Banner Portal
O recurso didático à geometria em Agostinho e Espinosa
PDF

Palavras-chave

Agostinho de Hipona (354-430). Bento de Espinosa (1632-1677). Geometria.

Como Citar

OLIVEIRA, Fernando Bonadia de. O recurso didático à geometria em Agostinho e Espinosa. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 10, n. 2, p. 452–487, 2018. DOI: 10.20396/rfe.v10i3.8651403. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8651403. Acesso em: 24 maio. 2024.

Resumo

O objetivo do ensaio é compreender como Agostinho e Espinosa empregam a geometria na exposição de seus sistemas, tendo como foco o aspecto didático, devidamente sublinhado e discutido por cada um deles. Conclui-se que tal recurso é comum aos dois filósofos em sentido semelhante, sobretudo pela perspectiva da aplicação didática. No entanto, o modo de promover o uso da geometria segue orientações distintas em cada um dos sistemas. Enquanto Agostinho evoca a matemática para reforçar o desligamento dos sentidos corporais, Espinosa se vale do expediente dos matemáticos para pensar não o desligamento dos sentidos, mas a reordenação das afecções corporais do aprendiz.

https://doi.org/10.20396/rfe.v10i3.8651403
PDF

Referências

AGOSTINHO. Solilóquios. Tradução: N. Oliveira. São Paulo: Paulinas, 1993.

AGOSTINHO. O livre-arbítrio. Tradução: H. Dalbosco. São Paulo: Paulus, 1995.

AGOSTINHO. A grandeza da alma. Tradução: A. Belmonte. São Paulo: Paulus, 2008.

AGUSTÍN. La dimensión del alma. In: Obras completas de San Agustin I. Tradução: V. Capanaga. Madrid: La Editorial Catolica/Biblioteca de Autores Cristianos, 1982.

AGUSTÍN. Del orden. In: Obras completas de San Agustin I. Tradução: V. Capanaga. Madrid: La Editorial Catolica/Biblioteca de Autores Cristianos, 1994a.

AGUSTÍN. Los soliloquios. In: Obras completas de San Agustin I. Tradução: V. Capanaga. Madrid: La Editorial Catolica/Biblioteca de Autores Cristianos, 1994b.

BASSO, Paola. Il secolo geometrico: La questione del metodo matematico in filosofia da Spinoza a Kant. Milano: La Lettere, 2004.

CAPANAGA, Victorino. Introducción. In: AUGUSTIN. La dimensión del alma. In Obras completas de San Agustin I. Tradução: V. Capanaga. Madrid: La Editorial Catolica/Biblioteca de Autores Cristianos, 1982.

CHAUI. Marilena. A nervura do real I. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

CHAUI, Marilena. Política em Espinosa. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CORNELLI, Gabriele; COELHO, Maria Cecilia. ‘Quem não é geômetra não entre!’ – geometria, filosofia e platonismo. Kriterion, Belo Horizonte, vol. 48, n. 116, pp.417-435, dez. 2007.

DELEUZE, Gilles. Spinoza et lê problème de l’expression. Paris: Minuit, 1968.

DELEUZE, Gilles. Espinosa – filosofia prática. Tradução: D. Lins & L. Lins. São Paulo: Escuta, 2002.

DESCARTES, René. “Objeções e respostas”. In: DESCARTES, René. Meditações metafísicas. Tradução: J. Guinsburg & B. Prado-Jr. São Paulo: Abril Cultural (Os Pensadores), 1983.

DESCARTES, René. Prefácio à epístola dedicatória. Tradução: H. Santiago. In: DESCARTES, René. Meditações metafísicas. Tradução: M. Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

DOMÍNGUEZ, Atilano. Introducción. In: SPINOZA, Baruch. Ética demostrada según el orden geométrico. Tradução: A. Domínguez. Madrid: Trotta, 2009.

ESPINOSA, Bento. Correspondência [Cartas 8, 12, 13 e 36]. Tradução: M. Chaui. São Paulo: Abril (Os Pensadores), 1973.

ESPINOSA, Baruch. Tratado teológico-político. Tradução: D. Aurélio. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ESPINOSA, Baruch. Tratado político. Tradução: D. Aurélio. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

ESPINOSA, Bento. Ética. Tradução: Grupo de Estudos Espinosanos. São Paulo: Edusp, 2015.

ESPINOSA, Bento. Tratado da emenda do intelecto. Tradução: C. Rezende. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

MEYER, Luis. Ao Sincero Leitor. Tradução: H. Santiago. Conatus, Fortaleza, vol. 1, n. 1, pp. 105-110, dez. 2007.

NOVAES, Moacyr. Interioridade e inspeção do espírito. Analytica, Rio de Janeiro, vol. 7, n. 1, pp. 97-112, dez, 2003.

OLIVEIRA, Fernando Bonadia. O lugar da educação na filosofia de Espinosa, 2008. 115p. Dissertação (Mestrado em Educação). Faculdade de Educação (Universidade Estadual de Campinas), Campinas.

PLATÃO. Mênon. Tradução: M. Iglesias. Rio de Janeiro: PUC-Rio/Loyola, 2001.

POUJOULAT, Jean-Joseph. Histoire de Saint Augustin IV. Paris: J. Labitt, 1845.

REZENDE, Cristiano. A ordem que naturalmente temos. Cadernos Espinosanos, São Paulo, vol. 11, n. 1, pp. 93-110, dez, 2004.

REZENDE, Cristiano. A ira, o trovão e círculo: aspectos aristotélicos da noção de definição explicativa da essência no De emendatione de Espinosa. Analytica, Rio de Janeiro, vol. 16, n. 1/2, pp. 85-118, dez, 2012.

SANTIAGO, Homero. Espinosa e o cartesianismo: o estabelecimento da ordem nos Princípios da filosofia cartesiana. São Paulo: Humanitas, 2004.

SPINOZA, Benedictus. Opera. [4 vols.]. Im Augrag der Heidelberger Akademie der Wissenschaften herausgegeben von Carl Gebhardt. Heidelberg: Auflage, 1972.

SPINOZA, Baruch. Correspondencia [Carta 17]. Tradução: A. Domínguez. Madrid: Alianza, 1988.

SPINOZA, Benedictus. Breve Tratado. Tradução: E. Fragoso & L. Oliva. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

SPINOZA, Benedictus. Princípios da Filosofia Cartesiana; Pensamentos Metafísicos. Tradução: H. Santigo & L. Oliva. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

TEIXEIRA, Lívio. A doutrina dos modos de percepção e o conceito de abstração na filosofia de Espinosa. São Paulo: Unesp, 2001.

TEIXEIRA, Lívio. Introdução. In: ESPINOSA, Baruch. Tratado da reforma da inteligência. Tradução: L. Teixeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

O periódico Filosofia e Educaçãoutiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.