Importância das práticas de Ciência Aberta e de comunicação científica na perspectiva de atores envolvidos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rdbci.v20i00.8670366

Palavras-chave:

Ciência Aberta, Comunicação científica, Métodos matemáticos e estatísticos, Análise fatorial, Ciência da Informação

Resumo

Introdução: Composta por vários movimentos, a Ciência Aberta vem ganhando expressividade considerável na busca pela ampliação da confiança nos resultados de pesquisa, buscando a transparência em todos os elementos que compõem um processo de investigação científica. Objetivo: Nesse cenário, objetivou-se com este artigo analisar a importância atribuída por atores envolvidos com a Ciência Aberta, seus movimentos e iniciativas. Metodologia: Um questionário foi enviado a personalidades envolvidas com o processo científico por meio de dois grupos de aplicativos de troca de mensagens e comunicação em áudio e vídeo pela internet e uma lista de discussão de atores interessados na temática, composta por bibliotecários, pesquisadores, professores e editores. Estruturado por uma questão aberta e 20 variáveis relacionadas à Ciência Aberta, os respondentes foram orientados a indicar, em uma escala Likert de cinco pontos, a importância de cada uma delas, observando o contexto da comunicação científica desenvolvido na universidade pública. Resultados: Com o auxílio do software SPSS, foram realizadas análises estatísticas descritivas de frequência e média. Ainda, aplicou-se a análise fatorial e identificou-se a possibilidade de condensar as informações em um total de quatro componentes ou agrupamentos. Conclusão: Por meio deste estudo, concluiu-se que, apesar de alternar a frequência, todas as variáveis apresentaram como moda o fator cinco, indicando que todas as iniciativas e movimentos elencados no estudo foram considerados muito importantes pelos atores envolvidos com a Ciência Aberta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Métricas

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Nivaldo Calixto Ribeiro, Universidade Federal de Lavras

Doutorado em andamento pela da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais Bibliotecário da Universidade Federal de Lavras (Lavras, MG - Brasil).

Dalgiza Andrade Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Ciência da Informação pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. Professora Associada da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (Belo Horizonte, MG - Brasil).

Célia da Consolação Dias, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Ciência  em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora adjunta da Escola de Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais (Belo Horizonte, MG - Brasil).

Angélica Conceição Dias Miranda, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora permanente no Programa de Pós-Graduação em Administração na Universidade Federal do Rio Grande (Rio Grande, RS - Brasil).

  • Reconhecimentos: Não é aplicável.
  • Financiamento: Não é aplicável.
  • Conflitos de interesse: Os autores certificam que não têm interesse comercial ou associativo que represente um conflito de interesses em relação ao manuscrito.
  • Aprovação ética: Não é aplicável.
  • Disponibilidade de dados e material: https://doi.org/10.6084/m9.figshare.19316714.
  • Contribuições dos autores:  RIBEIRO, N.C. Conceituação, Curadoria de Dados, Análise Formal, Investigação, Metodologia, Software, Visualização, Redação – rascunho original, Redação – revisão & edição; OLIVEIRA, D.A.; DIAS, C.C.; MIRANDA, A.C.D.  Supervisão, Validação, Redação – rascunho original, Redação – revisão & edição.

Referências

ABADAL, E.; SILVEIRA, L. Open peer review: otro paso hacia la ciencia abierta por parte de las revistas científicas. Anuario ThinkEPI, Barcelona, v. 14, e14e02, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.3145/thinkepi.2020.e14e02. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.3145/thinkepi.2020.e14e02

AGANETTE, E.; ALVARENGA, L.; SOUZA, R. R. Elementos constitutivos do conceito de Taxonomia. Informação & Sociedade: estudos, João Pessoa, v. 20, n. 3, 3 nov. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/3994. Acesso em: 22 fev. 2022.

ALBAGLI, S. Ciência Aberta em questão. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL CIÊNCIA ABERTA, QUESTÕES ABERTAS, Rio de Janeiro, 2014. Trabalho apresentado... Rio de Janeiro: Liinc; IBICT; OKF; Unirio, 2014. Disponível em: http://www.cienciaaberta.net/encontro2014/. Acesso em: 22 fev. 2022.

ALBAGLI, S. Divulgação científica: informação científica para cidadania. Ciência da Informação, Brasília, v. 25, v. 25, n. 3, p. 396-404, set./dez. 1996. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/639. Acesso em: 22 fev. 2022.

