18 maio. 2016.

HEILBORN, Maria Luiza; ARAÚJO, Leila; BARRETO, Andreia. Gestão de políticas públicas em gênero e raça (GPP GER). In: ______. (Org.). Curso de especialização em gestão de políticas públicas com ênfase em gênero e relações etnorraciais: módulo 5. Rio de Janeiro: CEPESC; Brasília, Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2010.

KIND, Luciana. et al. Subnotificação e (in)visibilidade da violência contra mulheres na atenção primária à saúde. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 29, n. 9, p.1805-1815, set. 2013. Disponível em: http://periodicos.fiocruz.br/pt-br/publicacao/15797. Acesso em: 18 maio. 2016.

KISS, Lígia Bittencourt ; SCHRAIBER, Lilia Blima. Temas médico-sociais e a intervenção em saúde: a violência contra mulheres no discurso dos profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 3, p.1943-1952, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v16n3/28.pdf. Acesso em: 18 maio. 2016.

MELO, Cristiane Magalhães. et al. Produção da informação sobre mortalidade por causas externas:sentidos e significados no preenchimento da declaração de óbito. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 5, p.1225 -1234, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232013000500007. Acesso em: 18 maio. 2016.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. A inclusão da violência na agenda da saúde: trajetória histórica. Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, Sup., p. 1259-1267, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232006000500015>. Acesso em: 18 maio. 2016.

MENEZES, Paulo Ricardo de Macedo. et al. Enfrentamento da violência contra a mulher: articulação intersetorial e atenção integral. Saúde Soc. São Paulo, v.23, n.3, p.778-786, 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/sausoc/article/view/88565/91446. Acesso em: 18 maio. 2016.

OKABE, Irene; FONSECA, Rosa Maria Godoy Serpa da. Violência contra a mulher: contribuições e limitações do sistema de informação. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v.43, n.2 , jun. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000200027>. Acesso em: 18 maio. 2016.

PASINATO, Wânia. Oito anos de Lei Maria da Penha. Entre avanços, obstáculos e desafios. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 533-545, maio/ago. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2015000200533. Acesso em: 18 maio. 2016.

SALIBA, Orlando. et al. Responsabilidade do profissional de saúde sobre a notificação de casos de violência doméstica. Rev. Saúde Pública, v. 41, n. 3, p. 472-477, 2007.

Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-89102007000300021. Acesso em: 18 maio. 2016.

SANTOS, Ana Pereira dos. Projeto “Casa das Mulheres”: o desafio do enfrentamento à violência doméstica em redes não-especializadas. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO, 1., 2013, Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis: UFSC, 2013. Disponível em: http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1373488138_ARQUIVO_TextocompletoFazendoGenero.pdf Acesso em: 18 maio. 2016.

SCHLESINGER, Cristina Costa Barros. et al. Gestão do conhecimento na administração pública. Curitiba: Instituto Municipal de Administração Pública – IMAP, 2008. Disponível em: http://www.imap.curitiba.pr.gov.br/wp-content/uploads/Acervo/Publicacoes_Imap/Livros/2008_0001_Gestao_Conhecimento_Adm_Pub.pdf. Acesso em: 18 mai. 2016.

SCHRAIBER, Lilia Blima. et al. A violência contra mulher: demandas espontâneas e busca ativa em unidade básica de saúde. Saúde e Sociedade, v. 9, n. 1/2, p. 3-15, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902000000100002. Acesso em: 18 maio. 2016.

SCHRAIBER, Lilia Blima. et al. Violência contra mulheres entre usuárias de serviços públicos de saúde da Grande São Paulo. Rev Saúde Pública, v. 41, n.3, p. 59-67, 2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=67240160006 Acesso em: 18 maio. 2016.

SCHRAIBER, Lilia Blima; D'OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas. Violência contra as mulheres: interfaces com a saúde. Interface_Comunicação, Saúde, Educação, v.3, n.5, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v3n5/03.pdf. Acesso em: 18 maio. 2016.

SCHRAIBER, Lilia Blima. et al. Violência de gênero no campo da Saúde Coletiva: conquistas e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, n.4, p. 1019-1027, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232009000400009> Acesso em: 18 maio. 2016.

SOARES, Vera. Políticas públicas para igualdade: papel do Estado e diretrizes. In: GODINHO, Tatau; SILVEIRA, Maria Lúcia da (Org.). Políticas públicas e igualdade de gênero. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2004. p.113-126. (Cadernos da Coordenadoria Especial da Mulher, 8).

saúde.Saúde e Sociedade 9 (1/2): 3-15, 2000.

SCHRAIBER, Lilia Blima et al. Violência contra mulheres entre usuárias de serviços públicos de saúde da Grande São Paulo. Rev Saúde Pública 41(3): 59-67, 2007.

SCHRAIBER, Lilia Blima; D'OLIVEIRA, Ana Flávia Pires Lucas. Violência contra as mulheres: interfaces com a saúde. Interface_Comunicação, Saúde, Educação, v.3 , n.5, 1999.

SCHRAIBER, Lilia Blima. et al. Violência de gênero no campo da Saúde Coletiva: conquistas e desafios. Ciência & Saúde Coletiva, 14 (4): 1019-1027, 2009.

Publicado

2017-04-07

Como Citar

CAMPOS, M. de L.; ALMEIDA, G. H. M. D. Violência contra a mulher: uma relação entre dimensões subjetivas e a produção de informação. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 349-367, 2017. DOI: 10.20396/rdbci.v15i2.8645969. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8645969. Acesso em: 30 out. 2020.