O método lógico-histórico nas análises epistemológicas: a experiência brasileira no campo da Educação Física

Autores

  • Silvio Sánchez Gamboa Universidade Estadual de Campinas
  • Márcia Chaves Gamboa Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v6i2.8635370

Palavras-chave:

Análise epistemológica. Pesquisa educacional. Método lógico-histórico.

Resumo

Diversas pesquisas sobre a produção do conhecimento em Educação Física no Brasil nos últimos dez anos, registram dificuldades na superação dos conflitos próprios da construção de seu campo científico. A rivalidade entre as ciências naturais (Física, Anatomia, Biomecânica, Fisiologia, Física) e Humanidades e Ciências Sociais (Pedagogia, Sociologia, Psicologia, História, Filosofia), as disputas entre os métodos quantitativos e qualitativos, a busca pela objetividade na pesquisa analítica e explicitação da subjetividade nas pesquisas interpretativas desafiar os cientistas que analisam essa produção. Estudos sobre a produção de professores portadores de títulos de mestrado e doutorado que atuam na região nordeste do Brasil, mostram que estes conflitos podem também ser elucidados e compreendidos, interpretando a produção científica desde o ponto de vista da epistemologia da práxis e do método lógico histórico. De acordo com a epistemologia da práxis, a pesquisa e o desenvolvimento do campo científico devem se originar na prática e no campo profissional e intelectual e devem dar respostas às necessidades e problemas da prática. O método lógico-histórico é uma ferramenta de análise epistemológica da produção científica que ajuda, em primeiro lugar, a recuperar suas características, sua lógica interna, o modelo paradigmático ou epistemologia dominante nas teses, ou relatórios de pesquisa. Em segundo lugar, ajuda a recuperar as condições materiais, institucionais e políticas que determinam a produção e revelam sua inserção em perspectivas, tendências, concepções científicas privilegiadas e a influência de políticas científicas, interesses e ideologias sociais dominantes. Os resultados indicam que a formação do campo científico da Educação Física ainda está na fase da "guerra da ciência". Confirma-se assim, que a produção científica não é neutra e que obedece a interesses dominantes nas regiões, instituições, grupos de pesquisa e estruturas sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvio Sánchez Gamboa, Universidade Estadual de Campinas

Dr em Filosofia e História da Educação. Professor da graduação e pós-graduação da Faculdade de Educação da Unicamp. Lider do Grupo de Estudos e Pesquisa em Filosofia da Educação PAIDÉIA.

Márcia Chaves Gamboa, Universidade Federal de Alagoas

Licenciada e mestre em Educação Física, doutora em Educação. Pósdoutorado em Educação. Pesquisadora visitante do grupo Paideia da FE/Unicamp.

Downloads

Publicado

2014-06-29

Como Citar

SÁNCHEZ GAMBOA, S.; CHAVES GAMBOA, M. O método lógico-histórico nas análises epistemológicas: a experiência brasileira no campo da Educação Física. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 3–15, 2014. DOI: 10.20396/rfe.v6i2.8635370. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8635370. Acesso em: 17 out. 2021.