Banner Portal
A educação humanista para o ensino jurídico
A Revista Filosofia e Educação dedica este numéro à divulgação da seleção de artigos encaminhados para a seção de fluxo contínuo durante o ano de 2021. Considerando a variedade temática, esperamos que o títulobde "Filosofia da educação e ideias pedagógicas conemporâneas" permita sinalizar os conteúdos que abrangem desde as práticas de ensino, as correntes filosóficas que permeiam o debate pedagico até as perspectivas éticas na formação e no exercício da profissão do educador.
PDF

Palavras-chave

Humanismo
Ensino Jurídico
Educação democrática

Como Citar

PALMEIRA, Lana Lisiêr de Lima; MARIZ, Tobyas Maia de Albuquerque; CORDEIRO, Carla Priscilla Barbosa Santos. A educação humanista para o ensino jurídico . Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 14, n. 2, p. 175–203, 2022. DOI: 10.20396/rfe.v14i2.8668498. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8668498. Acesso em: 25 abr. 2024.

Resumo

Este estudo buscou analisar como os currículos se originaram, estabelecendo como ponto de partida a tradição romana e sua arqueologia do saber jurídico, para, em seguida, adentrar nas reflexões em torno da ciência e da técnica na modernidade, desnudando aspectos valiosos a fim de se (re)pensar uma pauta humanista nessa seara. Como opção teórico-metodológica, adotou-se a abordagem de natureza qualitativa, com ênfase na revisão de literatura. Como resultado, ficou evidente a necessidade concreta de um modelo de educação jurídica que possa romper com a configuração socioeducacional atual e que seja capaz de assegurar a junção equilibrada entre o Humanismo, a Ciência, a Técnica, as Artes.

https://doi.org/10.20396/rfe.v14i2.8668498
PDF

Referências

ARENDT, H. Homens em tempos sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

ARENDT, H. As origens do totalitarismo: antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ARENDT, H. A dignidade da política: ensaios e conferências. Trad. Antonio Abranches. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

ARENDT, H. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Trad. Antonio Abranches. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARENDT, H. A condição humana. 10. ed. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2003.

BENJAMIN, W. A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica. In: Obras escolhidas. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Ed. Brasiliense, v. 1, 1983.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução nº 05/2018, de 17 de dezembro de 2018. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Brasília: MEC, 2018.

FREIRE, P. A Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

GUANDALINI, W. Perspectivas da Tradição Romanística: passado e futuro do Direito Romano. Santa Catarina: Revista Sequência: Publicação do programa de pós graduação em direito da UFSC. v. 36, n. 70, 2015.

HABERMAS, J. Técnica e ciência como ideologia. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1968.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Trad. Márcia de Sá Cavalcanti. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

MAQUIAVEL, N. O Príncipe. Tradução de Maria Júlia Goldwasser. São Paulo: Martins Fontes: 2004.

PALMEIRA, L.L.P; PRADO, E.C; CORDEIRO, C. P. B. S. A educação em direitos humanos nos currículos dos cursos de direito no Estado de Alagoas: um estudo de caso em um caso a ser repensado. Revista Teias, Rio de Janeiro. volume 21, número 63, outubro/dezembro 2020. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/download/49496/36158Revista htm. Acesso em: 28 de maio de 2021.

RAWLS, J. O Liberalismo Político. São Paulo, Martins Fontes, 2011.

RAWLS, J. O liberalismo político. 2. ed. Trad. Dinah de Abreu Azevedo, 2000.

ROSSI, P. Os filósofos e as máquinas 1400-1700. Tradução de Federico Carotti. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

ZAMBAM, N. J. Introdução à teoria da justiça de John Rawls. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

ZAMBAM, N. J,; AQUINO, S. R. F. A teoria da justiça em Amartya Sen: temas fundamentais. Porto Alegre: Editora Fi, 2016.

ZAMBAM, N. J.; ALMEIDA, R. O. O liberalismo político de John Rawls: a missão de educar a juventude para a democracia no séc. XXI. In. Quaestio Juris. Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, 2017.

ZAMBAM, N. J.; N.J. Amartya Sen: liberdade, justiça e desenvolvimento sustentável. Passo Fundo: IMED, 2012.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Filosofia e Educação

Downloads

Não há dados estatísticos.