A virada linguística na pesquisa educacional: mapeando tendências para a análise filosófica

Autores

  • Volmir von Dentz Instituto Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v8i3.8647085

Palavras-chave:

Tendências pós-críticas. Pesquisa em educação. Análise cienciométrica, filosófica e crítica.

Resumo

O presente artigo aborda a virada linguística no contexto da produção acadêmica de teses em nível de doutorado em Educação e apresenta uma pesquisa que foi concluída em 2015. Iniciamos com algumas considerações epistemológicas da pesquisa educacional situando as tendências em destaque. Em seguida, apresentamos um resumo dos três momentos fundamentais da análise (cienciométrica, epistemológica e crítica) e, por fim, os dados que revelam a significativa utilização dos referenciais pós-críticos na pesquisa educacional brasileira, alguns dos seus pressupostos essenciais e algumas indicações em defesa da necessidade da crítica ontológica nesse contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Volmir von Dentz, Instituto Federal de Santa Catarina

Doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Professor do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC)

Referências

BHASKAR, Roy. A realist theory of science. London: Verso, 2008.

BHASKAR, Roy. The possibility of naturalism: a philosophical critique of the contemporary human sciences. 3ª Ed. London and New York: Routledge. 2000.

DENTZ, Volmir von. As tendências pós-críticas na pesquisa em Educação: análise filosófica e crítica ontológica. 2015. 393 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2015.

GATTI, Bernardete Angelina. Implicações e perspectivas da pesquisa educacional no Brasil contemporâneo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 113, p. 65-81, jul., 2001.

GATTI, Bernardete Angelina. Estudos Quantitativos em Educação. Pesquisa e Educação, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 11-30, jan./abr. 2004.

LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social. Volume 1. São Paulo: Boitempo, 2012.

LUKÁCS, György. Para uma ontologia do ser social. Volume 2. São Paulo: Boitempo, 2013.

MACIAS-CHAPULA, Cesar Augusto. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 2, p. 134-140, mai./ago. 1998.

MORAES, Maria Célia Marcondes de. Os “pós-ismos” e outras querelas ideológicas. Perspectiva, Florianópolis, n. 24, p. 45-59, jan./jun. 1996.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Pesquisas Pós-Críticas em Educação no Brasil: esboço de um mapa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 122, p. 283-303, maio/ago, 2004.

SÁNCHEZ GAMBOA, Silvio Ancizar. Epistemologia da Pesquisa em Educação: estruturas lógicas e tendências metodológicas. 1987. 229 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1987.

SÁNCHEZ GAMBOA, Silvio Ancizar. Pesquisa em Educação: métodos e epistemologias. Chapecó: Argos, 2007.

WORTMANN, Maria Lúcia Castagna; VEIGA-NETO, Alfredo. Estudos Culturais na Ciência & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

Downloads

Publicado

2016-12-04

Como Citar

Dentz, V. von. (2016). A virada linguística na pesquisa educacional: mapeando tendências para a análise filosófica. Filosofia E Educação, 8(3), 33–56. https://doi.org/10.20396/rfe.v8i3.8647085