Banner Portal
Aproximações conceituais entre informação, tecnologia e inovação no contexto das startups
PORTUGUÊS
ENGLISH

Palavras-chave

Interdisciplinaridade
Ciência da Informação
Startups
Epistemologia em Ciência da Informação

Como Citar

SENA, Priscila Machado Borges; VIANNA, William Barbosa; BLATTMANN, Ursula. Aproximações conceituais entre informação, tecnologia e inovação no contexto das startups: desafios interdisciplinares para Ciência da Informação. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 17, p. e019002, 2019. DOI: 10.20396/rdbci.v17i0.8653356. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8653356. Acesso em: 25 jul. 2024.

Resumo

Objetiva-se neste estudo evidenciar aproximações conceituais de abordagens que associem informação, tecnologia, empreendedorismo e inovação com potencial de promover o desenvolvimento científico interdisciplinar. Justifica-se pelas demandas do ambiente das startups envolvidas em atividades diretamente relacionadas ao fluxo de informações internas e externas. Caracteriza-se o estudo como uma pesquisa exploratória, descritiva e analítica, com uso do método SystematicSearchFlow (SSF) e busca realizada na Web of Science e Scopus, em maio de 2018. Como resultado obteve-se um portfólio relevante de 20 artigos categorizados à luz dos modelos dominantes de estudo da informação propostos por Araújo (2014). Verificou-se que o entrelaçamento conceitual do tema “informação, tecnologia e inovação” encontra-se presente também em outras áreas do conhecimento, o que permite a expansão do conhecimento sobre o assunto. Considera-se que futuros estudos poderão abordar como e quanto os paradigmas descrevem, e são ou não suficientes na produção e gestão da informação nos novos ambientes caracterizados pelas startups em ambientes específicos, bem como na literatura cinzenta.

https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8653356
PORTUGUÊS
ENGLISH

Referências

AGRAWAL, A. et al. Are Syndicates the Killer App of Equity Crowdfunding?. California Management Review. 2015. Disponível em: http://cmr.ucpress.edu/content/58/2/111. Acesso em: 24 ago. 2016.

ARAÚJO, C. A. A. Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: o diálogo possível. Brasília, DF: Briquet de Lemos. São Paulo: Associação Brasileira de Profissionais da Informação (ABRAINFO), 2014.

BAGGIO, A. F.; BAGGIO, D. K. Empreendedorismo: conceitos e definições. Revista de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, v.1, n. 1, p. 25-38, 2014. Disponível em: https://seer.imed.edu.br/index.php/revistasi/article/download/612/522. Acesso em: 1 jul. 2016.

BLATTMANN, U.; FRAGOSO, G.M. Emoção em tecnologia da informação e da comunicação. In: BLATTMANN, U.; FRAGOSO, G.M.(Org.). O zapear a informação em bibliotecas e na Internet. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

BORKO, H. Information Science: what is it? American Documentation, v.19, n.1, p.3-5, Jan. 1968.

CESTYAKARA, A. et al. Social media adoption model for smart entrepreneur. 2013 International Conference on Ict for Smart Society (Iciss): Think Ecosystem Act Convergence. 2013. Disponível em: ://WOS:000332483900029. Acesso em: 24 ago. 2016.

CHOO, Y.; KIM, J. Interplay of entrepreneur, government, and industry in the development of ventures: the case of emerging IT industry in Korea. Eurasip Journal on Wireless Communications and Networking, v. 49, 2013. Disponível em: https://goo.gl/QIGxVG. Acesso em: 24 ago. 2016.

COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração. 2. ed. São Paulo: Ed. Bookman, 2005.

CUPANI, A. Filosofia da tecnologia: um convite. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2013.

ELSEVIER. Scopus. 2016. Disponível em: https://goo.gl/bpOQVg. Acesso em: 24 ago. 2016.

FERENHOF, H. A.; FERNANDES, R. F. Desmistificando a revisão de literatura como base para redação científica: método SSF. Revista ACB, v. 21, n. 3, p. 550-563, ago./nov. 2016. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1194/pdf. Acesso em: 23 dez. 2016.

