Os riscos do uso dos meios digitais de comunicação não oficiais nas Universidades Federais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v19i00.8661374

Palavras-chave:

Celulares na comunicação, Gerenciamento de riscos, Mídias digitais, Comunicação da informação, Universidade federal

Resumo

Introdução: Analisa os riscos de uso dos meios digitais de comunicação não oficiais na unidade acadêmica de educação a distância de uma universidade federal. Objetivo: Especificamente, identifica os riscos que possam impactar nos processos de recuperação e uso da informação; analisa a magnitude e o impacto desses riscos; seleciona respostas para eles, por meio de controles e outras ações; e, por fim, propõe ações para monitorar e coordenar os processos e os resultados do gerenciamento de riscos. Metodologia: Metodologicamente é uma pesquisa do tipo diagnóstico, descritiva e documental. A técnica do grupo de discussão foi a técnica adotada de coleta de dados. Na análise e interpretação dos dados, o modelo selecionado foi o recomendado por Tribunal de Contas da União, que compreende várias etapas, como está especificado ao longo deste artigo. Resultados: Os resultados apontaram a existência de riscos e medidas a serem tomadas para tratá-los foram apresentadas. Conclusão: Usar provedores de e-mail não oficiais, usar o WhatsApp  e redes sociais para envio, recebimento e armazenamento de informações oficiais e armazenar arquivos oficiais em repositórios on-line foram os principais riscos identificados.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Metrics

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nadi Helena Presser, Universidade Federal de Pernambuco

Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina. Pós doutora em Ciência da Informação pela Universidade Carlos III de Madri - Espanha. Professora Associada da Universidade Federal de Pernambuco (Recife, PE - Brasil).

José Alexandre Laurentino de Lima, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Mestrando em Gestão `Pública pela Universidade Federal de Pernambuco. Assistente em Administração pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (Recife, PE - Brasil).

Eli Lopes da Silva, Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Professor da Faculdade Senac (Florianópolis).

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR ISO 31000: Gestão de riscos: Princípios e diretrizes. Rio de Janeiro, 2009.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – ABNT. NBR ISO/IEC 31010: Gestão de riscos: Técnicas para o processo de avaliação de riscos. Rio de Janeiro, 2012.

BRASIL. Ministério do Planejamento. Instrução normativa conjunta nr. 1 de 10 de maio de 2016. Dispõe sobre controles internos, gestão de riscos e governança no âmbito do Poder Executivo federal. [2016]. Disponível em: http://www.in.gov.br/. Acesso em: 30 jun. 2020.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Referencial básico de governança aplicável a órgãos e entidades da administração pública. Tribunal de Contas da União. Versão 2. Brasília: TCU, Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão, 2014. 80 p.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Referencial básico de gestão de riscos. Tribunal de Contas da União. Brasília: TCU, Secretaria Geral de Controle Externo, 2018a. 154 p.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Roteiro de avaliação de maturidade da gestão de riscos. Tribunal de Contas da União. Brasília: TCU, Secretaria de Métodos e Suporte ao Controle Externo, 2018b. 164 p.

BRAMAN, S. Change of state: information, policy and power. London: MIT Press, 2006.

BYSTRÖM, K.; HEINSTRÖM, J.; RUTHVEN, I. Work and information in modern society: a changing workplace. In: BYSTRÖM, K.; HEINSTRÖM, J.; RUTHVEN, I. (org.). Information at work. Information management in the workplace. London: Facet Publishing, 2019. p. 1-32.

CAPURRO, R. A liberdade na era digital. In: GOMEZ, M.N. G. de.; CIANCONI, R. de B. (Orgs.) Ética da informação: perspectivas e desafios. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2017. p. 45-66. Disponível em: http://www.capurro.de/gonzalezdegomez.pdf. Acesso em: 14 maio 2019.

CHOO, C. W. The knowing organization: how organizations use information for construct meaning, create knowledge and make decisions. Nova York: Oxford Press, 1998.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA (EMBRAPA). Guia de uso do modelo corporativo de processos de software da Embrapa (MCPSE). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2014. 33 p.

GUTIÉRREZ, J. Grupo de discusión: ¿Prolongación, variación o ruptura con el focus group? Cinta Moebio, n. 41, p. 105-122. 2011.

IBÁÑEZ, J. Más allá de la sociología. El grupo de discusión: Teoría y crítica. 5. ed. Madrid: Sieglo Veintiuno Editores, 2003.

INTERNATIONAL FEDERATION OF ACCOUNTANTS (IFAC). From bolt-on to built. Nova Iorque: IFAC, 2015. Disponível em: https://www.ifac.org/publications-resources/bolt-built. Acesso em: 17 de maio 2019.

LE COADIC, Y. A ciência da informação. Tradução Maria Yêda F. S. de Filgueiras Gomes. 2. ed. Brasília, DF: Briquet de Lemos Livros, 2004.

LEMOS, A. Cibercultura, tecnologia e vida social na cultura contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2002.

LEMOS, A; JOSGRILBERG, F. Comunicação e mobilidade: aspectos socioculturais das tecnologias móveis de comunicação no Brasil. Salvador, BA: EDUFBA, 2009.

LIMA, J. A. L. Os riscos do uso dos meios digitais de comunicação não institucionalizados em uma Unidade da Universidade Federal Rural de Pernambuco. 2020. 93 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública), Recife, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Pernambuco, 2020.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MCGEE, J; PRUSAK, L. Gerenciamento estratégico da informação: aumente a competitividade e a eficiência da sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

PARAGUAI, L. D. Interfaces multisensoriais: espacialidades hibridas do corpoespaço. Revista FAMECOS [Online], v. 15, n. 37, p. 54-60, 2008. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/index.php/revistafamecos/article/view/4800. Acesso em: 2 ago. 2019.

ROCHA, D.; PEREIRA, I. A.; SOARES, V. WhatsApp: de mensageiro instantâneo e chamada de voz em smartphones, para dispositivo de comunicação ubíqua dos gestores EAD da UFT/UAB no cerrado tocantinense. Revista Desafios, v. 4, n. 2, p. 185-193, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.20873/uft.2359-3652.2017v4n2p185. Acesso em: 11 maio 2019.

ROESCH, M. A. S. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: Guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

SILVA, A. S. e. Do ciber ao híbrido: tecnologias móveis como interfaces de espaços híbridos. In: ARAUJO, D. C. (org.). Imagem (ir)realidade: comunicação e cibermídia. Porto Alegre: Sulina, 2006. p. 21- 51.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. São Paulo: Atlas, 1997.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2016. 104 p.

WEISER, M., The computer for the 21st century. Scientific American, v. 265, n. 3, p. 66-75, January 1991. Disponível em: https://bit.ly/3kwYQuA. Acesso em: 2 ago. 2019.

Publicado

2021-02-27

Como Citar

PRESSER, N. H. .; LIMA, J. A. L. de .; SILVA, E. L. da . Os riscos do uso dos meios digitais de comunicação não oficiais nas Universidades Federais. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 19, n. 00, p. e021005, 2021. DOI: 10.20396/rdbci.v19i00.8661374. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8661374. Acesso em: 28 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa