Aproximações conceituais entre informação, tecnologia e inovação no contexto das startups

desafios interdisciplinares para Ciência da Informação

Palavras-chave: Interdisciplinaridade, Ciência da Informação, Startups, Epistemologia em Ciência da Informação

Resumo

Objetiva-se neste estudo evidenciar aproximações conceituais de abordagens que associem informação, tecnologia, empreendedorismo e inovação com potencial de promover o desenvolvimento científico interdisciplinar. Justifica-se pelas demandas do ambiente das startups envolvidas em atividades diretamente relacionadas ao fluxo de informações internas e externas. Caracteriza-se o estudo como uma pesquisa exploratória, descritiva e analítica, com uso do método SystematicSearchFlow (SSF) e busca realizada na Web of Science e Scopus, em maio de 2018. Como resultado obteve-se um portfólio relevante de 20 artigos categorizados à luz dos modelos dominantes de estudo da informação propostos por Araújo (2014). Verificou-se que o entrelaçamento conceitual do tema “informação, tecnologia e inovação” encontra-se presente também em outras áreas do conhecimento, o que permite a expansão do conhecimento sobre o assunto. Considera-se que futuros estudos poderão abordar como e quanto os paradigmas descrevem, e são ou não suficientes na produção e gestão da informação nos novos ambientes caracterizados pelas startups em ambientes específicos, bem como na literatura cinzenta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Priscila Machado Borges Sena, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Ciência Informação pela Universidade Federal de Santa Catarina. 

William Barbosa Vianna, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutor em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor Adjunto III da Universidade Federal de Santa Catarina. 

Ursula Blattmann, Universidade Federal de Santa Catarina

Pós-doutorado na Universidade Federal de Pernambuco. Professora da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 

Referências

AGRAWAL, A. et al. Are Syndicates the Killer App of Equity Crowdfunding?. California Management Review. 2015. Disponível em: http://cmr.ucpress.edu/content/58/2/111. Acesso em: 24 ago. 2016.

ARAÚJO, C. A. A. Arquivologia, biblioteconomia, museologia e ciência da informação: o diálogo possível. Brasília, DF: Briquet de Lemos. São Paulo: Associação Brasileira de Profissionais da Informação (ABRAINFO), 2014.

BAGGIO, A. F.; BAGGIO, D. K. Empreendedorismo: conceitos e definições. Revista de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia, v.1, n. 1, p. 25-38, 2014. Disponível em: https://seer.imed.edu.br/index.php/revistasi/article/download/612/522. Acesso em: 1 jul. 2016.

BLATTMANN, U.; FRAGOSO, G.M. Emoção em tecnologia da informação e da comunicação. In: BLATTMANN, U.; FRAGOSO, G.M.(Org.). O zapear a informação em bibliotecas e na Internet. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

BORKO, H. Information Science: what is it? American Documentation, v.19, n.1, p.3-5, Jan. 1968.

CESTYAKARA, A. et al. Social media adoption model for smart entrepreneur. 2013 International Conference on Ict for Smart Society (Iciss): Think Ecosystem Act Convergence. 2013. Disponível em: ://WOS:000332483900029. Acesso em: 24 ago. 2016.

CHOO, Y.; KIM, J. Interplay of entrepreneur, government, and industry in the development of ventures: the case of emerging IT industry in Korea. Eurasip Journal on Wireless Communications and Networking, v. 49, 2013. Disponível em: https://goo.gl/QIGxVG. Acesso em: 24 ago. 2016.

COLLIS, Jill; HUSSEY, Roger. Pesquisa em Administração. 2. ed. São Paulo: Ed. Bookman, 2005.

CUPANI, A. Filosofia da tecnologia: um convite. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2013.

ELSEVIER. Scopus. 2016. Disponível em: https://goo.gl/bpOQVg. Acesso em: 24 ago. 2016.

FERENHOF, H. A.; FERNANDES, R. F. Desmistificando a revisão de literatura como base para redação científica: método SSF. Revista ACB, v. 21, n. 3, p. 550-563, ago./nov. 2016. Disponível em: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1194/pdf. Acesso em: 23 dez. 2016.