ALVES, L. Informação e os sistemas de comunicação científica na Ciência da Informação. DataGramaZero: revista de informação, [S. l.], v. 12, n. 3, p. 1-7, jun. 2011. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/v/7379. Acesso em: 30 jun. 2022.

ARTHUR, C. Tech giants may be huge, but nothing matches big data. The Guardian, New York, 23 Aug. 2013. Disponível em: https://bit.ly/3At3VOe. Aceso em: 30 jun. 2022

AUTRAN, M. M. M.; BORGES, M. L. Comunicação da ciência: (r)evolução ou crise?. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde, [S. l.], n. 2, v. 8, p.122-138, jun. 2014. Disponível em: https://bit.ly/3PCXk89. Acesso em: 22 fev. 2022.

AYRIS, P. et al. Open Science and its role in universities: a roadmap for cultural change. Leru Publications, Leuven, May 2018. Disponível em: https://bit.ly/3wanicA. Acesso em: 22 fev. 2022.

BARROGA, E. Innovative strategies for Peer Review. Journal of Korean Medical Science, Seoul, v. 35, n. 20, e138, May 2020. Disponível em: https://doi.org/10.3346/jkms.2020.35.e138. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.3346/jkms.2020.35.e138

BEZJAK, S. et al. Manual de formação em Ciência Aberta. Hannover: Fooster, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3c51vw2. Acesso em: 22 fev. 2022.

BRASIL. Infraestrutura Nacional de Dados Abertos (INDA). Política de Dados Abertos do Poder Executivo Federal. Brasília, 2020. Disponível em: http://wiki.dados.gov.br/Politica-de-Dados-Abertos.ashx. Acesso em: 22 fev. 2022.

BRAZIL, A. L.; ALBAGLI, S. Os usos da gamificação na mobilização cognitiva da ciência cidadã online. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v. 25, p. 01-21, mar. 2020. DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e66373. Disponível em: https://bit.ly/3QAlGke. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e66373

BUENO, W. C. Jornalismo científico no Brasil: compromissos de uma prática dependente. 1984. 364p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) - Universidade São Paulo, Escola de Comunicações e Artes, São Paulo, 1984. Disponível em: https://repositorio.usp.br/item/000716428. Acesso em: 10 mar. 2022.

BUENO, W. C. Comunicação científica e divulgação científica: aproximações e rupturas conceituais. Informação & Informação, Londrina, v. 15, n. 1 esp., p. 1-12, dez. 2010. DOI: http://dx.doi.org/10.5433/1981-8920.2010v15n1espp1. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/6585/6761. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.5433/1981-8920.2010v15nesp.p1

BUENO DE LA FUENTE, G. What is Open Science?: introduction. Foster, 2016. Disponível em: https://www.fosteropenscience.eu/node/1420. Acesso em: 22 fev. 2022.

CARIFIO, J.; PERLA, R. Resolving the 50‐year debate around using and misusing Likert scales. Medical Education, Oxford, v. 42, n. 12, p. 1150-1152, Dec. 2008. Disponível em: https://bit.ly/3c1KNxq. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1365-2923.2008.03172.x

CARVALHO, E. R. S. Diferenças na produção, compartilhamento e (re)uso de dados: a percepção de pesquisadores da Química, Antropologia e Educação visual. 2018. 173 f., il. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade de Brasília, Brasília, 2018. Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/32559. Acesso em: 22 fev. 2022.

CRESWELL, J. W. Pesquisa de métodos mistos. 2. ed. Porto Alegre Bookman, 2014.

DECKER, F. W. Scientific communications should be improved. Science, [S. l.], v. 125, n. 3238, p. 101-105, 8 Jan. 1957. DOI: 10.1126/science.125.3238. Disponível em: https://science.sciencemag.org/content/125/3238/101/tab-pdf. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1126/science.125.3238.101

FECHER, B; FRIESIKE, S. Open science: one term, five schools of thought. In: HUSCHKA, D.; SOLGA, H.; WAGNER, G. G. German Council for Social and Economic Data (RatSWD) Working Paper Series. Berlim: RatSWD, 2013. 30 maio 2013. Disponível em: https://bit.ly/3Cc4DAH . Acesso em: 22 fev. 2022.

