A educação humanista para o ensino jurídico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v14i2.8668498

Palavras-chave:

Humanismo, Ensino Jurídico, Educação democrática

Resumo

Este estudo buscou analisar como os currículos se originaram, estabelecendo como ponto de partida a tradição romana e sua arqueologia do saber jurídico, para, em seguida, adentrar nas reflexões em torno da ciência e da técnica na modernidade, desnudando aspectos valiosos a fim de se (re)pensar uma pauta humanista nessa seara. Como opção teórico-metodológica, adotou-se a abordagem de natureza qualitativa, com ênfase na revisão de literatura. Como resultado, ficou evidente a necessidade concreta de um modelo de educação jurídica que possa romper com a configuração socioeducacional atual e que seja capaz de assegurar a junção equilibrada entre o Humanismo, a Ciência, a Técnica, as Artes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lana Lisiêr de Lima Palmeira, Universidade Federal de Alagoas

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Alagoas. Professora Adjunta da Universidade Federal de Alagoas. 

Tobyas Maia de Albuquerque Mariz, Universidade Federal de Alagoas

Doutorado em Zootecnia pela Universidade Federal de Alagoas. Professor Associado da Universidade Federal de Alagoas.

Carla Priscilla Barbosa Santos Cordeiro, Centro de Estudos Superiores de Maceió

Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Alagoas. Professora na Faculdade Centro de Estudos Superiores de Maceió (Cesmac) do Agrestes.

Referências

ARENDT, H. Homens em tempos sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

ARENDT, H. As origens do totalitarismo: antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ARENDT, H. A dignidade da política: ensaios e conferências. Trad. Antonio Abranches. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1993.

ARENDT, H. A vida do espírito: o pensar, o querer, o julgar. Trad. Antonio Abranches. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalém: um relato sobre a banalidade do mal. Trad. José Rubens Siqueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

ARENDT, H. A condição humana. 10. ed. Trad. Roberto Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. São Paulo: Perspectiva, 2003.

BENJAMIN, W. A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica. In: Obras escolhidas. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Ed. Brasiliense, v. 1, 1983.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução nº 05/2018, de 17 de dezembro de 2018. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Direito e dá outras providências. Brasília: MEC, 2018.

FREIRE, P. A Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

GUANDALINI, W. Perspectivas da Tradição Romanística: passado e futuro do Direito Romano. Santa Catarina: Revista Sequência: Publicação do programa de pós graduação em direito da UFSC. v. 36, n. 70, 2015. DOI: https://doi.org/10.5007/2177-7055.2015v36n70p163

HABERMAS, J. Técnica e ciência como ideologia. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1968.

HEIDEGGER, M. Ser e Tempo. Trad. Márcia de Sá Cavalcanti. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

MAQUIAVEL, N. O Príncipe. Tradução de Maria Júlia Goldwasser. São Paulo: Martins Fontes: 2004.

PALMEIRA, L.L.P; PRADO, E.C; CORDEIRO, C. P. B. S. A educação em direitos humanos nos currículos dos cursos de direito no Estado de Alagoas: um estudo de caso em um caso a ser repensado. Revista Teias, Rio de Janeiro. volume 21, número 63, outubro/dezembro 2020. Disponível em: https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/download/49496/36158Revista htm. Acesso em: 28 de maio de 2021. DOI: https://doi.org/10.12957/teias.2020.49496

RAWLS, J. O Liberalismo Político. São Paulo, Martins Fontes, 2011.

RAWLS, J. O liberalismo político. 2. ed. Trad. Dinah de Abreu Azevedo, 2000.

ROSSI, P. Os filósofos e as máquinas 1400-1700. Tradução de Federico Carotti. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

ZAMBAM, N. J. Introdução à teoria da justiça de John Rawls. 2. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2015.

ZAMBAM, N. J,; AQUINO, S. R. F. A teoria da justiça em Amartya Sen: temas fundamentais. Porto Alegre: Editora Fi, 2016.

ZAMBAM, N. J.; ALMEIDA, R. O. O liberalismo político de John Rawls: a missão de educar a juventude para a democracia no séc. XXI. In. Quaestio Juris. Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, 2017. DOI: https://doi.org/10.12957/rqi.2017.25623

ZAMBAM, N. J.; N.J. Amartya Sen: liberdade, justiça e desenvolvimento sustentável. Passo Fundo: IMED, 2012.

Downloads

Publicado

2022-09-05

Como Citar

Palmeira, L. L. de L., Mariz, T. M. de A. ., & Cordeiro, C. P. B. S. (2022). A educação humanista para o ensino jurídico . Filosofia E Educação, 14(2), 175–203. https://doi.org/10.20396/rfe.v14i2.8668498

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)