As percepções e práticas de publicação em acesso aberto dos pesquisadores de dois programas de pós-graduação em engenharia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v15i2.8646398

Palavras-chave:

Acesso à informação. Bases de dados de texto completo. Publicação. Pesquisador.

Resumo

Apresenta os resultados de um estudo que buscou conhecer as práticas e percepções de pesquisadores credenciados em dois programas de pós-graduação em engenharia avaliados com nota sete pela CAPES, em relação à publicação em canais de acesso aberto comparado com aqueles restritos, de assinatura.  Foi usada uma abordagem metodológica mista. Dados de publicação referentes ao período 2008 a 2012 foram levantados e tabulados dos currículos Lattes dos pesquisadores usando os softwares ScriptLattes e VantagePoint respectivamente. Os 212 títulos de revistas científicas e os 561 artigos identificados dessa fase foram daí pesquisados em outras plataformas como o SciELO, DOAJ, SHERPA/ROMEO, Google Acadêmico e o próprio Repositório Institucional da instituição dos programas de pós-graduação para verificar a proporção de artigos publicados disponível em acesso aberto. Concomitantemente a esses levantamentos quantitativos, foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 11 dos pesquisadores dos dois programas para identificar suas percepções em relação à publicação em geral e especificamente em acesso aberto, e em repositórios abertos. Dos dados quantitativos levantados, foi verificado que apenas 25,8% dos artigos publicados do primeiro programa de pós e 23,3% do segundo são disponíveis em acesso aberto. No entanto, nas entrevistas, a maioria dos autores apoia o acesso aberto, embora manifestem pouco conhecimento sobre a via verde, ou os repositórios abertos, incluindo aquele da sua própria instituição, como também desconhecem o caminho complementar de se publicar primeiramente em revistas de alto impacto com o posterior arquivamento do mesmo artigo no repositório, no término do eventual tempo de embargo da editora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Ariadne Chloe Furnival, Universidade Federal de São Carlos

Professora Associada do Depto. de Ciência da Informação na área de Disseminação de Informação e Usos e Usuários.

Daniel Andre Rigo Guirra, Universidade Federal de São Carlos

Mestrando no Programa de pós-graduação Ciência, Tecnologia e Sociedade

Referências

ARCHAMBAULT, Éric; CÔTÉ, Grégoire; STRUCK, Brooke; VOORONS, Matthieu. Research impact of paywalled versus open access papers. Disponível em: http://www.1science.com/oanumbr.html Acesso em: 24 ago. 2016.

BAILEY, Charles William Jr. What is open access? In: JACOBS, N. Open access: key strategic, technical and economic aspects. Oxford: Chandos, 2006. p. 13-26.

BUTLER, Declan. The dark side of publishing. Nature, v. 495, n. 7442, p. 433-435, 2013.

CAPES. Histórico. Disponível em: https://www.periodicos.capes.gov.br/?option=com_pcontent&view=pcontent&alias=historico&mn=69&smn=87. Acesso em: 09 abr. 2017.

CRESWELL, John. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. Porto Alegre: Artmed, 2010.

GARFIELD, Eugene. Citation indexes to science: a new dimension in documentation through association of ideas. International Journal of Epidemiology, v. 35, n. 5, p. 1123-1127, 2006.

GUEDON, Jean Claude. Open access: a symptom and a promise. In: JACOBS, N. Open access: key strategic, technical and economic aspects. Oxford: Chandos, p. 27-38, 2006

HARNAD, Stevan; BRODY, Tim. Comparing the impact of Open Access (OA) vs. Non-OA Articles in the same journals. D-Lib Magazine, v. 10, n. 4, 2004.

HARNAD, Stevan. Optimizing open access policy. The Serials Librarian, v. 69, n. 2, p.133-141, 2015. Disponível em: http://eprints.soton.ac.uk/381526/ . Acesso em: 24 out. 2016.

HARNAD, Stevan. Opening access by overcoming Zeno´s paralysis. In: JACOBS, N. Open access: key strategic, technical and economic aspects. Oxford: Chandos, 2006. p. 73-98.

MENA-CHALCO, Jesus Pascual; CESAR JUNIOR, Roberto Marcondes. ScriptLattes: an open-source knowledge extraction system from the Lattes platform. Journal of the Brazilian Computer Society, v.15, n.4, p.31-39, 2009.

MOORE, Gale. Survey of University of Toronto Faculty awareness, attitudes and practises regarding schloarly communication: a preliminary report. Toronto: University of Toronto, 2011. Disponível em: https://tspace.library.utoronto.ca/handle/1807/26446 . Acesso em: 15 set. 2014.

PACKER, Abel. The SciELO open access: a gold way from the South. Canadian Journal of Higher Education, v. 39, n. 3, p. 111-126, 2009.

PARK, Ji-Hong; QIN, Jian. Exploring the willingness of scholars to accept open access: a grounded theory approach. Journal of Scholarly Publishing, v. 38, n. 2, jan. 2007. p. 55-84.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social. Métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2012.

SHERPA-RoMEO. Disponível em: http://www.sherpa.ac.uk/ . Acesso em: 08 maio 2016.

SWAN, Alma. The culture of open access: researchers´ views and responses. In: JACOBS, N. Open access: key strategic, technical and economic aspects. Oxford: Chandos, 2006. p. 65-72.

SUBER, Peter. Open access. Massachusetts: MIT Press, 2012.

THOMPSON REUTERS. Journal Citation Reports. Atualizado em 2012. Disponível em: http://admin-apps.webofknowledge.com/JCR/help/h_impfact.htm . Acesso em: 12 maio 2016.

WILLINSKY, John. The access principle. The case for open access to research and scholarship. Cambridge, Mass.: MIT Press, 2006.

ZUCCALA, Alisia. Open access and civic scientific information literacy. Information Research: An International Electronic Journal, v. 15, n. 1, 2010.

Publicado

2017-04-12

Como Citar

FURNIVAL, A. C.; GUIRRA, D. A. R. As percepções e práticas de publicação em acesso aberto dos pesquisadores de dois programas de pós-graduação em engenharia. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 469–488, 2017. DOI: 10.20396/rdbci.v15i2.8646398. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8646398. Acesso em: 28 nov. 2021.