Práticas leitoras e informacionais nas bibliotecas comunitárias em rede da Releitura - PE

Palavras-chave: Biblioteca comunitária. Leitura. Informação. Releitura –PE.

Resumo

Analisa as práticas leitoras e informacionais existentes em quatro bibliotecas comunitárias da Releitura-PE, a partir de dois pilares: das ações que ela realiza e das condutas/vivências/sentimentos dos sujeitos envolvidos com essas bibliotecas. Utiliza como embasamento teórico uma reflexão que busca discutir o conceito de leitura de maneira ampla, bem como sua relação com os conceitos de mediação e apropriação da informação e esboça considerações sobre o conceito de informação e suas implicações com as práticas informacionais. Realiza ainda explanação conceitual sobre bibliotecas comunitárias, buscando compreender as singularidades dessa tipologia de bibliotecas, bem como apresenta a Releitura. Do ponto de vista metodológico, realiza um estudo de caráter bibliográfico aliado a uma investigação empírica de coleta de informações acerca das bibliotecas comunitárias e coleta de depoimentos dos sujeitos que fazem parte dessas bibliotecas, tais como gestores, mediadores de leitura e interagentes, por meio de entrevistas semiestruturadas, as quais foram analisadas e categorizadas por meio da técnica de Análise de Conteúdo. Conclui que as práticas leitoras e informacionais dos sujeitos são múltiplas e se revelam tanto individualmente, nas maneiras de ler e de se informar, como coletivamente, nas seguintes práticas: gestão, organização e incidência política; formação e capacitação da equipe; comunicação e divulgação das ações; mediação de leitura e ações culturais; articulação com entidades locais e interação com a biblioteca. A biblioteca, por sua vez, foi considerada um espaço vivo, local de convivência, leitura, aprendizado e lazer, além de um instrumento de politização e desenvolvimento da cidadania e da autonomia dos sujeitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana de Souza Alves, Universidade Federal de Pernambuco
Graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Pernambuco (2014). Bibliotecária do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de
Pernambuco, IFPE. Mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Pernambuco, UFPE.
Anna Elizabeth Galvão Coutinho Correia, Universidade Federal de Pernambuco
Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Pernambuco (1988), mestrado em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006), e doutorado em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2012). Atualmente é professora Adjunto 2 da Universidade Federal de Pernambuco, atuando na graduação em Biblioteconomia, e no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Participa dos grupos de pesquisa SCIENTIA e Organização e Representação do Conhecimento. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Processos de Disseminação da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: acesso à informação, organização de arquivo, bibliometria, cientometria, tratamento da informação, Política de Ciência, Tecnologia e Inovação. 
Diego Andres Salcedo, Universidade Federal de Pernambuco
O conteúdo deste currículo acadêmico não representa o meu potencial de aprendizagem ou devir intelectivo, muito menos as minhas experiências afetivas, estas sim, profícuas contribuidoras para a minha vida e o meu amadurecimento. Aquilo que consta deste perfil apresenta, publica e unicamente por conta da obrigatoriedade institucionalizada, um conjunto de dados com sentidos reduzidos. Caro leitor, ao ler este conteúdo e inferir sobre os meus limites, necessariamente, é a sua escolha do que quer ver. Aproveite e acesse o Grupo de CoPesquisa IMAGO e Humanidades Digitais neste link: (https://www.facebook.com/imagoufpe). Meu ORCID é: (http://orcid.org/0000-0002-5936-279X). Acesse livremente minha (e co-autores), produção de livros e artigos aqui: (https://ufpe.academia.edu/DiegoSalcedo). Acesse artigos, livros, projetos e fotos, gratuitamente, sobre Ciência, Selos Postais e Cultura Visual aqui: (https://diegosalcedo.wordpress.com/). Veja citações no google acadêmico aqui: (https://goo.gl/5Zz5Jy). 

Referências

ALMEIDA, M. A. A informação, seus personagens e histórias. InCID: R. Ci. Inf. e Doc., Ribeirão Preto, v. 6, n. 1, p. 116-119, mar./ago. 2015. Resenha de: GLEICK, James. A informação: uma história, uma teoria, uma enxurrada. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Competência em Informação: algumas considerações críticas. 2016. Disponível em: < http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=966>. Acesso em: 15 jan. 2017.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Bibliotecas públicas e alternativas: bibliografia comentada. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 26, n.1/2, p.115-127, jan./jun.1993. Disponível em: < http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2011/10/pdf_a725a4bdc0_0019248.pdf>. Acesso em: 06 jun. 2015.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Leitura, mediação e apropriação da informação. In: SANTOS, J.P. (Org.). A leitura como prática pedagógica na formação do profissional da informação. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 2007. p. 33-45.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F. Mediação da Informação e Múltiplas Linguagens. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 2, p. 89-103, 2009.

