O imaginário do arquivo em divertida mente

o papel dos agentes de memória na construção do ser informacional

Palavras-chave: Arquivista, Documento arquivístico, Memória.

Resumo

Objetiva discutir o contexto das instituições arquivísticas e o papel dos profissionais de arquivo na atualidade. Demonstrar como o paradigma da informação tem redimensionado não apenas as atividades dos arquivistas, mas também os usos e usuários do documento arquivístico. Para tanto, buscamos traçar um paralelo com o filme Divertida Mente (2015) que conta a história de Riley, uma menina de 11 anos, que vive em conflito, consigo e com seus pais, após se mudar de sua cidade natal. O filme é protagonizado pelas emoções, Alegria, Tristeza, Medo, Nojinho e Raiva, responsáveis por conferir à menina suas características de comportamento e também pelo armazenamento e tratamento de suas memórias. Nesse sentido, é possível apreender através do filme a ideia da mente como uma instituição arquivística, e das emoções como profissionais de arquivo responsáveis pela acumulação, seleção, armazenamento e descarte das memórias da personagem. Temos nessa realidade imaginada através do filme, as memórias de Riley como documentos arquivísticos fundamentais na constituição da identidade da personagem e na sua interação com os grupos sociais dos quais faz parte. Assim, podemos dizer que as instituições arquivísticas são ambientes orgânicos, em transformação e fortemente marcados pela atuação dos arquivistas, vistos como agentes de memória fundamentais na formação das identidades. Essa representação vai de encontro a algumas das principais características cristalizadas na área, como a naturalidade dos documentos e a imparcialidade dos profissionais de arquivo. Por fim, também redimensiona o documento arquivístico que passa a ter seu horizonte traçado pela noção de informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Thayron Rodrigues Rangel, Arquivo Nacional

Doutorando do Programa de Ciência da Informação da Universidade Federal Fluminense. Especialista Técnico da Coordenação-Geral de Gestão de Documentos do Arquivo Nacional.

André Januário da Silva, Conselho Regional de Química - 3ª Região

Mestre em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Analista de Documentação - arquivista do Conselho Regional de Química - 3ª Região.

Referências

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

BRASIL. Ministério da Justiça. Arquivo Nacional. Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro, 2004a. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/images/pdf/Dicion_Term_Arquiv.pdf . Acesso em: 12 jan. 2018.

BUCKLAND, Michael K. Information as thing. Journal of the American Society for Information Science (JASIS), v.45, n.5, p.351-360, 1991. Tradução livre de Luciane Artencio. Disponível em: http://www.uff.br/ppgci/editais/bucklandcomocoisa.pdf. Acesso em: 10 dez. 2017.

COOK, Terry; SCHWARTZ, Joan M. Archives, records, and power: the making of modern memory. In: Archival Science. v.2, n.1-2, p.1-19, 2002. Disponível em português em: http://www.promemoria.indaiatuba.sp.gov.br/arquivos/galerias/registro_3.pdf. Acesso em: 17 fev. 2018.

DURANTI, Luciana. Registros documentais contemporâneos como provas de ação. Estudos históricos, Rio de Janeiro, vol. 7, n. 13, 1994a, p. 49-64. Disponível em: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/issue/view/279. Acesso: 10 abr. 2018.

EASTWOOD, Terry. Publicado Services Educativo for Archivists. Reference Librarian, n.56, p.27-38. 1997.

FONSECA, Maria Odila. Arquivologia e Ciência da Informação. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

HEREDIA HERRERA, Antonia. Archivística General. Teoría y práctica. Sevilla. Diputación Provincial de Sevilla, 1991.

IMDB. Disponível em: https://www.imdb.com/title/tt2096673/ (Internet Movie Data Base). Acesso em: 21 abr. 2018.

INDOLFO, Ana Celeste. Dimensões político-arquivísticas da avaliação de documentos na administração pública federal (2004-2012). Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, convênio entre o Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia e a Universidade Federal do Rio de Janeiro/Escola de Comunicação. Rio de Janeiro: IBICT, 2013. Disponível em: http://ridi.ibict.br/bitstream/123456789/893/1/Tese%20Ana%20Celeste.pdf. Acesso em: 23 dez. 2017.

JARDIM, José Maria. Transparência e opacidade do Estado no Brasil: usos e desusos da informação governamental. Niterói, RJ: Eduff, 1999. 239 p.

JARDIM, José Maria. A pesquisa como fator institucionalizante da Arquivologia enquanto campo científico no Brasil. In: Anais da I reunião brasileira de ensino de Arquivologia. Brasília: Universidade de Brasília, 2010. v. 1. p.1-11.

JARDIM, José Maria. A pesquisa em Arquivologia: um cenário em construção. In: VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Estudos avançados em Arquivologia. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012. p. 135-154.

MARQUES, Angélica Alves da Cunha. Interlocuções entre a Arquivologia nacional e a internacional no delineamento da disciplina no Brasil. Brasília, 2011. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Programa de Pós-Graduação m Ciência da Informação/UnB.

MATTELART, Armand. História da sociedade da informação. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Tradução de Yara Aun Khoury. In: Revista do Programa de Estudos Pós-graduados em História do Departamento de História da PUC-SP. São Paulo, n.10, p. 7-28, dez. 1993.

OLIVEIRA, Magali Araújo Damasceno de; ALVES, Márcia Valéria; MAIA, Maria Aniolly Queiroz. A função social do profissional da informação numa biblioteca inclusiva. In: Anais do Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação, v. 5, 2013. Disponível em: https://www.portal.febab.org.br/anais/article/view/1600. Acesso em: 08 mar. 2018.

PANISSET, Bianca Therezinha Carvalho. ASSIS, João Marcus Figueiredo. A atuação do arquivista entre o dever de memória e o desejo de Arquivo. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro, n.10, 2016, p.81-89. Disponível em: http://wpro.rio.rj.gov.br/revistaagcrj/wp-content/uploads/2016/11/e10_a04.pdf . Acesso em 19 abr. 2018.

RONDINELLI, Rosely Curi. O documento arquivístico ante a realidade digital: uma revisão necessária. Rio de Janeiro: FGV, 2013.

SILVA, Eliezer Pires. A noção de informação arquivística na produção de conhecimento em arquivologia no Brasil (1996-2006). Niterói, 2009. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal Fluminense/ Instituto Brasileiro em Informação Científica e Tecnológica.

SILVA, Sérgio Conde de Albite. A Preservação da Informação Arquivística Governamental nas Políticas Públicas do Brasil. Rio de Janeiro: AAB/FAPERJ, 2008.

THOMASSEN, Theo. The Development of Archival Science and its European Dimension. Seminar for Anna Christina Ulfsparre.

Publicado
2019-01-04
Como Citar
Rangel, T. R., & Silva, A. J. da. (2019). O imaginário do arquivo em divertida mente. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 17, e019008. https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8652489