Banner Portal
Sobre a ensinabilidade e a aprendizibilidade da filosofia: reflexões acerca da especificidade do exercício filosófico
PDF

Palavras-chave

Ensinar. Aprender. Filosofia.

Como Citar

SCHÜTZ, Jenerton Arlan; SCHWENGBER, Ivan Luís. Sobre a ensinabilidade e a aprendizibilidade da filosofia: reflexões acerca da especificidade do exercício filosófico. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 331–349, 2018. DOI: 10.20396/rfe.v10i2.8651165. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8651165. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

O presente texto reflete sobre a relação entre o ensinar e aprender filosofia. As indagações que levantamos neste artigo referem-se ao exercício da filosofia, ou seja, é possível que a filosofia seja “ensinável”? E “aprendível”? Para destrinchar os fios filosóficos das interrogações, o estudo decompõe-se em três partes: i) tematiza a ensinabilidade da filosofia, buscando superar a célebre discussão sobre se se ensina a filosofia ou se ensina a filosofar; ii) problematiza a aprendizibilidade da filosofia; iii) desenvolve a perspectiva da especificidade da filosofia. Ademais, considera que o ensino e a especificidade da filosofia está no ato de criação de conceitos. Caso queiramos um ensino de filosofia “filosófica”, necessitamos desenvolvê-lo a partir dos conceitos.

https://doi.org/10.20396/rfe.v10i2.8651165
PDF

Referências

ALMEIDA, V. S. de. Educação em Hannah Arendt: entre o mundo deserto e o amor ao mundo. São Paulo: Cortez, 2011.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. Tradução de Mauro W. Barbosa. 7. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013.

ARENDT, H. A vida do espírito. Tradução de Antonio Abranches e Helena Martins. 2. ed. Rio de Janeiro: Relume Dumará/ED. UFRJ, 1993.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

DELEUZE, G. & GUATTARI, F. O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

KANT, I. Crítica da Razão Pura; Trad. Valério Rohden e Uno Baldur Mooosburger. 2. Ed. São Paulo: Abril Cultura, 1983.

NIETZSCHE, F. Ecce Hommo: como alguém se torna o que é. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

NIETZSCHE, F. Assim falou Zaratustra. 7. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

NIETZSCHE, F. Além do bem e do mal. São Paulo: Cia das Letras, 1992.

PLATÃO. O banquete – Apologia de Sócrates. Tradução de Carlos Alberto Nunes. 2. ed. Belém: Editora Universitária da UFPA, 2001.

POMBO, Olga. A Escola, a Recta e o Círculo. Lisboa: Relógio d’Água, 2002.

SANTOS, B. S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia as emergências. In: SANTOS, B. S. O conhecimento prudente para uma vida descente. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SAVATER, F. As perguntas da vida. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

SAVATER, F. O meu dicionário filosófico. Lisboa: Dom Quixote, 2000.

O periódico Filosofia e Educaçãoutiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.