ALMEIDA JÚNIOR, O. F.; BORTOLIN, S. Mediação da informação e da leitura. In: SILVA, T. E. (Org.). Interdisciplinaridade e transversalidade em Ciência da Informação.Nectar, Recife, v. 1, p. 67-86, 2008.

ARAÚJO, C. A. A. Teoria matemática da comunicação e a questão da interdisciplinaridade. Revista Cesumar Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, v.16, n. 2, p. 545-570, set./dez. 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2008.

BARRETO, A. A. A condição da informação. São Paulo em Perspectiva, v. 16, n. 3, p. 67-74, 2002.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 36. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

BUCKLAND, M. Information as thing. Journal of the American Society of Information Science, v. 42, n. 5, p. 351-360, 1991.

CÂNDIDO, A. Direito à Literatura. In: LIMA, A. de et al. O direito à literatura. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012. p. 17-40.

CAPURRO, R. Epistemologia e ciência da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5, 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, MG: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 2003. 1 CD-ROM.

CAPURRO, R.; HJØRLAND, B. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 12, n. 1, p. 148-207, jan./abr. 2007.

COSSON, R. Círculos e leitura e letramento literário. São Paulo: Contexto, 2014.

CUNHA, M. B.; AMARAL, S. A.; DANTAS, E. B. Manual de estudo de usuários da informação. São Paulo: Atlas, 2015.

FERNANDEZ, M. A. A.; MACHADO, E. Bibliotecas públicas: um equipamento cultural para o desenvolvimento local: guia político-pedagógico para ampliação do número de bibliotecas públicas no Brasil. Recife: Centro de Desenvolvimento e Cidadania, 2016.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GUARALDO, T. S. B. Práticas de informação e leitura: a mediação leitor e jornal na leitura diária. 2012. 240f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, 2012.

MACHADO, E. C. Bibliotecas comunitárias como prática social no Brasil. 2008. 184f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade de São Paulo, 2008.

MARTINS, M. H. O que é leitura. São Paulo: Brasiliense, 1997.

NEITZEL, A. A; BRIDON, J.; WEISS, C. S. Mediações em leitura: encontros na sala de aula. Rev. bras. Estud. pedagog., Brasília, v. 97, n. 246, p. 305-322, mai./ago. 2016.

PETIT, M. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. São Paulo: Editora 34, 2008.

RELEITURA BIBLIOTECAS EM REDE: fortalecendo conexões leitoras. Projeto submetido ao Prêmio Viva Leitura. Recife, 2014. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2016.

RELEITURA. Bibliotecas comunitárias em rede: para tecer os futuros nas teias da literatura e da criatividade. [2013]. 1 folder. Apoio Instituto C&A, Centro de Estudos em Educação e Linguagem e Centro de Cultura Luiz Freire.

RITER, C. A formação do leitor literário em casa e na escola. São Paulo: Biruta, 2009.

SAVOLAINEN, R. Information behavior and information practice: reviewing the “umbrella concepts” of information-seeking studies. Library Quarterly, v. 77, n. 2, p. 109-132, 2007.

SAVOLAINEN, R. Everyday information practices: a social phenomenological perspective. Lanham, MD: Scarecrow Press, 2008.

SILVA, A.; NUNES, J. Práticas informacionais como paradigma: por uma teoria social da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 15, 2013, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, MG: ECI, UFMG. 1 CD-ROM.

WERSIG, Gernot; NEVELING, Ulrich.Os fenômenos de interesse para a ciência da informação. Texto publicado originalmente em inglês no Periódico Information Scientist, v.9, n.4, p.127-140, dec., 1975. Disponível em: < http://www.alvarestech.com/lillian/GestaoDaInformacao/Rogerio/WersigNeveling.pdf>. Acesso em: 23 jan. 2016.

Publicado
2017-11-06
Como Citar
Alves, M. de S., Correia, A. E. G. C., & Salcedo, D. A. (2017). Práticas leitoras e informacionais nas bibliotecas comunitárias em rede da Releitura - PE. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 16(1), 211-237. https://doi.org/10.20396/rdbci.v16i1.8650064