Biblioteca universitária

análise de riscos

Palavras-chave: Bibliotecas - Coleções especiais, Segurança de bibliotecas, Bibliotecas - Prédios e instalações

Resumo

Neste trabalho, destacamos os conceitos de o risco, o perigo e vulnerabilidade no cenário da Biblioteca Central Santa Mônica (BCMON), cujo objetivo principal é analisar os riscos que esse espaço pode representar a seus frequentadores, patrimônio e memória histórica. Neste sentido, a BCMON foi selecionada, dentre outras, por ser a principal e mais antiga biblioteca da Universidade Federal de Uberlândia (UFU). Para tanto, a metodologia utilizada teve abordagem qualitativa, com natureza exploratória. Ainda, selecionamos como base referencial a obra de Spinelli e Pedersoli Jr. - Biblioteca Nacional: plano de gerenciamento de riscos: salvaguarda & emergência -, o Relatório de Inspeção de Segurança (RIS 25/2013), instruções técnicas do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, o Relatório de Inspeção Visual Preliminar e publicações do Projeto de Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos. A partir disso realizamos um levantamento mediante observação da estrutura física, além de mobiliários e equipamentos que compõem a biblioteca. Assim notamos o quão vulneráveis estão o edifício, o acervo sob sua guarda e aqueles que transitam por esse local. Dentre os 10 agentes estabelecidos por Spinelli e Pedersoli Jr. que caracterizam e definem as tipologias de riscos, o estudo detectou que a BCMON possui 7 deles. Uma ação necessária seria a construção de um mapa de risco e investimento em ações de prevenção e combate a incêndio, entre outros que venham minimizar o perigo, a crise e por final o dano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Kelma Patrícia Souza, Universidade Federal de Uberlândia

Possui graduação em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade de Formiga (1999). Especializada em Biblioteconomia pela Faculdades Integradas de Jacarepaguá (2009). Mestranda em Ciências Ambientais na Universidade Brasil. Bibliotecária da Universidade Federal de Uberlândia-MG. Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Biblioteconomia, atuando principalmente nos seguintes temas: bibliotecas – serviço de aquisição, gestão da inovação, bibliotecas – automação.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9077: saídas de emergência em indivíduos. Rio de Janeiro: ABNT, 2001.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Desenvolvimento, progresso e crescimento econômico. Lua Nova, São Paulo, v. 93, p. 33–60, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ln/n93/03.pdf. Acesso em 5 maio 2018.

CASTO, C. Biblioteca como lugar de memória e eco de conhecimento: um olhar sobre “O Nome da Rosa”. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 4, n. esp., p. 1-20, 2006. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/2026/2148. Acesso em: 22 jun. 2018.

DIAS, M. M. K.; PIRES, D. Formação e desenvolvimento de coleções e serviços de informação. São Carlos: EdUSFCar, 2003.

MINAS GERAIS. Corpo de Bombeiros. IT-09: carga de incêndio nas edificações e áreas de risco. Belo Horizonte: CBPMMG, 2017a. Disponível em: http://www.bombeiros.mg.gov.br/images/stories/dat/it/it%2009.pdf. Acesso em: 20 abr. 2018.

MINAS GERAIS. Corpo de Bombeiros Militar. Instrução Técnicas nº 16: sistema de proteção por extintores de incêndio. 3. ed. Belo Horizonte: BMMG, 2017b. Disponível em: http://www.bombeiros.mg.gov.br/images/stories/dat/it/it_16_alterada_pela_portaria_30_2017.pdf. Acesso em: 15 maio 2018.

OGDEN, S. (Ed.). Meio ambiente. 2. ed. Rio de Janeiro: Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, 2001. Disponível em: http://www.arquivonacional.gov.br/images/virtuemart/product/Meio%20Ambiente.pdf. Acesso em: 4 maio 2018.

RELLY, J. M.; NISHIMURA, D. W.; ZINN, E. Novas ferramentas para preservação: avaliando os efeitos ambientais a longo prazo sobre coleções de bibliotecas e arquivos. 2. ed. Rio de Janeiro: Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, 2001. Disponível em: http://arqsp.org.br/wp-content/uploads/2017/08/19.pdf. Acesso em: 4 maio 2018.

SILVEIRA, F. J. N. Biblioteca, memória e identidade social. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 15, n. 3, p. 67-86, set./dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v15n3/05.pdf. Acesso em: 26 jun. 2018.

SPINELLI JUNIOR, J. A conservação de acervos bibliográficos & documentais. Rio de Janeiro: Fundação Biblioteca Nacional, 1997. Disponível em: http://planorweb.bn.br/documentos/ConservacaoAervosBibliograficosDocumentais.pdf. Acesso em: 26 jun. 2018.

UBERLÂNDIA (MG). Prefeitura. Inventário de proteção do acervo cultural: estruturas arquitetônicas e urbanísticas. Uberlândia, 2007. Disponível em: http://www.uberlandia.mg.gov.br/uploads/cms_b_arquivos/5498.pdf. Acesso em: 10 abr. 2018.

VEYRET, Y.; RICHEMOND, N. M. O risco, os riscos. In: VEYRET, Y. (Org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007. p. 23-24.

VEYRET, Y.; RICHEMOND, N. M. Os tipos de risco. In: VEYRET, Y. (Org.). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 2007. p. 63-80.

Publicado
2019-11-27
Como Citar
Souza, K. P. (2019). Biblioteca universitária. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 17, e019037. https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8653319