FERRÉ, F. Philosophy of technology. (orig.1988). Athens-London: the university of Georgia Press, 1995. Cap. 1 a 4.

FRANCELIN, M. M.; PELLEGATTI, C. Filosofia da informação: reflexos e reflexões. Transinformação, Campinas, v. 16, n. 2, p. 123-132, maio/ago. 2004.

FROLUND, C. et al. Study for strengthening the ICT DIY ecosystem. 5th International Conference on Information and Communication Technology Convergence, ICTC. 2014. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84920183546&partnerID=40&md5=92c68a6f81ec5bd2acb3e8f1fe2d7f33. Acesso em: 24 ago. 2016.

GAUR, A. et al. Together we will find a 'Jugaad': resource bricolage in the indian mobile payments sector. 20th Americas Conference on Information Systems, AMCIS, 2014. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84905993509&partnerID=40&md5=3b37d4becd95c4d105a9bad74939ef89. Acesso em: 24 ago. 2016.

GIMENEZ, F. A. P.; FERREIRA, J. M.; RAMOS, S. C. Configuração empreendedora ou configurações empreendedoras? Indo um pouco além de Mintzberg. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO (ENANPAD), 32, 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008. p.1.

GIHATY, Y. O que é uma startup? São Paulo: Exame-Abril, 3 fev. 2016. Disponível em: http://exame.abril.com.br/pme/dicas-de-especialista/noticias/o-que-e-uma-startup. Acesso em: 16 dez. 2016.

GOULART, A. Informação: precisamos definir esse termo. Observatório da Imprensa, n. 286, jul. 2004. Disponível em:

http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/index2.asp?edi=286. Acesso em: 10/12/16.

GUTIÉRREZ-CUÉLLAR, J.; GÓMEZ-PÉREZ, J. M. HAVAS 18 labs: a knowledge graph for innovation in the media industry. Industry Track at the International Semantic Web Conference 2014, ISWC-IT co-located with the 13th International Semantic Web Conference, ISWC, 2014. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84937118848&partnerID=40&md5=45f713e1ddc0fbb5afb02795a1d6359e. Acesso em: 24 ago. 2016.

HAUERT, S. Building an ecosystem for women entrepreneurs [Industrial Activities]. IEEE Robotics & Automation Magazine, v. 23, n. 2, p. 8-10, 2016.

IHDE, D. Technology and the lifeworld from garden to earth. Bloomington: Indiana University Press, 1990. Cap. 5.

JANNUZZI, C. A. S. C. Informação tecnológica e para negócios no Brasil: conceitos e terminologias. 1999. 139 f. Dissertação (Mestrado em Biblioteconomia e Ciência da Informação) – Pontifícia Universidade Católica, Campinas, 1999.

KIREYEVA, A. A. The formation of information technology clusters in Kazakhstan: system and structured approaches. Journal of Asian Finance Economics and Business, n. 3, p. 2, 2016.

KOHLER, T. Corporate accelerators: building bridges between corporations and startups. Business Horizons, Indiana, v. 59, p. 347-357, 2016. Disponível em: https://goo.gl/JeVXnc. Acesso em: 24 ago. 2016.

LEITE, M. L. G. et al. The process of product development for startups based on creative innovation. Espacios, 2016, v. 37, n. 7, 2016. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84966709823&partnerID=40&md5=fb40f17143479a7221ff1b696cdfd846. Acesso em: 24 ago. 2016.

NAKAMURA, W.; FORTE, D.; AGUIAR, J. Análise do Processo Decisório dos Gestores de Capital de Risco no Brasil In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 31, 2007, Rio de Janeiro. Anais... Salvador, 2006.

OCDE. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3 ed. OECD Eurostat FINEP, 2005. Disponível em: http://www.oei.es/historico/salactsi/oslo4.htm. Acesso em: 1 jul. 2016.

