Educação, artes e os saberes ancestrais no combate ao racismo

afetos, memórias e resistências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v13i1.8664181

Palavras-chave:

Educação, Artes, Saberes ancestrais

Resumo

O texto traz uma discussão sobre Educação, Artes e Saberes Ancestrais como aportes importantes para o combate ao racismo. Utilizamos teorias estruturadas no Movimento Negro, de Mulheres Negras no viés Cultural, Político, Estético, Religioso e nos pilares dos Saberes Ancestrais africanos em diásporas. Partimos da reflexão das interações socioculturais e escolares mediante uma práxis dialógica entre Educação, Arte e Saberes Ancestrais, discorrendo sobre o corpo do negro como discurso no mundo e a afetividade como uma tecnologia humana no processo de pertencimento e reconhecimento histórico e social para a reconexão da memória do povo africano em diáspora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carla de Moraes da Silva, Secretaria Municipal de Educação

Graduação em Dança pela Universidade Federal de Alagoas. É apoio administrativo - Secretaria Municipal de Educação de Maceió.

Beatriz Araújo da Silva, Universidade Federal de Alagoas

Doutoranda da Universidade Federal de Alagoas - UFAL.  Professora do Curso de Gestão Hospitalar EAD da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas - UNCISAL e da Universidade Aberta do Brasil - UAB.

Referências

ACCIOLY, Izabel. O afeto não nos livra do racismo. Disponível em: https://negre.com.br/o-afeto-nao-nos-livra-do-racismo/. Acesso em: 27 de janeiro de 2021.

ANDRÉ, Bianka Pires. Racismo e des-afetividade no cotidiano escolar. Agenda Social, Norte Fluminense, v. 5, p. 30-41, 2011.

BATISTA, Carmen Silvia. Um olhar além das fronteiras: educação e relações raciais. Brasília: Cadernos de Educação, nº 23, 2010, p. 251-259.

BORBA, Sérgio da Costa. Multirreferencialidade: na formação do professor – pesquisador – da conformidade à complexidade. Maceió: EDUFAL, 2001.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte/ Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 130 p.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDBN nº 9394, De 20 de Dezembro de 1996.

BRASIL. Retrato das desigualdades de gênero e raça. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (et al). 4ª ed. Brasília: Ipea, 2011.

COSTA, Aline de. Da maestria na cultura popular. UESC. Mar. 2012. Disponível em: http://www.uesc.br/icer/artigos/maestria_culturapopular.pdf. Acesso em: 29 de set. 2021.

DRAVET, Florence Marie; OLIVEIRA, Alan Santos. Relações entre oralidade e escrita na comunicação: Sankofa, um provérbio africano. Miscelânea: Revista de Literatura e Vida Social, v. 21, p. 11-30, 2017.

DUARTE, Mel. Querem nos calar, poemas para serem lidos em voz alta. Uma antologia. Mel Duarte (Org.). Editora: Planeta do Brasil em abril de 2019.

EVARISTO, Conceição. Escrevivências da Afro-brasilidade: História e Memória. In: Releitura, Belo Horizonte, Fundação Municipal de Cultura, nº 23, novembro de 2008.

FRANCO, Nanci H. Rebouças Franco. Educação e diversidade étnico-cultural: Concepções elaboradas por estudantes no âmbito da Escola Municipal Helena Magalhães. 2008, 210f. Tese (Doutorado em educação) – UFBA, Salvador , 2008.

GOMES, Nilma Lino. O Movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2017.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro e a intelectualidade negra descolonizando os currículos. In: BERNARDINO-COSTA, Joaze et.al. Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019, p.223-246.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: Uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre, Mediação 1991.

HOOKS, Bell. Vivendo de Amor. Disponível em: http://www.geledes.org.br. Acesso em: 21 de janeiro de 2021.

HOOKS, Bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2017.

JESUS, Carlos H. Martins de; SANTOS, Laurita. Movimento negro e Estado: as correlações de forças e a implementação de políttcas públicas. Maceió: EDUFAL, 2013.

MARQUES, Isabel A. Linguagem da dança: arte e ensino. São Paulo: Digitexto, 2010.

NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo: documentos de uma militância pan-africanista. 3. ed. rev. São Paulo: Editora Perspectiva; Rio de Janeiro: Ipeafro, 2019.

NOGUERA, Renato. Afroperspectividade no ensino de filosofia: possibilidades da Lei 10.639/03 diante do desinteresse e do racismo epistêmico. Rio de Janeiro: O que nos faz pensar, v.28, n.45, 2019, p.434-451.

OLIVEIRA, Nadir N. Agô Alafiju, odara! A Presença de Clayde Wesley Morgan na Escola de Dança da UFBA: 1971 – 1978. Salvador, Fundação Pedro Calmon, 2007.

OLIVEIRA, Nadir N. Dança afro: sincretismo de movimentos. Salvador: EDUFBA,1991.

PETIT, S. H. Pretagogia: Pertencimento, Corpo-Dança Afroancestral e Tradição Oral Africana na Formação de Professoras e Professores. 1. ed. Fortaleza: EdUECE, 2015. v. 1. 261p.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Stuart Hall, Kathryn Woodwar. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SILVA, Ana Carla de Moraes. O ensino da dança no projeto alternativo de apoio a meninos e meninas de rua - ERÊ: Algumas considerações educacionais. SILVA, Jeferson Santos da. et al. Cabeça preta: pesquisa sobre a questão racial em Alagoas. Instituto do Negro de Alagoas (INEG). Belo Horizonte: Nandyala, 2017.

SILVA, Jeferson Santos da. O que restou é folclore: o negro na historiografia alagoana. Maceió: Fapeal:Imprensa Oficial Graciliano Ramos, 2018.

SODRÉ, Jaime. Ancestralidade na perspectiva da Educação. Educaxé. 27 Ago. 2010. Disponível em: http://mundoafro.atarde.uol.com.br/educaxe-ancestralidade-na-perspectiva-da-educacao/. Acesso em: 30 de set. 2014.

SODRÉ, Jaime. Jeferson Santos da. Algumas considerações acerca da crítica ao discurso de base étnica. SILVA, Jeferson Santos da. et al. Cabeça preta: pesquisa sobre a questão racial em Alagoas. Instituto do Negro de Alagoas (INEG). Belo Horizonte: Nandyala, 2017.

SILVA, Nelson Fernando Inocêncio da. Culturas e imaginário: um ponto de vista negro. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2014.

SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e Diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Stuart Hall, Kathryn Woodwar. 14. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

SOARES, Lissandra Vieira; MACHADO, Paula Sandrine. "Escrevivências" como ferramenta metodológica na produção de conhecimento em Psicologia Social. Rev. psicol. polít. vol.17, n. 39, São Paulo, maio/ago. 2017.

SOMÉ, Sobonfu. O Espírito da Intimidade. São Paulo: Odysseus, 2003.

THEODORO, Helena. Mito e espiritualidade: mulheres negras. Rio de Janeiro: Pallas, 1996.

Downloads

Publicado

2021-05-14

Como Citar

SILVA, A. C. de M. da .; SILVA, B. A. da . Educação, artes e os saberes ancestrais no combate ao racismo: afetos, memórias e resistências. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 13, n. 1, p. 1938–1963, 2021. DOI: 10.20396/rfe.v13i1.8664181. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8664181. Acesso em: 25 set. 2021.