A docência em filosofia no contexto da profissão docente no país: aspectos conjunturais e reflexão filosófica

Autores

  • Christian Lindberg Lopes do Nascimento Departamento de Filosofia - Universidade Federal de Sergipe.

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v10i2.8651400

Palavras-chave:

Ensino de filosofia. Formação docente. Teoria crítica.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo expor um diagnóstico do docente de Filosofia, não descartando o uso de algumas informações gerais no que se refere à profissão de professor. A investigação, que surgiu da necessidade de suprir uma lacuna existente nos estudos sobre o ensino de Filosofia, partiu da seguinte questão: Qual é o perfil do docente de Filosofia? Alguns dados qualitativos e quantitativos foram considerados, como também a reflexão que Adorno fez em torno da docência. Do ponto de vista metodológico, o texto contempla a preocupação exposta pela Teoria crítica quando anuncia que o diagnóstico de situação é fundamental para identificar o potencial emancipatório existente na sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Christian Lindberg Lopes do Nascimento, Departamento de Filosofia - Universidade Federal de Sergipe.

Professor adjunto do Departamento de Filosofia (UFS). Integra o corpo docente do programa de pós-garduação em Filosofia da UFS e do mestrado profissional em Filosofia (UFPE). Membro do GT Filosofar e ensinar a filosofar da ANPOF.

Referências

ADORNO, T.W. Educação e emancipação. Tradução Wolfgang Leo Maar. 3.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2003.

ADORNO, T.W. Tabus a respeito do professor. In.: PUCCI, B.; OLIVEIRA, N.R.; ZUIN, A.A.S.; LASTÓRIA, L.A.C.N. (org.). Adorno: o poder educativo do pensamento crítico. 4.ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

ADORNO, T.W. Teoria da Semiformação. In.: PUCCI, B.; ZUIN, A.A.S.; LASTÓRIA, L.A.C.N. (org.). Teoria Crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Campinas: Autores Associados, 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Resolução CNE/CP n. 2 de 1º de julho de 2015. Brasília, 2015.

BRASIL.Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Parecer n. 02/2015, aprovado em 9 de junho de 2015. Brasília, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da Educação Básica 2016: notas estatísticas. Brasília: INEP, 2017. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/notas_estatisticas/2017/notas_estatisticas_censo_escolar_da_educacao_basica_2016.pdf . Acesso em: 23 de abril de 2017.

BRASIL. Censo da Educação Superior 2016: notas estatísticas. Brasília: INEP, 2017. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2016/notas_sobre_o_censo_da_educacao_superior_2016.pdf. Acesso em: 1° de setembro de 2017.

BRASIL. Censo escolar 2013: perfil da docência no ensino regular. Brasília: INEP, 2015.

BRASIL. Formação de professores do ensino médio. Caderno II: Ciências Humanas. Curitiba: EdUFPR, 2014.

BRASIL. Remuneração dos docentes em exercício na educação básica: um pareamento das bases de dados do Censo Escolar e da RAIS. Brasília, 2017.

FAVERO, A.A. (et.al). O ensino de Filosofia no Brasil: um mapa das condições atuais. Caderno CEDES, Campinas, v. 24, n. 64, set./dez., p. 257-284. 2004. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br/. Acesso em: 15 de agosto de 2016.

FUNDAÇÃO LEMMAN. Portal QEdu. Disponível em: http://qedu.org.br/. Acesso em: 25 de novembro de 2017.

GALLO, S. Metodologia do ensino de filosofia: uma didática para o ensino médio. Campinas: Papirus, 2012.

GATTI, B.A. Educação, escola e formação de professores: políticas e impasses. Educar em Revista, Curitiba, n. 50, out./dez., p. 51-67. 2013. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/educar/article/view/34740. Acesso em: 20 de maio de 2016.

IDADOS. Perfil dos Futuros Professores. Boletim IDados da Educação. Rio de Janeiro: Instituto Alfa & Beto, 2016.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior. n.32, abr. Brasília: Ipea, 2014.

MATOS, J.C. A formação pedagógica dos professores de filosofia: um debate, muitas vozes. São Paulo: Loyola, 2013.

NOBRE. M. (org.). Curso Livre de Teoria Crítica. 3.ed. São Paulo: Papiros, 2008.

OCDE. Education at a Glance 2017: OCDE indicators. Paris: OCDE Publishing, 2017. Disponível em: http://www.oecd-ilibrary.org/education/education-at-a-glance-2017_eag-2017-en. Acesso em: 10 de novembro de 2017.

OLIVEIRA, P.R. A formação do professor de filosofia: entre o geral e o particular. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Brasília, n. 24: maio/out, p. 221-231, 2015. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/resafe/article/view/17468/0. Acesso em 15 de setembro de 2017.

RIBEIRÃO PRETO. CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Parecer sobre o projeto de Lei Complementar que dispõe sobre o credenciamento de Professores Substitutos para ministrarem aulas avulsas surgidas na Rede Municipal de Ensino de Ribeirão Preto. Disponível em: https://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/seducacao/pdf/parecer_0701.pdf. Acesso em: 15 de novembro de 2017.

SAVIANI, D. Formação de professores no Brasil: dilemas e perspectivas. Revista Poíesis Pedagógica, Goiânia, v. 09, n. 01, p. 07-19, 2011. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/poiesis/article/view/15667. Acesso em: 21 julho 2017.

SILVA, F.L. Currículo e formação: o ensino da Filosofia. Revista Síntese Nova Fase. Belo Horizonte, v. 20, n. 63, p.797-806, 1993. Disponível em: http://faje.edu.br/periodicos/index.php/Sintese/article/view/1301. Acesso em: 13 de maio de 2016.

VEIGA, I.P.A.; AMARAL, A.L. (org.). Formação de professores: políticas e debates. Campinas: Papirus, 2002.

Downloads

Publicado

2018-10-15

Como Citar

NASCIMENTO, C. L. L. do. A docência em filosofia no contexto da profissão docente no país: aspectos conjunturais e reflexão filosófica. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 310-330, 2018. DOI: 10.20396/rfe.v10i2.8651400. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8651400. Acesso em: 27 out. 2020.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)