PAN, Y. et al. New entry threats, firm governance, and innovation in the U.S. IT industry. 2015 International Conference on Information Systems: Exploring the Information Frontier, ICIS, 2015. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84964650704&partnerID=40&md5=6d7097b8ff1cf06fde287b06a3490555. Acesso em: 24 ago. 2016.

PAIM, I. et. al. Interdisciplinaridade na Ciência da Informação: início de um diálogo. Perspectiva da Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p. 19-26, jan./jun. 2001.

RUSEVA, R.; RUSKOV, P. The reverse business-modelling framework: a new approach Towards action-oriented entrepreneurship. Proceedings of the 10th European Conference on Innovation and Entrepreneurship, 2015. Disponível em: ://WOS:000371978800094. Acesso em: 24 ago. 2016.

RIES, E. A startup enxuta. São Paulo: Leya, 2012.

SAGUY, I. S. Challenges and opportunities in food engineering: Modeling, virtualization, open innovation and social responsibility. Journal of Food Engineering, v. 176, p. 2-8, 2015. Disponível em: https://goo.gl/8qafdK. Acesso em: 24 ago. 2016.

SALAVERRIA, R. Labs as a formula for media innovation. Profesional De La Informacion, v. 24, n. 4, p. 397-404, 2015. Disponível em: http://recyt.fecyt.es/index.php/EPI/article/download/epi.2015.jul.06/20705. Acesso em: 24 ago. 2016.

SARACEVIC, T. Ciência da Informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.1,n,1,p.41-62,jan./jun.,1996. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/235. Acesso em: 1 jul. 2016.

SAWARYN, S. J. et al. Self-help and leveraging scale by means of the Wells' Advanced Collaborative Environment's Global Community of Practice. SPE Economics and Management. 2012. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84874723247&partnerID=40&md5=89e934439ccd17eef231556540c9a4cd. Acesso em: 24 ago. 2016.

SIMON, H.; LEKER, J. Using startup communication for opportunity recognition — an approach to identify future product trends. International Journal of Innovation Management, v. 20, n. 08, p. 1640016, 2016.

SOARES, J. Saiba mais sobre o que são e como funcionam as start-ups. Folha de São Paulo, 24 jul. 2016. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/07/1794464-saiba-mais-sobre-o-que-sao-e-como-funcionam-as-start-ups.shtml. Acesso em: 24 jul. 2016.

STRANTHMAN, M. and Lochmann, M. J. Intelligent energy and other industries - lessons learned. SPE Intelligent Energy International, 2012. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84861690818&partnerID=40&md5=976da2b3c71ee462af02a3fa5b91a566. Acesso em: 24 ago. 2016.

THOMSON REUTERS. Web of Science. 2016. Disponível em: https://goo.gl/tI2b7A. Acesso em: 24 ago. 2016.

TUNG, C. M. et al. Fostering innovation commercialization at research institute and university: strategy and policy implications. 2013 Portland International Conference on Management of Engineering and Technology, PICMET, 2013. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84890842942&partnerID=40&md5=96982cb8e7175f090c256560b3a3b073. Acesso em: 24 ago. 2016.

WEST, J.; KUK, G. The complementarity of openness: how makerbot leveraged thingiverse in 3D printing. Technological Forecasting and Social Change, 2015. Disponível em: < >. Acesso em: 24 ago. 2016.

YIM, H. R.;JUNG, W. A game theoretic simulation approach on innovative startups' decision process routine: own marketing vs. licensing. International Journal of Software Engineering and its Applications, v. 8, n. 12, p. 19-30, 2014. Disponível em: https://goo.gl/2ZxLUk. Acesso em: 24 ago. 2016.

ZINS, C. Knowledge map of information science. Journal of The American Society for Information Science and Technology, New York, v. 58, n. 4, p. 526-535, 2007. ISSN 1532-2882. Disponível em: http://www.success.co.il/is/zins_kmapof_is.pdf. Acesso em: 16 dez. 2016.

A Revista Digital de Biblitoeconomia e Ciência da Informação /  Digital Journal of Library and Information Science utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Revista Digital de Biblitoeconomia e Ciência da Informação /  Digital Journal of Library and Information Science, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.