Definição da inovação no âmbito da pesquisa brasileira

uma análise semântica

Palavras-chave: Inovação, Pesquisa brasileira, Universidade.

Resumo

Tendo em vista a necessidade das Universidades Públicas brasileiras de se localizarem e se posicionarem em relação às investidas políticas e econômicas recebidas para se converterem em lócus de produção da Inovação, se objetiva investigar, no âmbito das pesquisas científicas brasileiras, quais os entendimentos, ou ainda, quais as definições de Inovação têm sido adotadas ou construídas em diferentes áreas de conhecimento, dando destaque ao campo da Ciência da Informação (CI). Assim, são objetivos da pesquisa: analisar as definições de Inovação apresentadas nas teses e dissertações brasileiras, identificando as predominâncias sobre concepções de Inovação nestas obras acadêmicas. Para tanto, foi desenvolvida uma pesquisa descritiva e exploratória, empregando métodos de mineração textual e análise semântica por meio de software KhCoder, nos textos das teses e dissertações brasileiras sobre o tema. O recorte dos dados é essencialmente nacional, utilizando a base de dados da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações. A partir dos dados coletados procurou-se refletir sobre as perspectivas multidisciplinares da Inovação, apresentadas em pesquisas científicas, que poderiam ser assumidas pelas Universidades Públicas para um melhor entendimento de sua vocação para a Inovação. Com os resultados obtidos, foi possível identificar a “Inovação tecnológica” como a concepção mais predominante nas pesquisas brasileiras, assim como a definição de Inovação tendente ao aspecto empresarial e suas definições subjacentes, o que condiz com a alta centralidade da área de conhecimento da Administração nos discursos de Inovação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Yi Chieh Lu, Universidade Federal de São Carlos

Graduada em Biblioteconomia e Ciência da Informação e da Documentação pela Universidade de São Paulo. Mestranda em Ciência da Informação pela Universidade Federal de São Carlos.

Natália Matui, Universidade Federal de São Carlos

Graduada em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Mestranda em Ciência da Informação pela Universidade Federal de São Carlos.

Luciana Gracioso, Universidade Federal de São Carlos

Professora Associada II no Departamento de Ciência da informação da Universidade Federal de São Carlos. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal Fluminense.

Referências

ADNER, R. Match your innovation strategy to your innovation ecosystem. Harvard Busuness Review. [S.l.], abr. 2006. Disponível em: http://pds12.egloos.com/pds/200811/07/31/R0604Fp2.pdf. Acesso em: 1 fev. 2019.

ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ciência da Informação, Brasília, v. 33, n. 3, 9-16. set./dez. de 2004. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/02/pdf_65f187e98d_0008132.pdf. Acesso em: 1 fev. 2019.

ALEJANDRO, V. A. O.; NORMAN, A. G. Manual introdutório à análise de redes sociais: medidas de centralidade. Centro de Capacitácion y Evaluación para El Desarrollo Rural S. C, 2005. Disponível em: https://www2.unicentro.br/lmqqa/files/2016/05/Manualintrodutorio_ex_ucinet.pdf. Acesso em: 28 mar. 2019.

ALVAREZ, G. R.; CAREGNATO, S. E. A ciência da informação e sua contribuição para a avaliação do conhecimento científico. Biblios: Revista do Instituto de Ciências Humanas e da Informação, Rio Grande, v. 31, n.1, p. 9-26, jan./jun. 2017. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/5987/4618. Acesso em: 1 jan. 2019.

ANPEI. Guia da Lei do Bem: o que é inovação para a Lei do Bem? Conheça o principal instrumento de fomento à inovação em empresas do Brasil. [S.l.]: Letras & Artes Comunicação, 2017. Disponível em: http://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/tecnologia/incentivo_desenvolvimento/lei_bem/arquivos/Guia-da-lei-do-Bem-Outubro-de-2017.pdf. Acesso em: 08 set. 2018.

AQUINO, Y. Governo regulamenta Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação, Brasília, 8 fev. 2018. Agência Brasil. Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/pesquisa-e-inovacao/noticia/2018-02/governo-regulamenta-marco-legal-da-ciencia-tecnologia-e-inovacao. Acesso em: 8 set. 2018.

BERTON, M. A. M.A.; MATTOS, F. Geração e aplicação do conhecimento para a inovação: visões sobre a mudança do paradigma de produção. ETD -Educação Temática Digital, Campinas, v. 9, n. 1, p. 49-68, nov. 2007. DOI: https://doi.org/10.20396/etd.v9i1.738. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/738/753. Acesso em: 15 dez. 2018.

