As escolas e o ressurgir da filosofia no Renascimento Carolíngio

Autores

  • Manoel Vasconcellos Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v10i2.8651092

Palavras-chave:

Dialética. Predestinação. Renascimento.

Resumo

Com o fim do Império Romano, a estrutura educacional foi abalada. A religião cristã foi capaz de preservar a tradição da antiguidade. Pouco a pouco uma nova civilização vai surgindo, erguendo-se a partir de três bases: a cultura romana subsistente, o impacto dos bárbaros e a religião cristã. No reino dos francos, Carlos Magno faz renascer a cultura, através de sua aliança com a Igreja. Surgem novas escolas e há uma retomada das artes liberais; a dialética, particularmente, será a base para a retomada dos debates filosóficos, mesmo inseridos em polêmicas teológicas, tais como a discussão em torno da predestinação divina que colocou em lados opostos Godescalco e Scoto Eriúgena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Manoel Vasconcellos, Universidade Federal de Pelotas

Professor do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Universidade Federal de Pelotas; doutor em Filosofia (PUC-RS)

Referências

AUGUSTINUS HIPPONENSIS. Opere Omnia. Patrologiae Latinae. Disponível em: https://www.augustinus.it/latino/index.htm. Acesso em: 25 nov. 2017.

BROCCHIERI, Mariateresa; PARODI, Massimo. Storia dela Filosofia Medievale. 2. ed. Roma-Bari, 1998.

DAWSON, Christopher. Criação do Ocidente. São Paulo: É Realizações, 2016.

DHOND, Jan. La Alta Edad Media. 8. ed. Madrid: Siglo XXI, 1978.

ERIÚGENA, Giovanni Scoto. De Praedestinatione liber. Firenze: Edizioni del Galluzzo, 2003.

FLASCH, Kurt. Introduzione ala Filosofia Medievale. Torino: Eunaudi, 2002.

GENET, Jean-Pierre. Igreja e Poder. In: LE GOFF, Jacques; SCHIMITT, Jean-Claude. Dicionário temático do Ocidente Medieval. Bauru: Edusc, 2002. v.1.

GILSON, Etienne. A Filosofia na Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

GODESCALC D’ORBAIS. Oeuvres Théologiques et Grammaticales. Louvain: Spicelegium Sacrum Lovaniense, 1945.

GUENÉE, Bernard. Corte. In: LE GOFF, Jacques; SCHIMITT, Jean-Claude. Dicionário Temático do Ocidente Medieval. Bauru: Edusc, 2002. v.1.

KNOWLES, David. The Evolution of Medieval Thought. 2. ed. London: Longman, 2000.

MAINOLDI, Ernesto. Introduzione. In: ERIÚGENA, Giovanni Scoto. De Praedestinatione liber. Firenze: Edizioni del Galluzzo, 2003.

OLIVEIRA, Terezinha; SIBIN, Priscila. Mestre Alcuíno e a Formação da Liderança Carolíngia: uma análise de espelho de Príncipe. Iimagens da Educação, Maringá, v.3, n.1, p. 19-29, 2013. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ImagensEduc/article/view/19558. Acesso em: 25 nov. 2017.

QUEIROZ, Tereza. Aprender a Saber na Idade Média. In: MONGELLI, Lênia (Org.). Trivium e Quadrivium. As artes liberais na Idade Média. Cotia: Ibis, 1999.

RIGHI, Maurício. Meta-História e História. In: DAWSON, Christopher. Criação do Ocidente. São Paulo: É Realizações, 2016.

VEYRARD-COSME, Christine. Alcuin. In: GOUVARD, Claude; DE LIBERA, Alain; ZINK, Michel. Dictionnaire du Moyen Âge. 2. ed. Paris: PUF, 2006.

VITORETTI, R.A; OLIVEIRA, T. Carlos Magno, Alcuíno e o Renascimento Carolíngio. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 2002, Flortianópolis. Trabalhos completos. Florianópolis: [s.n.], 2002. v.1.

Downloads

Publicado

2018-10-15

Como Citar

VASCONCELLOS, M. As escolas e o ressurgir da filosofia no Renascimento Carolíngio. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 249-263, 2018. DOI: 10.20396/rfe.v10i2.8651092. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8651092. Acesso em: 27 out. 2020.