FECHER, B.; FRIESIKE, S. Open Science: one term, five schools of thought. In: BARTLING, S.; FRIESIKE, S. Opening Science: the evolving guide on how the internet is changing research, collaboration and scholarly publishing. New York: Springer, 2014. Disponível em: https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-319-00026-8_2#Tab1. Acesso em: 22 fev. 2022.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. ed. rev. e atual. Curitiba, PR: Positivo, 2004. xxiv, 2120 p.

FIELD, A. Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2009.

FUNIEL; A. C. M.; MENDONÇA; A. P. B.; SILVA, R. M. Recursos Educacionais Abertos: conceitos e princípios. Rio de Janeiro: FioCruz, 2012. Disponível em: https://bit.ly/3K4FJoP. Acesso em: 22 fev. 2022.

GLOBAL OPEN ACCESS PORTAL. Brazil. Paris: Unesco, 2017. Disponível em: https://bit.ly/3dHdq3D. Acesso em: 22 fev. 2022.

GUIMARÃES, M. Brasil é o país com mais publicação científica em acesso aberto. Revista Fapesp, São Paulo, 21 jan. 2018. Disponível em: https://bit.ly/3weWAPM. Acesso em: 22 fev. 2022.

GUANAES, P. C. V. (Org.). Marcos legais nacionais em face da abertura de dados para pesquisa em saúde: dados pessoais, sensíveis ou sigilosos e propriedade intelectual. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2018. 123 p. Disponível em: https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/28838. Acesso em: 22 fev. 2022.

HAIR, J. F.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre, RS: Bookman, 2005.

HEISE, C.; PEARCE, J. M. From Open Access to Open Science: The Path From Scientific Reality to Open Scientific Communication. SAGE Open, Thousand Oaks, v. 10, n. 2, p.1-14, Apr./Jun. 2020. DOI: 10.1177/2158244020915900. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/2158244020915900. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1177/2158244020915900

HOWE, A. et al. Imagining tomorrow's university in an era of open science. F1000Research, London, v. 6, n. 405, mar. 2017. Disponível em: https://doi.org/10.12688/f1000research.11232.2. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.12688/f1000research.11232.2

HOWE; B.; GRECHKIN, M. Wide Open Science. In: Workshop Imagining Tomorrow’s University: Rethinking scholarship, education, and institutions for an open, networked era. Zenodo, Meyrin, 12 feb. 2017. Disponível em: http://doi.org/10.5281/zenodo.290592. Acesso em: 22 fev. 2022.

JÚLIO, R. A. Dados são o novo petróleo. Época Negócios, Rio de Janeiro, 19 jul. 2019. Disponível em: http://glo.bo/3c1VpMX. Acesso em: 22 fev. 2022.

KAISER, H. F. The application of electronic computers to factor analysis. Educational and Psychological Measurement, Durham, v. 20, n. 1, p. 141-151, Apr. 1960. Disponível em: https://doi.org/10.1177/001316446002000116. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1177/001316446002000116

KAISER, H. F. The varimax criterion for analytic rotation in factor analysis. Psychometrika, Williamsburg, v. 23, p. 187-200, 1958. Disponível em: https://doi.org/10.1007/BF02289233. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1007/BF02289233

KATZ, D. S. et al. The principles of tomorrow's university [version 1; peer review: 2 approved]. F1000Research, London, 7, n. 1926, Dec. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.12688/f1000research.17425.1. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.12688/f1000research.17425.1

KERLINGER, F. N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento conceitual. São Paulo: EPU, 1979.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Fundamentos da metodologia científica. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

LA REFERÊNCIA. Compartilhando e dando visibilidade à produção científica na América Latina. Buenos Aires, 2019. Disponível em: https://bit.ly/3QAa9Bt. Acesso em: 12 fev. 2020.

LOPES, A. C.; ANTUNES, M. L.; SANCHES, T. Contributos da literacia da informação para a Ciência Aberta. Revista de Sistemas de Información y Documentación, Zaragoza, v. 12, n. 1, p. 59-67, 2018. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/35256. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.54886/ibersid.v12i1.4437

MACULAN, B. C. M. S.; LIMA, G. Â. B. O. Taxonomia facetada navegacional: agregando valor às informações disponibilizadas em bibliotecas digitais de teses e dissertações. In: ENCONTROS NACIONAIS DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 12., 2011, Brasília. Anais... Brasília: ANCIB, 2011. p. 696-714. Disponível em: https://bit.ly/3T3X1WX. Acesso em: 22 fev. 2022.

