Greenstone

uso atual na Argentina

Palavras-chave: Repositórios institucionais – Argentina, Biblioteca digital, Biblioteca universitaria, Software livre, Desenvolvimento de capacidade

Resumo

Este artigo apresenta as características e a história do software para criar e gerenciar bibliotecas digitais Greenstone, desenvolvidas inicialmente pela Universidade de Waikato, Nova Zelândia, em 1997. Primeiro, a comunidade de usuários é descrita a nível global, com foco no uso atual que o software conseguiu na Argentina: o número de implementações disponíveis, sua evolução, o tipo, tamanho e variedade dos desenvolvimentos existentes, bem como a sua aplicação à gestão de repositórios digitais de ciência e tecnologia no campo das instituições científicas, tecnológicas e de ensino superior na Argentina. Em segundo lugar, são detalhadas as ações realizadas após a criação do Centro Nacional para a Promoção da Greenstone na Argentina em 2009. Os dados coletados das pesquisas permitiram observar que os motivos predominantes para a escolha desta plataforma foram, entre outros, a facilidade de instalação e configuração, seu baixo nível de requisitos tecnológicos, a escassez geral de recursos humanos dedicados a essa atividade e a complexidade do software alternativo existente naquele momento. Ao longo destes 8 anos, tanto os repositórios digitais quanto os sistemas que os suportam evoluíram drasticamente, modificando o cenário atual. Paralelamente, em 2016, a nova versão principal da Greenstone implementou uma reengenharia completa do software para adaptá-la às tecnologias em uso: XML, XSLT, serviços Web e Java. Como consequência disso, a comunidade de desenvolvimento local apresenta novos desafios para a migração de bibliotecas digitais e repositórios implementados com versões anteriores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcela Fushimi, Universidad Nacional de La Plata

Docente de la carrera de Bibliotecología y Ciencia de la Información de la Universidad Nacional de La Plata.

Mariana Pichinini, Universidad Nacional de La Plata

Jefe del Área Tecnologías en la Universidad Nacional de La Plata. 

Ana María Sanllorenti Sanllorenti, Universidad de Buenos Aires

Bibliotecária e Directora de la Biblioteca Central de la Facultad de Ciencias Exactas y Naturales de la Universidad de Buenos Aires.

Martín Williman, Universidad de Buenos Aires

Responsable de la Biblioteca Digital de la Facultad de Ciencias Exactas y Naturales de la Universidad de Buenos Aires. 

Referências

CENTRO NACIONAL DE PROMOCIÓN DE GREENSTONE EN ARGENTINA. Disponível em: http://cng.fahce.unlp.edu.ar. Acesso em: 27 abr. 2017.

CYRANEK, G. (Ed.). Greenstone : un software libre de código abierto para la construcción de bibliotecas digitales: experiencias en América Latina y el Caribe. Montevideo [UY] : UNESCO, 2010.

GREENSTONE DIGITAL LIBRARY SOFTWARE. Disponível em: http://www.greenstone.org. Acesso em: 29 abr. 2017.

GREENSTONE WIKI. Disponível em: http://wiki.greenstone.org/doku.php. Acesso em: 29 abr. 2017.

PICHININI, Mariana. Prototipo para repositorios institucionales utilizando Greenstone – versión beta. 2012. Colaboradoras: Marcela Coria y Carolina Unzurrunzaga. Disponível em: https://pictobonaerense.wordpress.com/publicaciones. Acesso em: 29 abr. 2017.

SPANO, D. #Greenstone: migrando hacia una biblioteca digital 3.0. Charla organizada por la comunidad de práctica SocialBiblio y transmitida el 9 de abril 2013. Recuperado de: http://www.socialbiblio.com/materiales/greenstone-migrando-biblioteca-digital-30

UNESCO. Curso MERCOSUR sobre la Construcción de Bibliotecas Digitales. Realizado en la Biblioteca Nacional de Uruguay. Montevideo, 29 de agosto al 2 de septiembre 2005.

Publicado
2018-04-23
Como Citar
Fushimi, M., Pichinini, M., Sanllorenti, A. M. S., & Williman, M. (2018). Greenstone. RDBCI: Revista Digital De Biblioteconomia E Ciência Da Informação, 16(2), 306-328. Recuperado de https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8655870