FERRÉ, F. Philosophy of technology. (orig.1988). Athens-London: the university of Georgia Press, 1995. Cap. 1 a 4.

FRANCELIN, M. M.; PELLEGATTI, C. Filosofia da informação: reflexos e reflexões. Transinformação, Campinas, v. 16, n. 2, p. 123-132, maio/ago. 2004.

FROLUND, C. et al. Study for strengthening the ICT DIY ecosystem. 5th International Conference on Information and Communication Technology Convergence, ICTC. 2014. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84920183546&partnerID=40&md5=92c68a6f81ec5bd2acb3e8f1fe2d7f33. Acesso em: 24 ago. 2016.

GAUR, A. et al. Together we will find a 'Jugaad': resource bricolage in the indian mobile payments sector. 20th Americas Conference on Information Systems, AMCIS, 2014. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84905993509&partnerID=40&md5=3b37d4becd95c4d105a9bad74939ef89. Acesso em: 24 ago. 2016.

GIMENEZ, F. A. P.; FERREIRA, J. M.; RAMOS, S. C. Configuração empreendedora ou configurações empreendedoras? Indo um pouco além de Mintzberg. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO (ENANPAD), 32, 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2008. p.1.

GIHATY, Y. O que é uma startup? São Paulo: Exame-Abril, 3 fev. 2016. Disponível em: http://exame.abril.com.br/pme/dicas-de-especialista/noticias/o-que-e-uma-startup. Acesso em: 16 dez. 2016.

GOULART, A. Informação: precisamos definir esse termo. Observatório da Imprensa, n. 286, jul. 2004. Disponível em:

http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br/index2.asp?edi=286. Acesso em: 10/12/16.

GUTIÉRREZ-CUÉLLAR, J.; GÓMEZ-PÉREZ, J. M. HAVAS 18 labs: a knowledge graph for innovation in the media industry. Industry Track at the International Semantic Web Conference 2014, ISWC-IT co-located with the 13th International Semantic Web Conference, ISWC, 2014. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84937118848&partnerID=40&md5=45f713e1ddc0fbb5afb02795a1d6359e. Acesso em: 24 ago. 2016.

HAUERT, S. Building an ecosystem for women entrepreneurs [Industrial Activities]. IEEE Robotics & Automation Magazine, v. 23, n. 2, p. 8-10, 2016.

IHDE, D. Technology and the lifeworld from garden to earth. Bloomington: Indiana University Press, 1990. Cap. 5.

JANNUZZI, C. A. S. C. Informação tecnológica e para negócios no Brasil: conceitos e terminologias. 1999. 139 f. Dissertação (Mestrado em Biblioteconomia e Ciência da Informação) – Pontifícia Universidade Católica, Campinas, 1999.

KIREYEVA, A. A. The formation of information technology clusters in Kazakhstan: system and structured approaches. Journal of Asian Finance Economics and Business, n. 3, p. 2, 2016.

KOHLER, T. Corporate accelerators: building bridges between corporations and startups. Business Horizons, Indiana, v. 59, p. 347-357, 2016. Disponível em: https://goo.gl/JeVXnc. Acesso em: 24 ago. 2016.

LEITE, M. L. G. et al. The process of product development for startups based on creative innovation. Espacios, 2016, v. 37, n. 7, 2016. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84966709823&partnerID=40&md5=fb40f17143479a7221ff1b696cdfd846. Acesso em: 24 ago. 2016.

NAKAMURA, W.; FORTE, D.; AGUIAR, J. Análise do Processo Decisório dos Gestores de Capital de Risco no Brasil In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 31, 2007, Rio de Janeiro. Anais... Salvador, 2006.

OCDE. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3 ed. OECD Eurostat FINEP, 2005. Disponível em: http://www.oei.es/historico/salactsi/oslo4.htm. Acesso em: 1 jul. 2016.

PAN, Y. et al. New entry threats, firm governance, and innovation in the U.S. IT industry. 2015 International Conference on Information Systems: Exploring the Information Frontier, ICIS, 2015. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84964650704&partnerID=40&md5=6d7097b8ff1cf06fde287b06a3490555. Acesso em: 24 ago. 2016.

