Banner Portal
Cidades criativas e suas unidades de informação
PORTUGUÊS
ENGLISH

Palavras-chave

Arquitetura e urbanismo
Unidades de informação
Rede de informação
Disseminação da informação.

Como Citar

CATIVELLI, A. S.; TEIXEIRA, C. S. Cidades criativas e suas unidades de informação: uma nova rota para o distrito criativo de Florianópolis/SC. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 17, p. e019021, 2019. DOI: 10.20396/rdbci.v17i0.8654792. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8654792. Acesso em: 26 fev. 2024.

Resumo

As cidades criativas são regiões que concentram pessoas e lugares com um objetivo em comum: fazer dele um lugar melhor para se viver por meio de diferentes conexões e utilizando o melhor de cada indivíduo, a criatividade. Florianópolis, por ser uma ilha, onde não podem-se instalar indústrias devido à limitação de espaço, destaca-se no mundo do empreendedorismo e consolida-se como polo de inovação tecnológica. O Centro Sapiens ao tomar conhecimento de exemplos internacionais avista na região leste do centro de Florianópolis, a oportunidade de transformação da região. O perímetro possui diferentes tipos de instituição, dentre elas as unidades de informação. Neste contexto, tem-se como objetivo mapear as unidades de informação que estão localizadas no Distrito Criativo de Florianópolis e construir a Rota das Unidades de Informação. A justifica baseia-se na premissa de que para se construir um ambiente criativo é necessário entrar em contato com fontes informacionais que ligam o passado ao presente, assim como divulgar esses espaços. Para mapeamento e criação da rota foi utilizado o Google My Maps. A rota reuniu 16 unidades de informação, os acervos contêm obras raras, históricas, especializadas, literatura, entre outros; e 87,5% permitem consulta aos seus acervos. Acredita-se que o convite aos gestores das unidades de informação para integrar o grupo de parceiros do Centro Sapiens possibilitará que os mesmos conheçam o projeto e passem a se sentir incluídos como agentes de transformação do local. Além de conhecerem seus colegas e buscar a conexão entre as unidades por um bem comum.

https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8654792
PORTUGUÊS
ENGLISH

Referências

BRADFORD, Neil. Creative cities structured policy dialogue backgrounder. Ottawa: Canadian Policy Research Networks, 2004. Disponível em: https://works.bepress.com/neil_bradford/53/download/. Acesso em: 16 jun. 2018.

CENTRO SAPIENS. Centro Sapiens. [201?]. Disponível em: https://centrosapiens.com.br/wp-content/uploads/2016/03/projeto-CentroSapiens.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

CENTRO SAPIENS. Sobre o Centro Sapiens. 2018. Disponível em: https://centrosapiens.com.br/. Acesso em: 10 jun. 2018.

COMUNIAN, Roberta. Rethinking the creative city: the role of complexity, networks and interactions in the urban creative economy. Urban Studies, v. 48, n. 6, p. 1157–1179, 2011. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0042098010370626. Acesso em: 12 jul. 2018.

GARCÍA-REYES, Carmen Jorge. Gestión de unidades de información. In: VERGUEIRO, Waldomiro; MIRANDA, Angélica Conceição Dias (Org). Administração de unidades de informação. Rio Grande, RS: FURG, 2007.

GRODACH, Carl. Urban cultural policy and creative city making. Cities, v. 68, p. 82–91, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.cities.2017.05.015. Acesso em: 4 jul. 2018.

GUINCHAT, Claire.; MENOU, Michel. Introdução geral as ciências e técnicas da informação e documentação. 2. ed. Brasília, DF: IBICT; FBB, 1994.

LANDRY, Charles. Prefácio. In: REIS, A. C.; KAGEYAMA, P. (Org.). Creative cities perspectives. São Paulo: Garimpo de Soluções, 2009.

NEWBIGIN, John. A economia criativa: um guia introdutório. [S.l.] :British Council. 2010. Disponível em: https://creativeconomy.britishcouncil.org/media/uploads/files/Intro_guide_-_Portuguese.pdf. Acesso em: 10 jun. 2018.

O’CONNOR, Justin.; SHAW, Kate. What next for the creative city? City, Culture and Society, v. 5, n. 3, p. 165–170, 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.ccs.2014.05.010. Acesso em: 10 jul. 2018.

PRODANOV, Cleber Cristiano; FREITAS, Ernani Cesar de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS. Bibliotecas em Bogotá. 2013. Disponível em: https://www.cidadessustentaveis.org.br/boas-praticas/bibliotecas-em-bogota. Acesso em: 7 dez. 2018.

RATIU, Dan Eugene. Creative cities and/or sustainable cities: discourses and practices. City, Culture and Society, v. 4, n. 3, p. 125–135, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.ccs.2013.04.002. Acesso em 10 jul. 2018.

REIS, Ana Carla Fonseca. Cidades criativas: análise de um conceito em formação e da pertinência de sua aplicação à cidade de São Paulo. 2011 a. 297 f. Tese (Arquitetura e Urbanismo) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16139/tde-08042013-091615/pt-br.php. Acesso em: 14 jun. 2018.

REIS, Ana Carla Fonseca. Cidades criativas: burlando um conceito em formação. Revista de Moda, Cultura e Arte: São Paulo, v. 4, n. 1. p.127-149, 2011b. Disponível em: http://www1.sp.senac.br/hotsites/blogs/revistaiara/wp-content/uploads/2015/01/12_IARA_vol4_n1_Reflexoes.pdf. Acesso em: 4 jul. 2018.

ROMANI, Claudia.; BORSZCZ, Iraci. Unidades de informação: conceitos e competências. Florianópolis: UFSC, 2006.

SCOTT, Allen. Creative cities: conceptual issues and policy questions. Journal of Urban Affairs, v. 28, n. 1, p. 1–17, 2006. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/j.0735-2166.2006.00256.x/abstract. Acesso em 10 jul. 2018.

VERGUEIRO, Waldomiro; MIRANDA, Angélica (Org). Administração de unidades de informação. Rio Grande, RS: FURG, 2007.

VIA. Conexões. 2018. Disponível em:http://via.ufsc.br/conexoes/. Acesso em: 16 dez. 2018.

A Revista Digital de Biblitoeconomia e Ciência da Informação /  Digital Journal of Library and Information Science utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto, em que:

  • A publicação se reserva o direito de efetuar, nos originais, alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores;
  • Os originais não serão devolvidos aos autores;
  • Os autores mantêm os direitos totais sobre seus trabalhos publicados na Revista Digital de Biblitoeconomia e Ciência da Informação /  Digital Journal of Library and Information Science, ficando sua reimpressão total ou parcial, depósito ou republicação sujeita à indicação de primeira publicação na revista, por meio da licença CC-BY;
  • Deve ser consignada a fonte de publicação original;
  • As opiniões emitidas pelos autores dos artigos são de sua exclusiva responsabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...