A modernidade e suas sombras: problemas historiográficos no ensino de filosofia

Autores

  • Rodrigo Marcos de Jesus Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v10i1.8652000

Palavras-chave:

Modernidade. Historiografia. Eurocentrismo.

Resumo

Este artigo analisa a chamada Modernidade (sua periodização, caracterização, seus temas, problemas e filósofos significativos) apontando como seu estudo no ensino superior e no ensino médio apresenta uma historiografia marcada pela colonialidade do saber e pelo eurocentrismo. Propõe, assim, observar alguns problemas historiográficos da filosofia, entender suas causas e buscar ver o que está nas sombras da tradição filosófica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Marcos de Jesus, Universidade Federal de Mato Grosso

Professor Assistente de Filosofia na Universidade Federal de Mato Grosso/UFMT.

Referências

ARANHA, M. L.; MARTINS, M. H. Filosofando: introdução à filosofia. 5 ed. São Paulo: Moderna, 2013.

BRASIL, MEC. Parecer CNE/CES 492/2001 (Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de Filosofia, História, Geografia, Serviço Social, Comunicação Social, Ciências Sociais, Letras, Biblioteconomia, Arquivologia e Museologia).

BRASIL, Secretaria de Educação Básica. Ciências humanas e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. (Orientações curriculares para o ensino médio; volume 3)

CARVALHO, E. R. Pensadores da América Latina: o movimento latino-americano de história das ideias. Goiânia: Editora UFG, 2009.

CERQUEIRA, L. A. Filosofia brasileira: ontogênese da consciência de si. Petrópolis: Vozes, 2002.

CRUZ COSTA, J. Contribuição à história das ideias no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

DUSSEL, E. 1492: O encobrimento do Outro. A origem do mito da modernidade. Petrópolis: Vozes, 1993.

DUSSEL, E. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Trad. Ephraim Ferreira Alves, Jaime A. Clasen, Lucia M.E. Orth. 3. ed. Petrópolis : Vozes, 2007.

DUSSEL, E. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: Clacso, 2005.

DUSSEL, E. Política da Libertação I: história mundial e crítica. Passo Fundo: IFIBE, 2014.

GALLO, S. Filosofia: experiência do pensamento. São Paulo: Scipione, 2013.

GRUZINSKI, S. As quatro partes do mundo: história de uma mundialização. Trad. Cleonice Paes Barreto Mourão; Consuelo Fortes Santiago. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Edusp, 2014.

HEGEL, G. W. F. Carta ao real Conselheiro do Governo prussiano e Professor Friedrich Rayner, de 1816. In: HEGEL, G. W. F. [Sobre o Ensino de Filosofia]. Trad. Artur Morão. Lusosofia:press, s/d. Disponível em: www.lusosofia.net. Acesso em: 27/01/2018.

HEGEL, G. W. F. Introdução à História da Filosofia. Trad. Antonio Pinto de Carvalho. São Paulo, SP: Nova Cultural, 2000. (Coleção Os Pensadores).

HEGEL, G. W. F. Lecciones sobre la historia de la filosofia. Trad. Elsa Cecilia Frost. México, D.F: Fondo de Cultura Económica,1985, vols. I e III.

HEIDEGGER, M. “Já só um Deus nos pode ainda salvar”. [Entrevista a revista alemã Der Spiegel em 23 de Setembro de 1966 e publicada no nº 23/1976]. Tradução e notas de Irene Borges-Duarte. Universidade da Beira Interior Covilhã: Lusosofia:press, 2009. Disponível em: http://www.lusosofia.net/textos/heideggger_ja_so_um_deus_nos_pode_ainda_salvar_der_spiegel.pdf. Acesso em: 01/02/2018.

HEIDEGGER, M. O que é isto – a filosofia? Trad. Ernildo Stein. São Paulo, SP: Nova Cultural, 2000. (Coleção Os Pensadores).

LEOPOLDO E SILVA, F. História da filosofia: centro ou referencial? In: NETO, H. N.(Org.). O ensino de filosofia no 2º grau. São Paulo: SOFIA: SEAF, 1986. p. 153-162.

LÖWITH, K. De Hegel a Nietzsche: a ruptura revolucionária no pensamento do século XIX: Marx e Kierkegaard. Trad. Flamarion Caldeira Ramos. Luiz Fernando Barrère Martin: São Paulo: Editora Unnesp, 2014.

MARIÁTEGUI, J. C. Sete ensaios de interpretação da realidade peruana. 2ª Ed. Trad. Felipe José Lindoso. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MARGUTTI, P. História da Filosofia do Brasil: o período Colonial (1500-1822). São Paulo: Loyola, 2013.

MIGNOLO, W. La idea de América Latina: la herida colonial y la opción decolonial. Barcelona: Gedisa Editorial, 2007.

PAIM, A. História das ideias filosóficas no Brasil. 5 ed. Londrina: Editora da UEL, 1997.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B.; MENESES, P. (orgs.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

QUIJANO, A. El marxismo en Mariátegui: una propuesta de racionalidad alternativa. In: SOBREVILLA ALCÁZAR, David (ed.). El marxismo de José Carlos Mariátegui – V Congreso Nacional de Filosofía: seminario realizado el 2 de agosto de 1994. Lima: Universidade de Lima; Amauta, 1995.

RABOSSI, E. En el comienzo Dios creó el Canon: Biblia berolinensis. Buenos Aires: Gedisa, 2008.

RESTREPO, E.; ROJAS, A. Inflexión Decolonial: fuentes, conceptos, cuestionamientos. Popayan: Editorial Universidad del Cauca, 2010.

Downloads

Publicado

2018-03-26

Como Citar

Jesus, R. M. de. (2018). A modernidade e suas sombras: problemas historiográficos no ensino de filosofia. Filosofia E Educação, 10(1), 90–120. https://doi.org/10.20396/rfe.v10i1.8652000