PAIM, I. et. al. Interdisciplinaridade na Ciência da Informação: início de um diálogo. Perspectiva da Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p. 19-26, jan./jun. 2001.

RUSEVA, R.; RUSKOV, P. The reverse business-modelling framework: a new approach Towards action-oriented entrepreneurship. Proceedings of the 10th European Conference on Innovation and Entrepreneurship, 2015. Disponível em: ://WOS:000371978800094. Acesso em: 24 ago. 2016.

RIES, E. A startup enxuta. São Paulo: Leya, 2012.

SAGUY, I. S. Challenges and opportunities in food engineering: Modeling, virtualization, open innovation and social responsibility. Journal of Food Engineering, v. 176, p. 2-8, 2015. Disponível em: https://goo.gl/8qafdK. Acesso em: 24 ago. 2016.

SALAVERRIA, R. Labs as a formula for media innovation. Profesional De La Informacion, v. 24, n. 4, p. 397-404, 2015. Disponível em: http://recyt.fecyt.es/index.php/EPI/article/download/epi.2015.jul.06/20705. Acesso em: 24 ago. 2016.

SARACEVIC, T. Ciência da Informação: origem, evolução e relações. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v.1,n,1,p.41-62,jan./jun.,1996. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/235. Acesso em: 1 jul. 2016.

SAWARYN, S. J. et al. Self-help and leveraging scale by means of the Wells' Advanced Collaborative Environment's Global Community of Practice. SPE Economics and Management. 2012. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84874723247&partnerID=40&md5=89e934439ccd17eef231556540c9a4cd. Acesso em: 24 ago. 2016.

SIMON, H.; LEKER, J. Using startup communication for opportunity recognition — an approach to identify future product trends. International Journal of Innovation Management, v. 20, n. 08, p. 1640016, 2016.

SOARES, J. Saiba mais sobre o que são e como funcionam as start-ups. Folha de São Paulo, 24 jul. 2016. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/07/1794464-saiba-mais-sobre-o-que-sao-e-como-funcionam-as-start-ups.shtml. Acesso em: 24 jul. 2016.

STRANTHMAN, M. and Lochmann, M. J. Intelligent energy and other industries - lessons learned. SPE Intelligent Energy International, 2012. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84861690818&partnerID=40&md5=976da2b3c71ee462af02a3fa5b91a566. Acesso em: 24 ago. 2016.

THOMSON REUTERS. Web of Science. 2016. Disponível em: https://goo.gl/tI2b7A. Acesso em: 24 ago. 2016.

TUNG, C. M. et al. Fostering innovation commercialization at research institute and university: strategy and policy implications. 2013 Portland International Conference on Management of Engineering and Technology, PICMET, 2013. Disponível em: https://www.scopus.com/inward/record.uri?eid=2-s2.0-84890842942&partnerID=40&md5=96982cb8e7175f090c256560b3a3b073. Acesso em: 24 ago. 2016.

WEST, J.; KUK, G. The complementarity of openness: how makerbot leveraged thingiverse in 3D printing. Technological Forecasting and Social Change, 2015. Disponível em: < >. Acesso em: 24 ago. 2016.

YIM, H. R.;JUNG, W. A game theoretic simulation approach on innovative startups' decision process routine: own marketing vs. licensing. International Journal of Software Engineering and its Applications, v. 8, n. 12, p. 19-30, 2014. Disponível em: https://goo.gl/2ZxLUk. Acesso em: 24 ago. 2016.

ZINS, C. Knowledge map of information science. Journal of The American Society for Information Science and Technology, New York, v. 58, n. 4, p. 526-535, 2007. ISSN 1532-2882. Disponível em: http://www.success.co.il/is/zins_kmapof_is.pdf. Acesso em: 16 dez. 2016.

Publicado
2019-01-04
Como Citar
Sena, P. M. B., Vianna, W. B., & Blattmann, U. (2019). Aproximações conceituais entre informação, tecnologia e inovação no contexto das startups. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 17, e019002. https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8653356