Das mônadas de Leibniz à educação estética de Schiller

  • Roberison Wittgenstein Dias Silveira Professor Adjunto Centro de Educação (CEDU) da Universidade Federal de Alagoas
Palavras-chave: ONTOLOGIA, ESTÉTICA, EDUCAÇÃO

Resumo

Partindo da proposta ontológica de Leibniz, a ideia de perfeição dá origem à discussão estética germânica. O grande questionamento é se o gosto está ligado a uma concepção de perfeição inerente à realidade ou se é o resultado da dinâmica dos sentidos, responsáveis pelas sensações. Reformulando a concepção estética moderna, Kant não concebe nenhuma validade de coisa-em-si para o gosto, ele não está nas coisas nelas mesmas, mas antes na maneira de operar da faculdade de julgar reflexiva. Reconhecendo esta nova perspectiva, e encontrando nela lacunas no que diz respeito à aproximação entre razão e sensibilidade, Schiller propõe uma nova criação da estética como modelo de formação do homem

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberison Wittgenstein Dias Silveira, Professor Adjunto Centro de Educação (CEDU) da Universidade Federal de Alagoas
Graduado em Geografia pela Universidade Estadual Paulista de Presidente Prudente (UNESP), mestrado e doutorado em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Melhor tese de doutorado de Geografai do Brasil - Prêmio Capes de tese 2013. Atualmente é professor Adjunto na Universidade Federal de Alagoas (UFAL) Campus A. C. Simões Maceió, no Centro de Educação (CEDU). Atua na área de Epistemologia da Ciência; Geografia Humana e Filosofia.

Referências

BAUMGARTEN, A. G. Reflexiones filosóficas acerca de la poesía. Trad. del latín, prólogo y notas José Antonio Miguez. Buenos Aires: Aguilar, 1955.

BENJAMIN, W. O conceito de crítica da arte no romantismo alemão. Trad. e notas Marcio Seligmann Silva. São Paulo: Iluminuras, 2002

BURKE. E. Uma investigação filosofica sobre a origem de nossas ideias do sublime e do belo. Tradução, apresentação e notas: Enid Abreu Dobranszky. Campinas: Papirus, 1993

GARBER, D. Leibniz: physics and philosophy. In The Cambridge Companion to

Leibniz. San Diego: Cambridge University Press, 1998.

GOETHE & SCHILLER. Companheiros de viagem: correspondências. São Paulo: Nova Alexandria, 1993.

GUYER, P. 18th century german aesthetics. In Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2007.

KANT, I. Crítica da faculdade de julgar. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

______. Crítica da razão pura. São Paulo; Nova Cultural, 1999 (Os Pensadores)

LEIBNIZ, G. W. A monadologia; Discurso de metafísica. São Paulo: Abril Cultural, 1979a, p. 101-152. (Os pensadores)

LESSING, G.E. Laocoonte ou sobre as fronteiras da pintura e da poesia: com esclarecimentos ocasionais sobre diferentes pontos da história da arte grega. Introdução, tradução e notas Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Iluminuras, 1998.

REGO, P. C. Reflexão e fundamento: sobre a relação entre gosto e conhecimento na estética de Kant. Belo Horizonte: KRITERION, no. 112, Dez/2005, p. 214-228.

SAFRANSKI, R. Romantismo: uma questão alemã. Trad. Rita Rios. São Paulo: Estação Liberdade, 2010.

SCHILLER, F. A educação estética do homem: numa série de cartas. Trad. Roberto Schwarz e Márcio Suzuki; Introdução e notas Márcio Suzuki. São Paulo: Iluminuras, 2002.

SULZER, J. G. Aesthetics and the art of musical composition in the german enlightnment: selected writings of Johann Georg Sulzer and Heinrich Christoph Koch. Edited by Nancy Baker and Thomas Christensen. Cambridge: Cambridge University Press, 1995, pp. 01-108.

Publicado
2019-09-11
Como Citar
Silveira, R. W. D. (2019). Das mônadas de Leibniz à educação estética de Schiller. Filosofia E Educação, 11(1), 156 - 182. https://doi.org/10.20396/rfe.v11i1.8654749