Sobre a ensinabilidade e a aprendizibilidade da filosofia: reflexões acerca da especificidade do exercício filosófico

Autores

  • Jenerton Arlan Schütz Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI) http://orcid.org/0000-0002-3603-7097
  • Ivan Luís Schwengber Universidade Comunitária da Região de Chapecó

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v10i2.8651165

Palavras-chave:

Ensinar. Aprender. Filosofia.

Resumo

O presente texto reflete sobre a relação entre o ensinar e aprender filosofia. As indagações que levantamos neste artigo referem-se ao exercício da filosofia, ou seja, é possível que a filosofia seja “ensinável”? E “aprendível”? Para destrinchar os fios filosóficos das interrogações, o estudo decompõe-se em três partes: i) tematiza a ensinabilidade da filosofia, buscando superar a célebre discussão sobre se se ensina a filosofia ou se ensina a filosofar; ii) problematiza a aprendizibilidade da filosofia; iii) desenvolve a perspectiva da especificidade da filosofia. Ademais, considera que o ensino e a especificidade da filosofia está no ato de criação de conceitos. Caso queiramos um ensino de filosofia “filosófica”, necessitamos desenvolvê-lo a partir dos conceitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jenerton Arlan Schütz, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI)

Doutorando em Educação nas Ciências (UNIJUI), Mestre em Educação nas Ciências (UNIJUI), Especialista em Metodologia de Ensino de História pela Uniasselvi e Licenciado em História e Sociologia pela mesma Instituição. Bolsista CAPES.

Ivan Luís Schwengber, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Mestrando em Educação pela UNOCHAPECÓ, graduado em Filosofia pela Faculdade de Filosofia Nossa Senhora da Imaculada Conceição (1999), com habilitação em História e Psicologia da Educação, pós-graduado em Metodologia de Ensino de Filosofia e Sociologia e Gestão Escolar. Tem experiência na área de Filosofia e História no Ensino Médio e Gestão Escolar.

Referências

ALMEIDA, V. S. de. Educação em Hannah Arendt: entre o mundo deserto e o amor ao mundo. São Paulo: Cortez, 2011.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

ARENDT, H. A vida do espírito. Tradução de Antonio Abranches e Helena Martins. 2. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará/ED. UFRJ, 1993.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

KANT, I. Crítica da Razão Pura; Trad. Valério Rohden e Uno Baldur Mooosburger. 2. Ed. São Paulo: Abril Cultura, 1983.

NIETZSCHE, F. Ecce Hommo: como alguém se torna o que é. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

PLATÃO. O banquete – Apologia de Sócrates. Tradução de Carlos Alberto Nunes. 2. ed. Belém: Editora Universitária da UFPA, 2001.

POMBO, Olga. A Escola, a Recta e o Círculo. Lisboa: Relógio d’Água, 2002.

SANTOS, B. S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia as emergências. In: SANTOS, B. S. O conhecimento prudente para uma vida descente. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SAVATER, F. As perguntas da vida. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SAVATER, F. O meu dicionário filosófico. Lisboa: Dom Quixote, 2000.

Downloads

Publicado

2018-10-15

Como Citar

SCHÜTZ, J. A.; SCHWENGBER, I. L. Sobre a ensinabilidade e a aprendizibilidade da filosofia: reflexões acerca da especificidade do exercício filosófico. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 331-349, 2018. DOI: 10.20396/rfe.v10i2.8651165. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8651165. Acesso em: 31 out. 2020.