BINZ, C.; TRUFFER, B. Global innovation systems - a conceptual framework for innovation dynamics in transnational contexts. Research Policy, [S.l.], v. 46, n. 7, p. 1284-1298, set. 2017. DOI: https://doi.org/10.1016/j.respol.2017.05.012. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0048733317300951. Acesso em: 29 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Lein°13.243, de 11 de janeiro 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera alei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, alei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980, alei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, alei nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, alei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, alei nº 8.958, de 20 de dezembro de 1994, alei nº8.010, de 29 de março de 1990, alei nº 8.032, de 12 de abril de 1990,e alei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012, nºs termos da emenda constitucional n 85, de 26 de fevereiro de 2015. Brasília, DF, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13243.htm. Acesso em: 07 set. 2018.

BRASIL. Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Lei n°10.973, de 02 de dezembro 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, DF, 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm. Acesso em: 07 set. 2018.

BUCKLAND, M. K. A natureza da ciência da informação e a sua importância para a sociedade. Aula inaugural 2018 da pós-graduação em ciência da informação da Universidade Federal do Pará (UFPA), Brasil. Informação & Informação, Londrina, v. 23, n. 2, p. 1-16, set./dez. 2018. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2018v23n2p01. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/35556/pdf. Acesso em: 3 jun. 2018.

CALDEIRA, S.M.G. et al. The network of concepts in written texts. In: The Europen Physical Journal B. Les Ulis: EDP Sciences, v. 49, n. 4, p. 523-529, fev. 2006. ISSN 1434-6036.

CARDONA, M. et al. Homicidios en Medellín, Colombia, entre 1990 y 2002: actores, móviles y circunstancias. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 840-851. maio/jun. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v21n3/18.pdf. Acesso em: 25 abr. 2019.

CHESBROUGH, H. Open innovation: a new paradigm for understanding industrial innovation. In: CHESBROUGH, H.; VANHAVERBEKE, W.; WEST, J. Open innovation: researching a new paradigm. Oxford: Oxford University Press, 2006, p. 1–14. Disponível em: http://www.emotools.com/static/upload/files/Openinnovationparadigm.pdf. Acesso em: 27 set. 2017.

CHOO, C. W. The knowing organization: how organizations use information to construct meaning, create knowledge, and make decisions. International Journal of Information Management, [S.l.], v. 16, n. 5, p. 329-340, out. 1996. DOI: https://doi.org/10.1016/0268-4012(96)00020-5. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/0268401296000205. Acesso em: 8 set. 2018.

DIAS, F. S.; NASSIF, M. E. Migração conceitual e patologia metodológica: análise da incorporação do conceito rizoma aos estudos da Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 18, n. 2, p. 147-166, abr./jun. 2013. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/1663/1177. Acesso em: 10 jun. 2018.

DIB, S. F.; SILVA, S. A. da. Informação e conhecimento: a chave para a inovação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 12., 2011, Brasília. Anais[...]. Brasília: UNB, 2011.

DOS SANTOS, A. B. A; FAZION, C. B.; MEROE, G. P. S. de. Inovação: um estudo sobre a evolução do conceito de Schumpeter. Caderno de Administração. Revista da Faculdade de Administração da FEA, São Paulo, v. 5, n. 1, 2011. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/caadm/article/view/9014. Acesso em: 2 set. 2018.

DUTTA, S.; LANVIN, B.; VINCENT, S. W. The Global Innovation Index 2018: energizing the world with innovation. Ithaca, Fontainebleau, and Geneva. India: Confederation of Indian Industry (CII), 2018. 385 p. ISBN 979-10-95870-09-8.

EDQUIST, C. Systems of innovation approaches: their emergence and characteristics. In: EDQUIST, C. Systems of innovation: technologies, institutions and organizations. London: Routledge, 1997. p. 432.

ECHEVERRI, A. Medellín reescreve seus bairros - Urbanismo Social 2004-2011. Revista Prumo, [S.l.], v. 2, n. 3, p. 1-12, jul. 2017. ISSN 2446-7340. Disponível em: http://periodicos.puc-rio.br/index.php/revistaprumo/article/view/324. Acesso em: 19 jun. 2019.

FLEURY, A.; FLEURY, M. T. Aprendizagem e cultura nas organizações. In: FLEURY, A.; FLEURY, M. T. L. Aprendizagem e inovação organizacional: as experiências de Japão, Coréia e Brasil. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1995. p. 17-32.

GIRARDI, B.et al. O desenvolvimento de inovações através da interação universidade-indústria e os resultados positivos dessa parceria. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 11., 2014, Rio de Janeiro. Anais[...].Rio de Janeiro: AEDB, 2014. p. 1 -13. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos14/21620211.pdf. Acesso em: 06 set. 2018.

GODIN, B. In the shadow of schumpeter: W. Rupert Maclaurin and the study of technological innovation. Minerva, [S.l.] v. 46, n. 3, p. 343-360. 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s11024-008-9100-4. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/226369929_In_the_Shadow_of_Schumpeter_W_Rupert_Maclaurin_and_the_Study_of_Technological_Innovation. Acesso em: 16 jan. 2019.

