Poderia a ciência cognitiva ser dividida entre natural e cultural?

  • Daniel Luporini Faria Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Produção de Conhecimento.

Resumo

No presente artigo, pretende-se analisar criticamente as ideias de Marcos Barbosa de Oliveira expressas em seu livro Da ciência cognitiva `a dialética´. Na referida obra, partindo de seu conceito de prognoplasia ou transformação cognitiva, Oliveira sugere que a ciência cognitiva deveria ser dividida em ciência cognitiva natural e ciência cognitiva cultural; isto porque a prognoplasia seria um fenômeno capaz de transformar em culturais aspectos pertinentes às ciências naturais. Desenvolvido inicialmente por Popper, tal fenômeno, chamado por ele de efeito Édipo, segundo a argumentação de Oliveira tenderia a transformar o homem num ser robotizado (tendo em vista uma polêmica declaração de Dennett).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Luporini Faria, Universidade Estadual Paulista
Possui bacharelado em Filosofia e mestrado em Filosofia da Mente, Lógica e Epistemologia pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Atualmente, dedica-se à pesquisa e trabalha como professor da rede estadual de ensino. 
Publicado
2012-10-29
Como Citar
Faria, D. L. (2012). Poderia a ciência cognitiva ser dividida entre natural e cultural?. Filosofia E Educação, 4(2), 285-296. https://doi.org/10.20396/rfe.v4i2.8635433