O recurso didático à geometria em Agostinho e Espinosa

Autores

  • Fernando Bonadia de Oliveira Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v10i3.8651403

Palavras-chave:

Agostinho de Hipona (354-430). Bento de Espinosa (1632-1677). Geometria.

Resumo

O objetivo do ensaio é compreender como Agostinho e Espinosa empregam a geometria na exposição de seus sistemas, tendo como foco o aspecto didático, devidamente sublinhado e discutido por cada um deles. Conclui-se que tal recurso é comum aos dois filósofos em sentido semelhante, sobretudo pela perspectiva da aplicação didática. No entanto, o modo de promover o uso da geometria segue orientações distintas em cada um dos sistemas. Enquanto Agostinho evoca a matemática para reforçar o desligamento dos sentidos corporais, Espinosa se vale do expediente dos matemáticos para pensar não o desligamento dos sentidos, mas a reordenação das afecções corporais do aprendiz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Bonadia de Oliveira, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Graduado em Pedagogia e Filosofia pela UNICAMP. Mestre em  Educação pela mesma instituição. Doutor em Filosofia pela USP. Professor Adjunto de Filosofia da Educação da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

AGOSTINHO. Solilóquios. Tradução: N. Oliveira. São Paulo: Paulinas, 1993.

AGOSTINHO. O livre-arbítrio. Tradução: H. Dalbosco. São Paulo: Paulus, 1995.

AGOSTINHO. A grandeza da alma. Tradução: A. Belmonte. São Paulo: Paulus, 2008.

AGUSTÍN. La dimensión del alma. In: Obras completas de San Agustin I. Tradução: V. Capanaga. Madrid: La Editorial Catolica/Biblioteca de Autores Cristianos, 1982.

AGUSTÍN. Del orden. In: Obras completas de San Agustin I. Tradução: V. Capanaga. Madrid: La Editorial Catolica/Biblioteca de Autores Cristianos, 1994a.

AGUSTÍN. Los soliloquios. In: Obras completas de San Agustin I. Tradução: V. Capanaga. Madrid: La Editorial Catolica/Biblioteca de Autores Cristianos, 1994b.

BASSO, Paola. Il secolo geometrico: La questione del metodo matematico in filosofia da Spinoza a Kant. Milano: La Lettere, 2004.

CAPANAGA, Victorino. Introducción. In: AUGUSTIN. La dimensión del alma. In Obras completas de San Agustin I. Tradução: V. Capanaga. Madrid: La Editorial Catolica/Biblioteca de Autores Cristianos, 1982.

CHAUI. Marilena. A nervura do real I. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

CHAUI, Marilena. Política em Espinosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CORNELLI, Gabriele; COELHO, Maria Cecilia. ‘Quem não é geômetra não entre!’ – geometria, filosofia e platonismo. Kriterion, Belo Horizonte, vol. 48, n. 116, pp.417-435, dez. 2007.

DELEUZE, Gilles. Spinoza et lê problème de l’expression. Paris: Minuit, 1968.

DELEUZE, Gilles. Espinosa – filosofia prática. Tradução: D. Lins & L. Lins. São Paulo: Escuta, 2002.

DESCARTES, René. “Objeções e respostas”. In: DESCARTES, René. Meditações metafísicas. Tradução: J. Guinsburg & B. Prado-Jr. São Paulo: Abril Cultural (Os Pensadores), 1983.

DESCARTES, René. Prefácio à epístola dedicatória. Tradução: H. Santiago. In: DESCARTES, René. Meditações metafísicas. Tradução: M. Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DOMÍNGUEZ, Atilano. Introducción. In: SPINOZA, Baruch. Ética demostrada según el orden geométrico. Tradução: A. Domínguez. Madrid: Trotta, 2009.

ESPINOSA, Bento. Correspondência [Cartas 8, 12, 13 e 36]. Tradução: M. Chaui. São Paulo: Abril (Os Pensadores), 1973.

ESPINOSA, Baruch. Tratado teológico-político. Tradução: D. Aurélio. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ESPINOSA, Baruch. Tratado político. Tradução: D. Aurélio. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ESPINOSA, Bento. Ética. Tradução: Grupo de Estudos Espinosanos. São Paulo: Edusp, 2015.

ESPINOSA, Bento. Tratado da emenda do intelecto. Tradução: C. Rezende. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

MEYER, Luis. Ao Sincero Leitor. Tradução: H. Santiago. Conatus, Fortaleza, vol. 1, n. 1, pp. 105-110, dez. 2007.

NOVAES, Moacyr. Interioridade e inspeção do espírito. Analytica, Rio de Janeiro, vol. 7, n. 1, pp. 97-112, dez, 2003.

OLIVEIRA, Fernando Bonadia. O lugar da educação na filosofia de Espinosa, 2008. 115p. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação (Universidade Estadual de Campinas), Campinas.

PLATÃO. Mênon. Tradução: M. Iglesias. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Loyola, 2001.

POUJOULAT, Jean-Joseph. Histoire de Saint Augustin IV. Paris: J. Labitt, 1845.

REZENDE, Cristiano. A ordem que naturalmente temos. Cadernos Espinosanos, São Paulo, vol. 11, n. 1, pp. 93-110, dez, 2004.

REZENDE, Cristiano. A ira, o trovão e círculo: aspectos aristotélicos da noção de definição explicativa da essência no De emendatione de Espinosa. Analytica, Rio de Janeiro, vol. 16, n. 1/2, pp. 85-118, dez, 2012.

SANTIAGO, Homero. Espinosa e o cartesianismo: o estabelecimento da ordem nos Princípios da filosofia cartesiana. São Paulo: Humanitas, 2004.

SPINOZA, Benedictus. Opera. [4 vols.]. Im Augrag der Heidelberger Akademie der Wissenschaften herausgegeben von Carl Gebhardt. Heidelberg: Auflage, 1972.

SPINOZA, Baruch. Correspondencia [Carta 17]. Tradução: A. Domínguez. Madrid: Alianza, 1988.

SPINOZA, Benedictus. Breve Tratado. Tradução: E. Fragoso & L. Oliva. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

SPINOZA, Benedictus. Princípios da Filosofia Cartesiana; Pensamentos Metafísicos. Tradução: H. Santigo & L. Oliva. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

TEIXEIRA, Lívio. A doutrina dos modos de percepção e o conceito de abstração na filosofia de Espinosa. São Paulo: Unesp, 2001.

TEIXEIRA, Lívio. Introdução. In: ESPINOSA, Baruch. Tratado da reforma da inteligência. Tradução: L. Teixeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

Downloads

Publicado

2018-10-15

Como Citar

OLIVEIRA, F. B. de. O recurso didático à geometria em Agostinho e Espinosa. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 452-487, 2018. DOI: 10.20396/rfe.v10i3.8651403. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8651403. Acesso em: 27 out. 2020.