MANN, P. S. Introdução à estatística. 8. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

MARTINS, G. A.; DOMINGUES, O. Estatística geral e aplicada. 6. ed. Rio de Janeiro: Atlas, 2017.

MARTINS, G. A. S. Identificação de plásticos comerciais por meio de um nariz eletrônico baseado em polímeros condutores. 2011. Tese (Doutorado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais) – Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. DOI: 10.11606/T.3.2011.tde-31052011-152800. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.11606/T.3.2011.tde-31052011-152800

MCNUTT, M. Improving Scientific Communication. Science, New York, v. 342, n. 6154, p. 13, 4 Oct 2013. DOI: 10.1126/science.1246449. Disponível em: https://science.sciencemag.org/content/342/6154/13. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1126/science.1246449

MEDEIROS, J. W. Taxonomia navegacional facetada: análise à luz dos princípios da classificação facetada. 2013. 123 p. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013. Disponível em: https://bit.ly/3SWb1SG. Acesso em: 22 fev. 2022.

MIRANDA, A. C. D.; DAMÁSIO, E.; FIRME, S. M. Apresentação. In: MIRANDA, A. C. D.; DAMÁSIO, E.; FIRME, S. M. Ciência Aberta: visão e contribuição a partir dos periódicos científicos. Rio Grande, RS: Ed. da FURG, 2020. Disponível em: http://repositorio.furg.br/handle/1/8792. Acesso em: 22 fev. 2022.

NASCIMENTO, A. G.; ALBAGLI, S. Conceitos de Ciência Aberta no Brasil: uma revisão sistemática de literatura. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 20., 2019, Florianópolis. Anais… Florianópolis: Ancib, 2019. Disponível em: https://conferencias.ufsc.br/index.php/enancib/2019/paper/view/1125. Acesso em: 22 fev. 2022.

NASSI-CALÒ, L. Os pareceres de propostas de financiamento a pesquisa poderiam ser abertos? SciELO em Perspectiva, São Paulo, 20 mar. 2015. Disponível em: https://bit.ly/3CfENvY. Acesso em: 22 fev. 2022.

OLIINYK, O. The role of V. Lihin’s scientific publications in international journals. History of science and technology, Kyiv, v. 10, n. 1(16), p. 62-71, 5 jun. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.32703/2415-7422-2020-10-1(16)-62-71. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.32703/2415-7422-2020-10-1(16)-62-71

PINHEIRO, L. V. R. Do acesso livre à ciência aberta: conceitos e implicações na comunicação científica. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação e Saúde, Manguinhos , v. 8, n. 2, p.153-165, jun. 2014. DOI: https://doi.org/10.3395/reciis.v8i2.629. Disponível em: https://bit.ly/3pugKBO. Acesso em: 22 fev. 2022.

PONTIKA, N.; KNOTH, P. Open Science Taxonomy. [S. l.]: Foster, 2015. Disponível em: http://oro.open.ac.uk/47806/1/os_taxonomy.png. Acesso em: 22 fev. 2022.

PONTIKA, N. et al. Fostering Open Science to Research using a Taxonomy and an eLearning Portal. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON KNOWLEDGE TECHNOLOGIES AND DATA DRIVEN BUSINESS, 15., 2015. DOI: http://dx.doi.org/10.1145/2809563.2809571. Proceeding... Graz, Áustria: autors, 2015. Disponível em: http://oro.open.ac.uk/44719/. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1145/2809563.2809571

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas de pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, RS: Feevale, 2013. 274 p.

RAYMOND, E. S. Open source. In: ENCYCLOPEDIA Britannica, 2019. Disponível em: https://www.britannica.com/topic/open-source. Acesso em: 22 fev. 2022.

REIS, R. S. Propriedade intelectual aplicada à ciência aberta: propriedade industrial. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2020. (Curso: Unidade 2). Disponível em: https://bit.ly/3PueKE1. Acesso em: 22 fev. 2022.

