Fandom em bibliotecas públicas

mapeamento de iniciativas e suas aplicabilidades

Palavras-chave: Bibliotecas públicas, Fandom, Bibliotecários, Biblioteca viva.

Resumo

O fandom constitui-se por indivíduos que apreciam um objeto cultural constituindo a denominada comunidade de fãs. No interior dessas comunidades criam e compartilham produtos inspirados nos conteúdos culturais originais chamados de cânone. Por outro lado, temos a biblioteca pública (BP) que tem em suas diretrizes a promoção de competências como a leitura, a criatividade e o contato com diversas expressões artísticas. No entanto, as BPs brasileiras sofrem com o abandono da comunidade, o descaso e o desconhecimento de suas funções por parte do poder público. Assim, enxerga-se no fandom um meio pelo qual as BPs possam resgatar sua relevância e cumprir melhor seu papel ao servir sua comunidade com atividades que despertem múltiplos interesses. O artigo tem como objetivo conceituar as atividades de fãs, mapeando as iniciativas semelhantes que obtiveram sucesso em BPs, bem como discutir as possibilidades de aplicação na realidade brasileira elencando quais benefícios o desenvolvimentos de tais atividades traria a comunidade. O percurso metodológico foi o exploratório, pois a produção acadêmica que relaciona o fandom com as bibliotecas públicas é relativamente escassa no país, dessa forma, foram consultados sites de associações de bibliotecas públicas, periódicos com a temática de biblioteca pública, blogs sobre fãs, fandom e leitura. Apoiado nos conceitos de “biblioteca viva” e “biblioremix”, a comunidade de fãs apresenta-se como um meio para colocar em prática uma nova perspectiva da biblioteca. Por se constituir de indivíduos engajados com diferentes atividades artísticas, os fãs têm o potencial de mobilizar grupos de interesse no entorno da BP.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Bruna Daniele de Oliveira Silva, Universidade Estadual Paulista

Graduada em Biblioteconomia e Ciência da Informação pela Universidade de São Paulo. Mestranda em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista.

Deise Maria Antonio Sabbag, Universidade de São Paulo

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Estadual Paulista. Professora Doutora da Universidade de São Paulo.

Referências

AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION (ALA). About. Disponível em: http://www.ala.org/aboutala/. Acesso em: 7 jun. 2018.

AMERICAN LIBRARY ASSOCIATION (ALA). Fandom: libraries transform. 2015. Disponível em: http://www.ala.org/tools/future/trends/fandom. Acesso em: 7 jun. 2017.

ARCHAMBAUD, Mélanie. L’espace Nouvelle Génération à la Bpi: de l’enquête au projet. In: IFLA WLIC 2013 - FUTURE LIBRARIES: INFINITE POSSIBILITIES, 2013, Singapura. Proceedings... Haia: IFLA, 2013. Disponível em: http://library.ifla.org/100/. Acesso em: 3 Out. 2018.

ARCHAMBAUD, Mélanie. Novas formas de mediação na biblioteca: a experiência francesa. 2017. 72 slides. Disponível em: https://bibliotecaviva.org.br/wp-content/uploads/2017/11/Apresenta%C3%A7%C3%A3o_10%C2%BA-SBV-2017_PALESTRA_23-10-2017_MANH%C3%83_Novas-formas-de-media%C3%A7%C3%A3o-nas-bibliotecas-tradu%C3%A7%C3%A3o.pdf. Acesso em: 03 Out. 2018.

BUSSE, Kristina; GRAY, Jonathan. Fan cultures and fan communities. In: NIGHTINGALE, Virginia. The Handbook of media audience. New Jersey: John Wiley & Sons, 2011. p. 425-443. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/9781444340525.ch21. Acesso em: 10 out. 2018.

CAMARGO, Michelle Alcântara et al. Manifeste-se, faça um zine!: uma etnografia sobre zines de papel feministas produzidos por minas do rock (São Paulo, 1996-2007). Cadernos pagu, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n36/n36a7. Acesso em: 10 out. 2018.

CAMPOS, Fernanda Ricardo. Fanzine: da publicação independente à sala de aula. In: Encontro Nacional sobre Hipertexto, 3., 2009, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: UFGM, 2009. Disponível em: http://nehte.com.br/hipertexto2009/anais/b-f/fanzine.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

CCGC in Libraries. Home. 2016. Disponível em:http://ccgclibraries.com/. Acesso em: 20 out. 2018.

DANTAS, Georgia Geogletti Cordeiro; MOURA, Maria Aparecida. O Universo Cultural e Criativo de fãs e suas implicações na produção de conteúdos: uma abordagem informacional. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciências da Informação, 14, 2013. Santa Catarina: IBCT, 2013. Disponível em: http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/xivenancib/paper/view/4196. Acesso em: 18 mar. 2018.

FANLORE. Cosplay. 2018. Disponível em: https://fanlore.org/wiki/Cosplay. Acesso em: 15 out. 2018.

FANLORE. Fanart. 2018. Disponível em: https://fanlore.org/wiki/Fanart. Acesso em: 15 out. 2018.

FANLORE. History of fanart. 2018. Disponível em: https://fanlore.org/wiki/History_of_Fanart. Acesso em: 15 out. 2018.

FORLANI, Marcelo. Star Wars: 5 filmes feitos por fãs que os fãs adoram assistir. Omelete, 4 maio 2017. Disponível em: https://www.omelete.com.br/star-wars/star-wars-5-filmes-feitos-por-fas-que-os-fas-adoram-assistir. Acesso em: 10 out. 2018.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GILL, Philip (Org.). Os serviços da biblioteca pública: directrizes da IFLA/UNESCO (2001). Lisboa: Editorial Caminho e Associação Liberpólis, 2001.

HILLS, Matt. Fiske’s ‘textual productivity’ and digital fandom: web 2.0 democratization versus fan distinction. Participations, v. 10, n. 1, p. 130-153, 2013. Disponível em: http://www.participations.org/Volume%2010/Issue%201/9%20Hills%2010.1.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

HILLS, Matt. O fandom como objeto e os objetos do fandom. [Entrevista cedida a] Clarice Greco. MATRIZes, v. 9, n. 1, p. 147-163, 2015. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/1430/143039560009.pdf. Acesso em: 15 out. 2018.

MAGALHÃES, Henrique. Fanzine: comunicação popular e resistência cultural. Visualidades, v. 7, n. 1, 2012. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/VISUAL/article/view/18121. Acesso em: 10 out. 2018.

MIRANDA, Fabiana Móes. O Fandom como sistema literário: uma análise crítica do texto na Era da Reapropriação virtual.Orientadora: Ermelinda Maria Araujo Ferreira. Recife: Programa de Pós-Graduação em Letras da UFPE. 2009. 158 f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Centro de Artes e Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/7506. Acesso em: 20 out. 2018

NEW YORK PUBLIC LIBRARY. Zines at The New York Public Library. 2018. Disponível em: https://www.nypl.org/about/divisions/general-research-division/periodicals-room/zines. Acesso em: 10 out. 2018.

NYAH! Fanfictions. Um pouco mais sobre o Nyah! Fanfiction. Disponível em: https://fanfiction.com.br/imprensa. Acesso em: 30 set. 2018.

PRADO, Gustavo dos Santos. “Rock x José Sarney”– os fanzines punks paulistas e suas interpretações da Nova República (1985-1990). Diálogos-Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História, v. 19, n. 2, p. 763-780, 2015. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/3055/305541164014.pdf. Acesso em: 10 out. 2018.

SOUSA, Camila. O universo expandido dos fan films. Omelete, 24 jan. 2018. Disponível em: https://www.omelete.com.br/filmes/o-universo-expandido-dos-fan-films. Acesso em: 10 out. 2018.

SPIRIT Fanfiction. Sobre o Spirit. 2018. Disponível em: https://www.spiritfanfiction.com/sobre. Acesso em: 30 set. 2018.

VARGAS, Maria Lucia Bandeira. O fenômeno fanfiction: novas leituras e escrituras em meio eletrônico. Passo Fundo: UPF, 2015. Disponível em: http://editora.upf.br/index.php/e-books-free/132-o-fenomeno-fanfiction. Acesso em: 15 out. 2018.

Publicado
2019-09-10
Como Citar
Silva, B. D. de O., & Sabbag, D. M. A. (2019). Fandom em bibliotecas públicas. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 17, e019027. https://doi.org/10.20396/rdbci.v17i0.8655370