Proposta de aplicabilidade da preservação digital ao prontuário eletrônico do paciente

Palavras-chave: Preservação digital. Prontuário eletrônico do paciente. Curadoria digital.

Resumo

Apresentam-se os resultados de uma pesquisa baseada na revisão de literatura sobre a preservação e a curadoria digital, bem como a possibilidade de aplicabilidade ao contexto da documentação sanitária, enquanto memória da saúde e que buscou responder a seguinte questão: Como o padrão Open Archival Information System (OAIS) pode ser aplicado aos prontuários eletrônicos do paciente, na perspectiva da preservação de conteúdos digitais, visando assegurar a confidencialidade, confiabilidade, autenticidade e acesso, a quem de direito, à informação registrada nesses documentos? O objetivo básico é estudar a literatura referente à preservação e à curadoria digital, com ênfase no padrão Open Archival Information System (OAIS), considerando sua aplicabilidade ao âmbito dos prontuários eletrônicos de pacientes, com vistas na confidencialidade, confiabilidade, autenticidade e acesso à recuperação da informação, observando-se o ordenamento jurídico concernente a esse documento. Pesquisa exploratória pautada no levantamento do estado da arte sobre o tema em lide. O corpus do estudo foi constituído de 01 prontuário (5 volumes) da especialidade da nefrologia, com recorte no ano de 1970. O estudo empírico foi no Serviço de Arquivo Médico e Estatística, do Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará. Os achados evidenciam que, embora já existam várias iniciativas sobre a preservação digital da documentação cientifica tecnológica e cultural, não encontramos experiências sobre prontuários. Ademais, o modelo OAIS pode ser aplicado ao contexto do prontuário eletrônico do paciente desde que observadas as características particulares de legalidade de acesso a esses documentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Virginia Bentes Pinto, Universidade Federal do Ceará
Professora Associada III da Universidade Federal do Ceará-UFC e Ex-Coordenadora do DINTER/UNESP/UFC.
Odete Máyra Mesquita Sales, Universidade Federal do Ceará
Mestra em Ciência da Informação pela UFPB. Professora Assistente do Departamento de Ciências da Informação da Universidade Federal do Ceará (UFC)

Referências

BENTES PINTO, V. Indexação documentária: uma forma de representação do conhecimento registrado. Perspect.Cienc. Inf., Belo Horizonte, v. 6, n. 2, p. 223-234, jul./ dez. 2001.

BENTES PINTO, V. A contribuição da terminologia para a gestão da documentação sanitária em organizações de saúde. In: MEDINFOR, 2014. (No prelo)

BOJANOSKI, Silvana. Estudo sobre condições de preservação dos acervos documentais brasileiros. Arquivo & Administração, Rio de Janeiro, v. 2, n.1/2, p. 35-78, jan./dez.1999.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituiçao.htm.

Acesso em: 26 maio 2015.

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGENM. Resolução nº 311, de 8 fev. 2009. Disponível em: http://www.portalcofen.gov.br/2007/materias.aspArticleID=7323&sectionID=37. Acesso em 10 jun. 2013

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução n°. 1.638 de 10 de Julho de 2002. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 10 jul. 2002. Seção 1, p. 124-5.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos. Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital: preservar para garantir o acesso. Brasília: CONARQ, 2009. Disponível em: http://www.conarq.arquivonacional.gov.br/media/carta.pdf.. Acesso em: 26 jan. 2015.

BULLOCK, A. Preservation of digital information: issues and current status. Ottawa: National Library of Canada, april 22, 1999. Last updated on feb. 27, 2001. Disponível em: http://www.collectionscanada.gc.ca/9/1/p1-259-e.html. Acesso em: 20 dez. 2014.

CASABONA, et al. Aspectos jurídicos de los datos de salud y de los datos genéticos. In: CASABONA, et al. La ética y el derecho ante la biomedicina del futuro. Bilbao: Universidad de Duesto, 2006.

CCSDS. Reference Model for an Open Archival Information System (OAIS). Washington: Magenta books, 2012. Disponível em: http://public.ccsds.org/publications/archive/650x0m2.pdf. Acesso em: 14 jul. 2015.

DERRIDA, J. Mal d’Archive: une impression freudienne. Paris: Galilée, 1995.

GEIDCESP. Documento final del Grupo de Expertos en Información y Documentación Clínica, actualizado en 23/01/2001. Disponível em: http://www.medynet.com/usuarios/jraguilar/documentacionclinica.htm. Acesso em: 12 de fev. 2015.

HEDSTROM, M. Preservação Digital. Argumentos e requerimentos em RGL de Instituições Membros. Disponível em: http://www.oclc.org/home.en.html. Acesso em: 10 jan.2015

INNARELLI, H. C. Os dez mandamentos da preservação digital. In: SANTOS, V. B.; INNARELLI, H. C.; SOUSA, T. R. B. Arquivística: temas contemporâneos. Brasília: SENAC, 2007.

KRUPPA, S.M.P. Sociologia da Educação. São Paulo: Cortez, 1994

MÁRDERO ARELLANO, M. A. Critérios para a preservação digital da informação científica. Tese (doutorado) – Universidade de Brasília, Departamento de Ciência da Informação, 2008. Disponível em: http://bdtd.bce.unb.br/tedesimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=4547. Acesso em: 20 mar. 2015.

SILVA, S. C. A. Algumas reflexões sobre preservação de acervos em arquivos e bibliotecas. Rio de Janeiro: Centro de Memória da Academia Brasileira de Letras, 1998. Disponível em: http://www.arqsp.org.br/cpba/cadtec/comtec_sas1.htm. Acesso em: 21 jul. 2015.

SOUZA, A. H. L. R et. al. O modelo de referência OAIS e a preservação digital distribuída. Ci. Inf., Brasília, DF, v. 41 n. 1, p.65-73, jan./abr., 2012.

TAVARES, M. F. D. Preservação digital: entre a memória e a história. Ci. Inf., Brasília, DF, v. 41 n. 1, p.9-21, jan./abr., 2012.

NASA/ CCSDS. REFERENCE Model for an Open Archival Information System (OAIS). CCSDS 650.-B-1. Blue Book. Issue 1. Washington D.C. January 2002. Disponível em http://public.ccsds.org/documents/pdf/CCSDS-650.0-B-1.pdf. Acesso em: 20 jan.2014.

TÉRMENS, M. Preservación digital. Barcelona: Editorial UOC, 2013.

UNESCO. Some aspects of UNESCO 's role with respect to bibliographic control

-1965. Paris: UNESCO, 1967

UNESCO. Guidelines for the preservation of digital heritage. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001300/130071e.pdf. Acesso em: 14 jan. 2015.

WATERS, D.; GARRETT, J. Preserving Digital Information: Report of the Task Force on Archiving of Digital Information commissioned by the Commission on Preservation and Access and the Research Libraries Group. Washington, DC: Commission on Preservation and Access. 1996.

WORKING GROUP ON PRESERVATION METADATA - PMWG. Preservation metadata for digital objects: a review of the state of the art. [S.l.]: Online Computer Library Center - OCLC, jan. 31, 2001. Disponível em: http://www.oclc.org/content/dam/research/activities/pmwg/presmeta_wp.pdf. Acesso em: 6 dez. 2014.

Publicado
2017-04-07
Como Citar
Pinto, V. B., & Sales, O. M. M. (2017). Proposta de aplicabilidade da preservação digital ao prontuário eletrônico do paciente. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 15(2), 489-507. https://doi.org/10.20396/rdbci.v15i2.8646311

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)