RENTIER, B. Open science: a revolution in sight?. Interlending & Document Supply, Boston, v. 44, n. 4, p. 155-160, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1108/ILDS-06-2016-0020. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1108/ILDS-06-2016-0020

REVEZ, J. As bibliotecas e o percurso histórico de abertura da ciência: revendo um roteiro de colaboração. Palabra Clave, La Plata, v. 9, n. 1, p. e077, 28 out. 2019. Disponível em: https://www.palabraclave.fahce.unlp.edu.ar/article/view/PCe077. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.24215/18539912e077

RIBEIRO, N. C.; OLIVEIRA, D. A. Universidades públicas federais brasileiras: ações e estratégias para a abertura da ciência. Revista Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 9, n. 2, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/moci/article/view/19184. Acesso em: 22 fev. 2022.

RIBEIRO, N. C.; SILVEIRA, L.; SANTOS, S. R. O. Taxonomia da Ciência Aberta. [Traduzido e adaptado de] Nancy Pontika e Petr Knoth. 2020. Título original: Open Science Taxonomy. Disponível em: http://repositorio.ufla.br/jspui/handle/1/39498. Acesso em: 22 fev. 2022.

ROCHA, L. L.; SALES, L. F.; SAYÃO, L. F. Uso de cadernos eletrônicos de laboratório para as práticas de ciência aberta e preservação de dados de pesquisa. Ponto de Acesso, Salvador, v. 11, n. 3, 2017. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistaici/article/view/24945. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.9771/rpa.v11i3.24945

RODRIGUES, K. O. et al. Percepção de pesquisadores de instituições públicas acerca da ciência aberta. Ciência da Informação, Brasília, v. 48, n. 3, 20 mar. 2020. Disponível em: http://revista.ibict.br/ciinf/article/view/4950. Acesso em: 22 fev. 2022.

ROLLO, M. F. Ciência Aberta conhecimento para o desenvolvimento. Lisboa: Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior | Portugal, 2016. Disponível em: https://bit.ly/3QXfAuh. Acesso em: 22 fev. 2022.

ROSS-HELLAUER, T.; DEPPE, A.; SCHMIDT, B. Survey on open peer review: Attitudes and experience amongst editors, authors and reviewers. Plos One, San Francisco, v. 12, n. 12, e0189311, 2017. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0189311. Disponível em: https://bit.ly/3wfWIi5. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0189311

SAYÃO, L. F.; SALES, L. F. Periódicos de resultados negativos: revelando uma parte invisível da ciência. In: SHINTAKU, M.; SALES, L. F. (Org.). Ciência aberta para editores científicos. Botucatu, SP: ABEC, 2019. p. 97-102. DOI: http://dx.doi.org/10.21452/978-85-93910-02-9.cap14. Disponível em: http://cev.org.br/arquivo/biblioteca/4047736.pdf. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.21452/978-85-93910-02-9.cap14

SHINTAKU, M. et al. Avaliação aberta pelos pares no âmbito da ciência aberta: revisão e reflexão. Biblos, Rio Grande, v. 34, n. 1, p. 129-148, jan./jun. 2020. DOI: https://doi.org/10.14295/biblos.v34i1.11189. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/11189. Acesso em: 22 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.14295/biblos.v34i1.11189

SILVA, P. F. P. As políticas de Open Data em Portugal: análise da sua implementação e impacto. 2017. 155 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 2017. Disponível em: https://eg.uc.pt/handle/10316/47025. Acesso em: 22 fev. 2022.

SILVEIRA, L. et al. Ciência aberta na perspectiva de especialistas brasileiros: proposta de taxonomia. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 1-27, 2021. DOI 10.5007/1518-2924.2021.e79646. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/79646. Acesso em: 10 jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2021.e79646

VIEIRA, L. A. Os caminhos da comunicação científica: história, diálogos e perspectivas. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM HISTÓRIA DAS CIÊNCIAS, 1., 2010, Belo Horizonte. Anais… Belo Horizonte: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG, 2010. p. 297 - 312. Disponível em: https://bit.ly/3K6THqg. Acesso em: 22 fev. 2022.

Pixbay (Free photograph)

Publicado

2022-08-18

Como Citar

RIBEIRO, N. C.; OLIVEIRA, D. A. .; DIAS, C. da C. .; MIRANDA, A. C. D. . Importância das práticas de Ciência Aberta e de comunicação científica na perspectiva de atores envolvidos. RDBCI: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, SP, v. 20, n. 00, p. e022019, 2022. DOI: 10.20396/rdbci.v20i00.8670366. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/8670366. Acesso em: 28 nov. 2022.