Realidade da produção do conhecimento em Educação Física: determinações históricas e epistemológicas

Autores

  • Moises Henrique Zeferino Alves Universidade Federal da Bahia
  • Ana Lúcia Silva Souza Universidade Federal da Bahia
  • Eliabe de Oliveira Figueiredo União Metropolitana de Educação e Cultura

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v8i3.8647100

Palavras-chave:

Produção do Conhecimento. Epistemologia. Educação Física

Resumo

Este artigo tem como objetivo contribuir com a crítica aos PNPG e suas determinações na produção do conhecimento dos professores de Educação Física das IES do estado da Bahia no período de 1982 a 2012, através da análise epistemológica. Trata-se de uma pesquisa documental, cujos dados foram analisado a luz do método do materialismo histórico e dialético. Os resultados apontam que os PNPG apresentam em seus objetivos e diretrizes uma concepção de pós-graduação que estimula o produtivismo acadêmico e a aproximação da ciência ao capital que determinam uma produção predominantemente desenvolvida com base na lógica formal. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Moises Henrique Zeferino Alves, Universidade Federal da Bahia

Graduado em Licenciatura em Educação Física pela UNIRB, Especialista em Metodologia do Ensino e da Pesquisa em Educação Física pela UFBA, Esporte e Lazer, Mestrando em Educação pela UFBA

Ana Lúcia Silva Souza, Universidade Federal da Bahia

Especialista em Educação Física - UFBA

Eliabe de Oliveira Figueiredo, União Metropolitana de Educação e Cultura

Licenciado em Educação Física - UNIME

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano de Pós-graduação – PNPG 2005-2010. Brasília: CAPES, 2004. 2012 p.

BRASIL. Brasil. Ministério da Educação. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Plano Nacional de Pós-Graduação – PNPG 2011-2020. Vol. 1. Brasília: CAPES, 2010. 309 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Federal de Educação. Secretaria do Ensino Superior. Parecer 977/65. Brasília: 1965.

BARROS, Elionora Maria Cavalcanti. Política de pós-graduação na ótica do PNPGs. In: BARROS, Elionora Maria Cavalcanti. Política de pós-graduação no Brasil (1975/1990): um estudo da participação da comunidade científica. São Paulo, Ed. UFScar, 1998. Capítulo IV, p. 115-160.

CHAVES-GAMBOA, Márcia; SÁNCHEZ GAMBOA, Silvio. Pesquisa na Educação Física: Epistemologia, Escola e Formação de Professores. Maceió: EDUFAL, 2009. 174 p.

GAMBOA, Silvio Sánchez. Epistemologia da pesquisa em educação: Estruturas lógicas e tendências metodológicas. 1987. 154 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas. 1987.

HOSTINS, Regina Célia Linhares. Formação de pesquisadores na pós-graduação em educação: embates ontológicos e epistemológicos. 2006. 176 f. Tese (Doutorado em Educação). Universidade Federal de Santa Catarina, UFSC, Florianópolis, 2006.

SILVA JÚNIOR, João dos Reis; SILVA, Eduardo Pinto e; SACRAMENTO, Leonardo. O político e o Jurídico na aproximação do conhecimento ao capital produtivo. Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, Campo Grande – MS, n. 30, p. 203-220, jul/dez. 2010.

SILVA JÚNIOR, João dos Reis; FERREIRA, Luciana Rodrigues; KATO, Fabíola Bouth Grello. Trabalho do professor pesquisador diante da expansão da pós-graduação no Brasil pós-LDB. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 18, n. 53, p. 435-456, jun. 2013.

SILVA, Rossana Valéria Souza e. Pesquisa em Educação Física: Determinações históricas e implicações epistemológicas. 1997. 278 f. Tese (Doutorado em Educação). Faculdade de Educação, UNICAMP, Campinas. 1997.

LACKS, Solange. Formação de professores: A possibilidade da prática como articuladora do conhecimento. 2004. 276 F. Tese (doutorado em Educação) Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia.

Downloads

Publicado

2016-12-04

Como Citar

Alves, M. H. Z., Souza, A. L. S., & Figueiredo, E. de O. (2016). Realidade da produção do conhecimento em Educação Física: determinações históricas e epistemológicas. Filosofia E Educação, 8(3), 81–103. https://doi.org/10.20396/rfe.v8i3.8647100