JULIANI, D. Inovação social: uma revisão sistemática de literatura. In: CONGRESSO NACIONAL DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO, 10., 2014, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos [...] Rio de Janeiro: CNEG, 2014. Disponível em: http://www.inovarse.org/sites/default/files/T14_0269.pdf. Acesso em: 1 jun. 2018.

KANG, T. H. Justiça e desenvolvimento no pensamento de Amartya Sen. Revista de Economia Política, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 352-369, jul./set. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-31572011000300002. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31572011000300002. Acesso em: 12 mar. 2018.

KROGH, G. V; ICHIJO, K.; NONAKA, I. Facilitando a criação de conhecimento: reinventando a empresa com o poder de inovação contínua. Rio de Janeiro: Campus. 2001.

LUNDVALL, B. Â. National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London; New York; Delhi: Anthem Press, 1992.404 p.

LUNDVALL, B. Â. et al. National systems of production, innovation and competence building. Research Policy, [S.l.], v. 31, n. 2, p. 213–231, fev. 2002. DOI: https://doi.org/10.1016/S0048-7333(01)00137-8. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0048733301001378?via%3Dihub. Acesso em: 5 jul. 2018.

OCDE. Manual de Frascati: metodologia proposta para definição da pesquisa e desenvolvimento experimental. Tradução: Olivier Isnard. [S. l.]: IPD Eletron, 2013. Disponível em: http://www.ipdeletron.org.br/wwwroot/pdf-publicacoes/14/Manual_de_Frascati.pdf. Acesso em: 18 jul. 2019.

OECD. Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Tradução: FINEP. [S. l.]: FINEP. 2005. Disponível em: https://www.finep.gov.br/images/apoio-e-financiamento/manualoslo.pdf. Acesso em: 18 jul. 2019.

OLIVEIRA, L. M. A cidade como projeto coletivo: impressões sobre a experiência de Medellín. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 3, n. 2, p. 164-181, jul./dez. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5965/2175180303022011164. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180303022011164/1795. Acesso em: 1 jun. 2019.

PAPAIOANNOU, T. Sen and Marx on incentives and justice: implications for innovation and development. Progress in Development Studies, [S. l.], v. 16, n. 4, p. 297-313, oct. 2016. DOI https://doi.org/10.1177/1464993416657208. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/1464993416657208. Acesso em: 2 abr. 2018.

PINSKY, V. C. et al. Inovação sustentável: uma perspectiva comparada da literatura internacional e nacional. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 12, n. 3, p.226-250, jul./set. 2015. Disponível em: www.revistas.usp.br/rai/article/view/101486. Acesso em: 2 jul. 2018.

PORCARO, R. M. Indicadores da sociedade atual: informação, conhecimento, inovação e aprendizado intensivos. A perspectiva da OECD. DataGramaZero, Paraíba, v. 6, n. 4, p. A03, 2005.Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/res/v/5765. Acesso em: 5 abr. 2018.

RODRIGUES, L.C.; CIUPAK, C.; RISCAROLLI, V. Inovação digital disruptiva: um conceito paradoxal à teoria da inovação disruptiva?. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE PROJETOS, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE, 6.,2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Uninove, 2017.p. 1-13.

SANT'ANNA, L. Como Medellín virou a cidade-modelo que está vencendo o crime. Revista Exame, Medellín, 2017. Disponível em: https://exame.abril.com.br/revista-exame/menos-violenta-e-mais-prospera/. Acesso em: 22 abr. 2018.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, credito, juro e o ciclo econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982. 169 p. (Os Economistas).

SEN, A. K. Development as freedom. 1. ed. New York: Anchor Books, 1999.

SILVA, D.S. Diagnóstico da rede societécnica de inovação em uma Instituição Federal de Ensino Superior. Tese (Doutorado em Ciência, Tecnologia e Sociedade) - Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2018.

SILVA, M. D. P.; GRACIOSO, L. S. A interdisciplinaridade como instrumento de ação comunicativa. Em Questão, Rio Grande do Sul, v. 24, n. 2, 2018. DOI: https://doi.org/10.19132/1808-5245242.188-209. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=465655178010. Acesso em: 22 jun. 2018.

SILVA, E.; VALENTIM, M. L. P. Equipamentos culturais e inovação: o que diz a ‘lei da inovação’ brasileira?. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 15. 2014, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: UFMG, 2014. p. 2140-2147.

VERZOLA, S. C. A lei de inovação e a proteção do conhecimento tradicional. Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 25, n. 2, p.185-192, abr./jun. 2015.

ZATTAR, M.; ISSBERNER, L. R. Informação, conhecimento e aprendizagem na inovação aberta. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 12., 2011, Brasília. Anais[...]. Brasília: UNB, 2011. p. 1657-1674.

Publicado
2019-08-21
Como Citar
Lu, Y. C., Matui, N., & Gracioso, L. (2019). Definição da inovação no âmbito da pesquisa brasileira. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 17, e019023. https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8654703